conecte-se conosco


Política Nacional

Após declaração, bancada do PSL quer reunião com Bolsonaro para ‘aparar arestas’

Publicado

source
Bolsonaro arrow-options
Isac Nóbrega/PR – 3.10.19

Críticas do presidente não foram bem recebidas por integrantes do partido

A declaração do presidente Jair Bolsonaro a um apoiador sobre “esquecer o PSL” nesta terça-feira incendiou o partido no Congresso. As bancadas da Câmara e do Senado convocaram uma reunião às pressas e, sem a presença do presidente nacional da sigla, Luciano Bivar, decidiram tentar um encontro com Bolsonaro para aparar as arestas. A reunião acabou sem consenso. Deputados da ala bolsonarista pediram que Bivar deixe o comando da legenda, enquanto parlamentares aliados de Bivar defenderam a permanência dele à frente da sigla.

Leia também: Deputados decidem deixar o PSL após falas de Bolsonaro

No último fim de semana, em conversa com aliados, Bolsonaro externou insatisfação com a falta de gestão, organização e transparência do partido. A aliados, o presidente afirmou aguardar uma resposta sobre uma consulta que teria sido feita ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para saber se poderá levar os recursos do fundo partidário do PSL caso migre para outro partido. Pela legislação eleitoral, deputados não podem deixar a legenda fora da janela eleitoral. Se deixarem, perdem o mandato e o presidente também não poderia levar os recursos.

Veja Também:  “Pergunta pra eles”, diz Bolsonaro sobre permanecer no PSL

Na esteira de Bolsonaro, o partido conquistou 11,6 milhões de votos em 2018, o que elevou o fundo partidário de R$ 6,2 milhões em 2018 para R$ 103 milhões em 2019, um crescimento de 1.341%. Deputados aliados de Bolsonaro acreditam que parte desses recursos possa ser levada para a legenda, já que o presidente tem o apoio de pelo menos 30 deputados.

O deputado Hélio Lopes ( PSL -RJ), também conhecido como Hélio Negão , disse em uma publicação no Twitter que não há surpresa na frase de Bolsonaro. Segundo ele, é “Brasil acima de tudo, inclusive de partido”. De acordo com um parlamentar do partido, a bancada do PSL na Câmara se apresenta, em maioria, a favor do presidente.

O deputado federal Marcelo Freitas (PSL-MG), um dos que apoiam Luciano Bivar, disse que Bolsonaro errou e foi infeliz: “Deve desculpas ao Bivar”.

Para o deputado Carlos Jordy (PSL-RJ), Luciano Bivar tenta impedir a renovação da executiva do PSL. Ele faz coro com o presidente da República e considera o deputado da ala “fisiológica” da legenda.

“Há uma parte fisiológica do partido que está forçando a barra. E aí o partido está dividido. Mas eu sou leal ao presidente. Se ele sair, eu vou junto. É uma solução complicada entrar em outro partido, então não sei se isso vai acontecer”, disse Jordy.

Veja Também:  STF encerra sessão e vota sobre prisão em 2ª instância na quarta (23)

Manifesto

No último mês, o deputado federal Luiz Philippe de Orleans e Bragança (PSL-SP) recolheu 34 assinaturas em um manifesto pela reformulação da cúpula do partido. A ideia era diluir o poder de Bivar e de seu vice, Antonio Rueda, com os membros da Executiva. Atualmente, só os dois têm a chave do cofre do PSL. O manifesto gerou uma nova crise e o Luiz Philippe deixou de integrar o diretório estadual de São Paulo, que é presidido pelo deputado Eduardo Bolsonaro.

Leia também: Casa Branca afirma que não vai cooperar com investigação da Câmara sobre Trump

Amanhã, o Patriota — partido que já sinalizou receber o presidente Jair Bolsonaro — terá uma reunião para fechar um posicionamento público em relação ao assunto. A Executiva do partido se reúne com os cinco deputados para decidir aceitam ou não Bolsonaro. Segundo uma fonte do partido, caso o presidente mude de fato, 30 deputados iriam juntos. Na semana passada, Bolsonaro conversou com o presidente nacional da legenda sobre a possível filiação.

Fonte: IG Política
Comentários Facebook
publicidade

Política Nacional

Bivar minimiza possibilidade de afastar Flávio e Eduardo do comando do PSL

Publicado

source
Bivar arrow-options
REPRODUÇÃO/AGÊNCIA BRASIL

Presidente do PSL, Luciano Bivar

O presidente do PSL, deputado Luciano Bivar (PE), minimizou nesta terça-feira a possibilidade de o partido o intervir nos diretórios de Rio, São Paulo e Minas Gerais para alterar os comandos estaduais. A troca foi sugerida pelo deputado Delegado Waldir (GO), ex-líder da sigla na Câmara, com o objetivo de atingir o senador Flávio Bolsonaro (RJ), o deputado Eduardo Bolsonaro (SP) e o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, que já está licenciado da presidência da legenda em Minas.

Leia também: Major Olímpio diz que Eduardo Bolsonaro deveria ‘calçar a sandália da humildade’

Em uma rápida entrevista na Câmara – Bivar foi ao plenário registrar presença e, em seguida, voltou ao carro que o levaria para a reunião do PSL –, o presidente do partido primeiro questionou quem havia levantado a hipótese de intervenção. Ao ser informado sobre o posicionamento do ex-líder, na manhã desta quinta, Bivar foi comedido: “Pode estar nos seus sentimentos pessoais (do Delegado Waldir). Mas não no sentimento do partido.”

Veja Também:  Deputados apresentam nova lista para que Eduardo Bolsonaro se torne líder do PSL

Bivar também tentou diminuir a crise do PSL, que já entrou na terceira semana. Ao ser perguntado sobre os conflitos, que opõem o grupo ligado a Bivar aos parlamentares mais próximos do presidente Jair Bolsonaro, o presidente do PSL procurou passar a imagem de que não há problemas.

“Está tudo em paz, entendeu? Acho que a gente tem de pensar no Brasil. Todos nós temos de ser patriotas. Todos temos de ser patriotas. Temos que ser patriotas e pensar no país em primeiro lugar. Somos uns liberais de direita. E a gente quer o melhor do país.”

Leia também: Eduardo indica 13 bolsonaristas acusados de indisciplina para vice-liderança

A disputa no PSL , no entanto, já provocou a troca de líder na Câmara – Eduardo Bolsonaro substituiu Delegado Waldir após uma “guerra de listas” –, além de xingamentos direcionados a Bolsonaro, que foi chamado de “vagabundo” pelo ex-líder em uma reunião e acusações de entrega de cargos em troca de apoios.

Fonte: IG Política
Comentários Facebook
Continue lendo

Política Nacional

Pedido de investigação de Deltan feito pelo PT é negado no STF

Publicado

source
Procurador Deltan Dallagnol falando ao microfone arrow-options
Marcelo Camargo/ABr

Pedido contra Deltan foi negado pelo ministro Celso de Mello

Um pedido de investigação do procurador Deltan Dallagnol , chefe da Operação Lava Jato no Paraná, feito pelo PT foi negado pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Celso de Mello . Assinado pelo deputado Paulo Pimenta , o documento pedia que Dallagnol fosse investigado por abuso de poder, fraude processual, prevaricação, organização criminosa e atos de improbidade administrativa.

A decisão ainda não foi divulgada na íntegra, mas a justificativa para o arquivamento da ação, de acordo com o jornal O Estado de São Paulo , é que “que o autor do pedido não usou a via cabível”.

Leia também: Dallagnol recusa hipótese de promoção para continuar na Lava-Jato

As suspeitas contra Dallagnol começaram a surgir após o início das publicações das reportagens da Vaza Jato pelo site The Intercept Brasil . De acordo com as mensagens privadas que o site teve acesso, ele e outros procuradores tiveram condutas ilegais ao se comunicarem por outro meio que não os autos oficiais e ainda contaram com a ajuda do então juiz Sergio Moro, hoje ministro da Justiça e Segurança Pública, para a obtenção de provas e organização do calendário de forças-tarefas.

Veja Também:  “Está faltando maturidade política”, diz presidente do DEM sobre crise no PSL

Fonte: IG Política
Comentários Facebook
Continue lendo

Política Nacional

Caso Flordelis: debilitada desde o crime, irmã do pastor Anderson do Carmo morre

Publicado

source
Irmã morta do pastor morto arrow-options
Luciano Belford / Arquivo / Agência O DIA

Debilitada desde a morte do irmão, Michele morreu na noite desta segunda-feira

Morreu, na noite desta segunda-feira (21), Michele do Carmo de Souza, irmã do pastor Anderson do Carmo, casado com a deputada federal Flordelis (PSC) e assassinado a tiros dentro de casa em Niterói, em junho deste ano. A informação foi divulgada pelo vereador Misael, filho da parlamentar, que disse que ela foi vitimada por uma anemia, aos 39 anos.

Leia também: Ameaçado de cassação, deputado do PSL dispara: “Tenho coisa para f* todo mundo”

“Após o falecimento de seu irmão, Michele ficou muito debilitada, e estava internada no Hospital Municipal Carlos Tordelly, para controle da anemia”, disse Misael. O enterro será às 17h no Cemitério Parque de Nycteroy, no bairro Laranjal, em São Gonçalo.

Michele chegou a prestar depoimento à polícia no caso que investiga o assassinato de seu irmão, o pastor Anderson do Carmo e apontava a cunhada Flordelis como mandante. Em setembro, ela e sua mãe, Maria Edna, foram autorizadas pela Justiça e pelo Ministério Público do Rio (MPRJ) para serem assistentes de acusação no processo que investiga o crime .

Veja Também:  Carlos Bolsonaro admite pela primeira vez que usa o Twitter do pai

De acordo com o inquérito conclusivo da DHNSG (Delegacia de Homicídios de Niterói e São Gonçalo), o filho biológico da deputada, Flavio , confessou ter atirado seis vezes no padrasto. O laudo da necrópsia contraria a versão contada por ele e aponta que o corpo da vítima apresentava trinta perfurações provocadas por arma de fogo.

Leia também: Bolsonaro ‘é uma marionete’ dos filhos, diz Delegado Waldir

Lucas , filho adotivo do casal, é apontado como responsável pela negociação da arma usada por Flávio no dia do crime. A pistola Bersa, calibre 9 milímetros, foi encontrada dias depois do crime no quarto usado por Flávio.

Fonte: IG Política
Comentários Facebook
Continue lendo

Nova Xavantina

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana