conecte-se conosco


Política Nacional

Câmara convoca ministro da Educação para explicar cortes em universidades

Publicado


Ministro da Educação, Abraham Weintraub
Luís Fortes/MEC

Ministro da Educação, Abraham Weintraub prestará esclarecimentos à Câmara nessa quarta-feira

O plenário da Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira (14), por 307 votos a 82, a convocação do ministro da Educação, Abraham Weintraub, para prestar esclarecimentos sobre os cortes no orçamento das universidades públicas e de institutos federais . Ele será ouvido no plenário nesta quarta-feira (15), em comissão geral.

Apenas o PSL e o Novo foram contrários ao pedido, apresentado pelo deputado Orlando Silva (PCdoB-SP), segundo o qual os cortes de 30% nas verbas de custeio das universidades representam “risco” ao ciclo de expansão do sistema educacional público. 

“É uma oportunidade para que o povo brasileiro perceba que a Câmara dos Deputados está sensível ao clamor da sociedade, já que amanhã as ruas serão ocupadas por gente preocupada com a cultura e a educação. O ministro da Educação vai explicar o corte de 30% das universidades e institutos federais”, comentou o deputado, citando as manifestações previstas para ocorrer nessa quarta-feira em todo o País .

A deputada Carla Zambelli (PSL-SP) reclamou que a convocação tem o objetivo somente de adiar a votação da medida provisória que trata da estrutura ministerial do governo – que tem, entre suas polêmicas, a proposta de retirada do Coaf do Ministério da Justiça e sua inclusão no Ministério da Economia. 

Veja Também:  Dallagnol tentou lucrar com fama da Lava Jato, diz novo vazamento

“Qual é a intenção real de se convocar ministro para ir ao plenário? Por que estão com medo de discutir as medidas provisórias? Por que insistem em tirar o Coaf do Moro? Para proibir a Receita Federal de representar?”, criticou a parlamentar.

O corte de verbas que motivou a convocação do ministro na Câmara foi anunciado pelo MEC no fim do mês passado . Inicialmente, a medida pretendia atingir apenas três instituições: a Universidade de Brasília (UnB), a Universidade Federal Fluminense (UFF) e a Universidade Federal da Bahia (UFBA).

O anúncio foi feito por Abraham Weintraub , em entrevista ao jornal  O Estado de São Paulo , sob a justificativa de que essas instituições promovem “balbúrdias” e “eventos ridículos”. “Universidades que, em vez de procurar melhorar o desempenho acadêmico, estiverem fazendo balbúrdia, terão verbas reduzidas”, disse o ministro. “A universidade deve estar com sobra de dinheiro para fazer bagunça e evento ridículo”, complementou.

A medida, no entanto, foi alvo de críticas de entidades da sociedade civil, opositores do governo e especialistas, que alegaram que a decisão fere os princípios constitucionais da autonomia universitária e da impessoalidade. Assim o MEC decidiu estender o corte de verbas para todas as universidades federais.

Veja Também:  “É bom fazer amor comendo chocolate”, revela Flávio Bolsonaro na TV

 Na semana passada, Weintraub esteve no Senado e negou que a medida se trate de um “corte”, mas sim de um “contingenciamento” . Dois dias depois, o ministro da Educação usou as redes sociais para  explicar o conceito e acusar a imprensa de tentar confundir a opinião pública.

Fonte: IG Política
Comentários Facebook
publicidade

Política Nacional

Carlos Bolsonaro: ocultação de curtidas no Instagram segue “cartilha ideológica”

Publicado

Carlos Bolsonaro na Câmara Municipal do Rio de Janeiro arrow-options
Câmara Municipal do Rio de Janeiro

Carlos Bolsonaro deu declaração sobre o instagram na tarde desta terça-feira (17)

Carlos Bolsonaro, vereador pelo PSL e filho do presidente Jair Bolsonaro, usou o twitter na tarde desta quarta-feira (17) para criticar a mudança no Instagram que oculta curtidas em fotos. Para ele, o real intuito da marca é “barrar o crescimento dos que pensam de forma independente”.

Leia também: fim da “chuva de likes”? Instagram passa a ocultar total de curtidas no Brasil

Em publicação realizada poucas horas após implementação da mudança no Brasil, Carlos Bolsonaro perguntou se o fato era real e garantiu que a intenção da marca é atrapalhar quem está rompendo o sistema, taxando as justificativas apontadas anteriormente pelo Instagram como parte de uma “cartilha ideológica ‘progressista’” que quer limitar o interesse de formação e “criar manipulados”.

Em pouco tempo, as respostas aos tweets se acumularam. “Claro, o instagram mudou a política de likes por sua causa, Carluxo. Pode confiar”, brincou um dos internautas. Após mais de mil respostas ao tuíte, o político voltou a falar sobre o assunto. “Os ataques que fazem a mim diante desta postagem mostram mais uma vez a verdade”, disse. 

Veja Também:  Decisão de Toffoli que favoreceu Flávio Bolsonaro pode render punição ao Brasil

Leia também: Jair Bolsonaro “demite” Carlos da administração de suas redes e o critica 

Mudanças no Instagram

A ocultação nas curtidas do Instagram foi anunciada pela marca no mês de abril como uma maneira de fazer com que os usuários dessem mais valor ao conteúdo das publicações do que ao buzz gerado por elas. O teste foi feito pela primeira vez no Canadá e está em fase de testes em mais alguns locais do globo. No Brasil, a alteração começou nesta quarta. 

Fonte: IG Política
Comentários Facebook
Continue lendo

Política Nacional

Decisão de Toffoli que favoreceu Flávio Bolsonaro pode render punição ao Brasil

Publicado

Dias Toffoli arrow-options
Rosinei Coutinho/STF

Decisão de Toffoli que favoreceu Flávio Bolsonaro pode render punição internacional ao Brasil


O Brasil pode ser punido internacionalmente em razão da decisão do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli , de suspender processos judiciais que utilizam dados bancários compartilhados sem autorização prévia da Justiça. Esta é a interpretação de integrantes do Ministério Público Federal ( MPF ) que vêm acompanhando de perto os efeitos da decisão de Toffoli, proferida em resposta a um pedido do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ).

Leia também: De olho em ‘caso Queiroz’, MP aciona Toffoli após decisão pró-Flávio Bolsonaro

A possibilidade de punição, inclusive, é discutida no gabinete da procuradora-geral da República, Raquel Dodge , e pode ser mencionada em eventual contestação da procuradora-geral à decisão de Dias Toffoli .

O pesquisador Guilherme France, do Centro de Justiça e Sociedade do curso de Direito da Fundação Getúlio Vargas Direito, no Rio, recorda que o compartilhamento dos dados sem aval da Justiça é uma norma editada pelo Grupo de Ação Financeira contra a Lavagem de Dinheiro e Financiamento do Terrorismo (Gafi/FATF), que reúne 35 países e o qual o Brasil integra voluntariamente.

Veja Também:  PDT suspende Tabata Amaral e mais sete ‘infiéis’ da reforma da Previdência

Leia também: Inclusão do Coaf em decisão de Toffoli levanta dúvidas em membros do MP do Rio

“O Gafi tem uma lista de países que não cumpre as normas. A inclusão do país nessa lista gera impactos graves para a economia desse país. Mas, antes mesmo, o Gafi faz pronunciamentos públicos dizendo que o país não está cumprindo e o mercado financeiro interpreta como um país que está com vulnerabilidade no sistema financeiro”.

Leia também: Toffoli atende a Flávio Bolsonaro e suspende investigações baseadas no Coaf

A participação brasileira ocorre principalmente por meio do Conselho de Controle de Atividades Financeiras ( Coaf ), um órgão que existe há duas décadas exatamente para atuar no controle de lavagem de dinheiro. O Coaf foi diretamente impactado pela decisão de Toffoli .

Fonte: IG Política
Comentários Facebook
Continue lendo

Política Nacional

“Está dentro do padrão”, diz Mourão sobre Eduardo Bolsonaro em embaixada nos EUA

Publicado

eduardo bolsonaro arrow-options
Daniel Marenco / Agência O Globo – 11.7.19

Filho do presidente e deputado mais votado da história, Eduardo Bolsonaro (PSL-RJ) pode virar embaixador nos EUA

O presidente em exercício, General Hamilton Mourão (PRTB), afirmou nesta quarta-feira (17) que o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente Jair Bolsonaro, “está dentro do padrão” que rege a escolha de alguém que não é da carreira diplomática, ao ser questionado se o parlamentar é qualificado para assumir a embaixada do Brasil nos Estados Unidos.

No comando interino do Palácio do Planalto por conta da ausência de Bolsonaro, que pela manhã viajou para participar de reunião da cúpula do Mercosul na Argentina , Mourão disse ainda que trata-se de uma decisão do presidente, que não se discute.

“Eu já respondi, mas torno a repetir: dentro das regras da escolha para quem não é da carreira diplomática, ele está dentro do padrão. É uma decisão do presidente. Decisão a gente não discute”, declarou.

Mourão foi indagado ainda se a necessidade de aprovação do nome de Eduardo Bolsonaro pelo Senado poderia atrapalhar a tramitação da reforma da Previdência na Casa e rechaçou essa possibilidade. “Não, não atrapalha porque são duas coisas distintas”, afirmou, acrescentando que não acha que a indicação vai exigir mais articulação do governo no Senado.

Veja Também:  38% dos brasileiros consideram Congresso ruim ou péssimo, diz Datafolha

Leia também: “Da minha parte, está definido”, diz Bolsonaro sobre filho na embaixada nos EUA

No início da conversa com jornalistas, na saída de seu gabinete na Vice-Presidência, em anexo do Planalto, o presidente em exercício brincou dizendo que nem deveria falar com os repórteres que o aguardavam. “É só quando o presidente viaja que vocês vêm pra cá, pô. Assim não dá!”, disse, aos risos. 

Fonte: IG Política
Comentários Facebook
Continue lendo

Nova Xavantina

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana