conecte-se conosco


Saúde

Após dor intensa, jovem é diagnosticada com câncer e tem perna direita amputada

Publicado

Aos 22 anos, Bernadette Hagans, que vive em Belfast, capital da Irlanda do Norte, começou a sentir uma pontada na perna direita, mas achou que tinha acabado de batê-la em uma caixa enquanto se mudava para seu novo apartamento. No entanto, meses depois, a dor piorou e, enquanto esfregava a perna, notou um pequeno caroço do tamanho de uma ervilha.

Leia também: Mulher cria perfil no Instagram para esqueleto de seu pé amputado

Mulher que teve perna amputada arrow-options
Reprodução/Instagram/bernadettehagans

Bernadette foi diagnosticada com um câncer raro e, para continuar vivendo, precisou que a perna direita fosse amputada

Diante da situação, a jovem agendou uma consulta médica em janeiro de 2018, mas foi diagnosticada com um nódulo de gordura inofensivo. Quando a dor na perna ficou cada vez pior, ela foi encaminhada para o hospital para realizar exames. Assim que os resultados chegaram, ela foi informada que estava com sarcoma, um raro e agressivo tipo de câncer. 

Por conta da doença, ela precisaria amputar sua perna direita a partir da região do joelho para impedir sua disseminação ou poderia morrer. De acordo com o The Sun, os primeiros sintomas começaram a aparecer em agosto de 2017. “Alguns dias, pareceria que eu estava sendo esfaqueada na perna”, diz. “Eu sentia como se meu osso fosse estalar”, completa. 

Em maio de 2018, Bernadette foi encaminhada ao Musgrave Park Hospital, onde passou por diversos exames ao longo dos meses. Foi então que, em agosto do ano passado, ela foi chamada para uma consulta urgente. “A enfermeira pegou minha mão e perguntou se tinha alguém comigo. Foi quando eu soube que deveria ser ruim”, destaca. 

Leia também: Paisagista britânico é obrigado a amputar a perna após ser picado por uma aranha

“Os médicos e ela perguntaram se poderiam ligar para meus pais, mas pedi que me contassem o que estava acontecendo. Eles explicaram que eu tinha sarcoma sinovial. Normalmente, eles tentam cortar o tumor, mas ele está enrolado em volta dos meus vasos sanguíneos e nervos. A única opção era amputar minha perna”, diz.

Veja Também:  4 exercícios para aliviar as dores e o estresse no ambiente de trabalho

“Eu pareço louca, mas sempre fui uma pessoa positiva”

A jovem lembra que os profissionais olharam para ela esperando sua reação, que foi apenas sorrir e fazer uma piada. “Eles não conseguiam acreditar que eu tinha aceitado. Acharam que eu ficaria em choque”, aponta Bernadette, que logo foi apresentada para um especialista em prótese, que lhe disse que iria criar uma para ela logo após a cirurgia. 

“Eu pareço louca, mas sempre fui uma pessoa positiva. Eu realmente não fiquei tão chateada. Há tantas pessoas lá fora piores que eu. Até crianças com câncer . Eu já tinha 22 bons anos. Se fosse minha perna ou minha vida, então eles poderiam pegar a minha perna. A enfermeira ainda estava preocupada e me fazendo prometer ir direto para casa contar aos meus pais”, relata.

Amputação da perna

Mulher tem perna amputada arrow-options
Reprodução/Instagram/bernadettehagans

Jovem dá detalhes da amputação da perna e conta que, após o procedimento cirúrgico, fez algumas brincadeiras

Em outubro do ano passado, época de Dia das Bruxas, ela passou pela cirurgia para a remoção do membro. “Seis horas depois, acordei e olhei para baixo da cama. Em vez de dois pés de meias listradas, havia apenas um”, conta. “Traga-me um pouco de sangue falso e eu tenho a fantasia perfeita de Halloween”, brincou ao falar com a mãe. 

Depois de passar alguns meses na cadeira de rodas, Bernadette recebeu uma perna protética e surpreendeu seus fisioterapeutas ao aprender a andar novamente em apenas 10 dias. Exames mostraram que ela está livre do câncer, então a jovem decidiu não fazer mais nenhum tratamento.

“Quimioterapia por precaução significaria meses de mais visitas hospitalares. Eu só queria continuar com a minha vida”, relembra. “Eu decidi que não fazia sentido esconder minha deficiência, então logo voltei a usar vestidos e deixar a prótese em exposição. Eu carreguei uma bengala. Não queria ser derrubada em um bar movimentado”, destaca.

Veja Também:  Tratamento eficiente de doenças crônicas reduz internações em 40%, diz estudo

Inspiração para outras pessoas

Em fevereiro deste ano, a jovem viu uma publicação no Facebook de uma agência de modelos chamada Zebedee que pedia para pessoas com deficiência entrassem em contato. “Eu nunca pensei em mim como modelo. Na verdade, sou bastante tímida. Além disso, tenho apenas 1,53 cm de altura, nada bom para a passarela”, destaca.

“Mas agora que eu perdi minha perna, minha altura não importa mais”, completa. “Deixei uma mensagem para a agência: ‘Se eu puder ajudar outros amputados, valeria a pena’. Eu não esperava receber resposta, mas no dia seguinte recebi um telefonema convidando-me a viajar para Londres para uma sessão de fotos”, ressalta. 

Agora, Bernadette assinou um contrato com a Zebedee. “Eu quero inspirar outros amputados”, afirma. “Os médicos me disseram que era minha perna ou minha vida, então foi simples”, finaliza.

O que é sarcoma sinovial, câncer que afetou a jovem?

Segundo informações do site Sarcoma UK , o sarcoma sinovial é uma forma de câncer que se desenvolve nas células em torno de articulações e tendões e tende a afetar jovens adultos. Ele pode ocorrer em qualquer parte do corpo, mas geralmente perto do joelho.

Os sintomas podem variar dependendo do tamanho e localização do tumor, mas a doença tende a ser um nódulo ou inchaço nos tecidos moles do corpo sob a pele, especialmente no braço, perna ou tronco. Pode aumentar de tamanho, tornar-se maior que cinco cm e e, em geral, é doloroso.

Leia também: Pai descobre que dor no ombro é câncer raro e faz livro de memórias para filha

Quanto mais cedo o sarcoma for diagnosticado, melhores serão as chances de sucesso do tratamento. Para diagnosticar a doença, o médico fazer um exame físico ou de imagens. Uma biópsia também pode ser necessária. Ao identificar o estágio do câncer, o médico irá verificar qual o melhor tratamento para cada paciente. 

Fonte: IG Saúde
Comentários Facebook
publicidade

Saúde

Transtorno bipolar e depressão podem ser causados por poluição do ar, diz estudo

Publicado

Além de causar problemas respiratórios, a poluição do ar também pode estar ligada ao aumento de doenças mentais como depressão e esquizofrenia, segundo um estudo da Universidade de Chicago, nos Estados Unidos, divulgado nesta terça-feira.

poluição do ar arrow-options
undefined

poluição do ar causa diversos problemas ao ser humano

Leia também: Como ajudar alguém que sofre de depressão? 

Dados de pacientes dos Estados Unidos e da Dinamarca serviram de base para os estudos sobre a poluição do ar do professor Andrey Rzhetsky. No país americano, foram colhidas informações pessoais de 11 anos de seguro de saúde de 151 milhões de pessoas que registravam transtorno bipolar, depressão maior, transtorno de personalidade e esquizofrenia.

O cruzamento de informações de pacientes americanos com os dados de qualidade do ar, da água e da terra da Agência de Proteção Ambiental, mostrou um aumento de 27% do diagnostico de pessoas portadoras de transtorno bipolar e 6% no aumento da depressão .

O mesmo estudo foi replicado na Dinamarca e, ao contrário dos Estados Unidos, os dinamarqueses não analisaram dados regionais, mas dados de um indivíduo exposto à poluição do ar durante a infância. O confrontamento de dados deu o mesmo resultado do estudo americano.

Veja Também:  Marcada por preconceito, empresária relata vida com psoríase; conheça a doença

Leia também: Sintomas da bipolaridade podem aparecer na adolescência, diz estudo

Antes do levantamento de dados da Universidade de Chicago, os cientistas já conheciam alguns efeitos da poluição do ar . “Pesquisas com cães e roedores mostram que a poluição ambiental pode entrar no cérebro e causar inflamação, o que resulta em sintomas semelhantes à depressão. É muito possível que a mesma coisa aconteça em humanos”, disse o professor Rzhetsky à Thomson Reuters Foundation.

Fonte: IG Saúde
Comentários Facebook
Continue lendo

Saúde

Como ajudar alguém que sofre de depressão?

Publicado

Minha Saúde

Depressão é uma doença séria e que demanda atenção. Estima-se que 2 milhões de brasileiros sofram com esse mal por ano. Assim, a depressão requer atenção e apoio de pessoas próximas. Portanto, o primeiro passo para ajudar uma pessoa em depressão é se informar sobre a doença, seus riscos e sintomas. Assim, será mais fácil perceber quando a pessoa não está bem.

Leia também: Pesquisa revela que tomar comprimidos de magnésio pode combater a depressão

mulher sentada no chão arrow-options
shutterstock

A depressão, doença que afeta dois milhões de brasileiros por ano, requer atenção e apoio de pessoas próximas

A primeira recomendação é que a pessoa seja acolhedora. Além disso, é fundamental falar sobre o assunto. Se a depressão for tratada como tabu, a pessoa que sofre da doença tende a se isolar. Portanto, não se deve fingir que ela não existe.

A pessoa que precisa de apoio também deve se sentir segura e acolhida para desabafar . Às vezes, conversar e tomar um café juntos já é suficiente para fazê-la se sentir melhor. Por isso, a dica para quem deseja ajudar é: ouça sem julgar. Tenha o cuidado de evitar frases que menosprezem seus sentimentos, como “tem gente com problema pior” ou “bem que eu te avisei”.

Veja Também:  Mulher perde sete dedos dos pés ao confundir doença grave com sintomas da gripe

Leia também: Até 2020, depressão será doença mais incapacitante do planeta, diz OMS

De acordo com o médico Drauzio Varella, em determinados casos, é necessário conduzir mecanismos de ajuda. Sendo assim, marque uma consulta, acompanhe a pessoa ao psiquiatra e estimule-a a seguir as orientações do médico e tomar medicamentos se necessário.

Quais são as causas da depressão?

As causas possíveis incluem uma combinação de origens biológicas, psicológicas e sociais de angústia. Cada vez mais, as pesquisas sugerem que esses fatores podem causar mudanças na função cerebral, incluindo alteração na atividade de determinados circuitos neuronais no cérebro.

A sensação persistente de tristeza ou perda de interesse que caracteriza a depressão pode levar a uma variedade de sintomas físicos e comportamentais. Estes podem incluir alterações no sono, apetite, nível de energia, concentração, comportamento diário ou autoestima. A depressão também pode ser associada a pensamentos suicidas.

A base do tratamento geralmente inclui medicamentos, psicoterapia ou uma combinação dos dois. Cada vez mais, as pesquisas sugerem que esses tratamentos podem normalizar alterações cerebrais associadas à depressão.

Veja Também:  Transtorno bipolar e depressão podem ser causados por poluição do ar, diz estudo

Leia também: Depressão afeta 300 milhões em todo o mundo, alerta OMS; entenda a doença

Portanto, ajudar alguém em depressão é fundamental para que essa pessoa saia dessa condição ou ao menos alivie os seus sintomas.

Fonte: IG Saúde
Comentários Facebook
Continue lendo

Saúde

Leite de vaca pode causar câncer ou feminizar homens? Nutricionista responde

Publicado

Na manhã desta segunda-feira (19) uma polêmica tomou o perfil oficial de Dr. Robert Rey, cirurgião e apresentador de televisão. Ele postou uma imagem com a seguinte frase. “Leite é um veneno! Feminiza homens e causa câncer de mama”.

leite arrow-options
Thinkstock/Getty Images

Leite de vaca, em excesso, pode fazer mal a saúde

Leia também: Saiba os elementos do dia a dia que podem causar câncer

A publicação sobre o consumo de leite teve quase duas mil curtidas, 500 compartilhamentos e diversos comentários. No geral as pessoas concordaram com a afirmação de Dr. Rey e o iG Saúde foi atrás de uma nutricionista para saber se as afirmações do cirurgião são verídicas ou não.

De acordo com Gabriela Cilla, nutricionista da Nutricilla, é importante entender as propriedades do leite para, depois, contextualizar com as afirmações de Dr. Rey.

“Nós [seres humanos] somos os únicos animais mamíferos que saímos da ‘teta’ da mãe e vamos para a ‘teta’ da vaca. É o único animal mamífero que, pós-adulto, ainda continua consumindo uma fonte de leite. As pessoas se perguntam por que temos tanta intolerância alimentar e é por que o leite é de vaca, ele não é um leite voltado para a digestão humana”, explica a médica.

Gabriela cita que a superprodução está potencializando os fatores de inflamação no alimento e prejudicando diretamente a nossa saúde.

Veja Também:  4 exercícios para aliviar as dores e o estresse no ambiente de trabalho

“A vaca que ontem era de uma fazenda e alimentava 4 ou 5 pessoas, hoje tem que ficar enclausurada e render mais de 20/30 litros de leite por dia, causando pus na teta, inflamação e estresse na vaca e que a gente obviamente acaba consumindo por questão hormonal”, comenta.

E é nesse ciclo que as complicações são geradas. “A questão do câncer de mama [citada por Dr. Rey] não é sobre o câncer em si. A gente tem interleucina6, é uma interleucina que nós temos que, se cutucada todos os dias, pode vir a desenvolver uma doença maligna, mas não é só relacionada ao leite, exclusivamente”.

Leia também: Veja 10 sinais de que você tem intolerância à lactose

“Ele [leite] é um alimento mucogênico e, todo alimento que é mucogênico, prolifera a flora intestinal. Então se a pessoa tem uma predisposição a isso, em mulher pode causa candidíase, piorar sinusite, rinite e etc. e nos homens pode dar aumento de mama (ginecomastia), pela questão da proteína, mas não é o alimento em si que causa tudo isso, é o quanto dele que se consome”, alerta Gabriela. Inclusive ela afirma que o leite de soja possui isoflavona e também pode aumentar a mama em homens.

A nutricionista frisou muito que o consumo errado e excessivo do leite de vaca pode causar problemas à saúde. Assim como vários outros alimentos em excesso. “A intolerância é também pelo uso indevido dos alimentos. O processo inflamatório não é por causa do alimento em si, mas do super uso”.

Veja Também:  Campanha de vacinação contra sarampo é prorrogada até 31 de agosto em São Paulo

Como consumir leite de maneira saudável?

Para Gabriela Cilla é possível consumir o leite de forma saudável e sem ‘grilos’. A dica mais importante é o consumo consciente e sem exageros, optar por fontes de laticínios ao invés do leite e ter ‘rotatividade’ nos tipos com o leite de castanha, leite de arroz, leite de aveia ou leite de soja.

Porém, é de suma importância que qualquer mudança na alimentação seja acompanhada por um especialista. “Buscar uma orientação nutricional para saber até aonde é importante a gente tirar ou colocar, em que momento do dia é possível tirar ou colocar, quais fontes são necessárias ou não, para que a pessoa busque um equilíbrio. A palavra chave é essa, equilíbrio”, finaliza.

Leia também: Descubra 17 alimentos ricos em cálcio e que não tem leite

Portanto, não acredite em qualquer frase postada nas redes sociais. Evite o “terrorismo nutricional” e procure uma orientação médica apropriada. Beber leite não faz mal a saúde, beber leite em excesso pode sim render alguns problemas. Como a própria nutricionista disse, é preciso equilíbrio.

Fonte: IG Saúde
Comentários Facebook
Continue lendo

Nova Xavantina

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana