conecte-se conosco


Política Nacional

Celso de Mello vota para condenação Geddel no caso de R$ 51 milhões

Publicado

source

Agência Brasil

Geddel apontando dedo pra frente arrow-options
Jorge William / Agência O Globo

Segunda Turma do STF começa a julgar o ex-ministro Geddel Vieira Lima (MDB-BA) por bunker de R$ 51 milhões

A segunda turma do Supremo Tribunal Federal (STF) retomou nesta terça-feira (8) o julgamento do caso de R$ 51 milhões envolvendo o ex-misnitro Geddel Vieira Lima . O ministro Celso de Mello foi o segundo a votar pela condenação de Geddel e de seu irmão, o ex-deputado Lúcio Vieira Lima , pelo crime de lavagem de dinheiro no caso. Em 2017, a quantia foi encontrada em dinheiro vivo em um apartamento em Salvador.

Celso de Mello, entretanto, ainda não concluiu seu longo voto sobre o caso, de 218 páginas, que começou a proferir nesta ter ça-feira (8). Ainda resta ao ministro ler a parte relativa a outros crimes de lavagem de dinheiro, ligados a operações de compra de imóveis pelos irmãos.

Além disso, o ministro ainda não abordou a acusação pelo crime de associação criminosa, também imputado aos irmãos pela Procuradoria-Geral da República (PGR), o que deve ser feito na próxima ter ça-feira (15), quando está marcada a próxima sessão da Segunda Turma do STF, onde ocorre o julgamento.

Leia também: MPF: Cunha, Geddel, Henrique Alves e mais 11 devem devolver R$ 3 bilhões à Caixa

No caso do crime de lavagem de dinheiro relativa aos R$ 51 milhões propriamente ditos, Celso de Mello, que é revisor da ação penal do caso e, por isso, o segundo a votar, seguiu integralmente o relator, ministro Edson Fachin, que na semana passada também concluiu pela condenação de ambos pelo crime.

Veja Também:  Bivar minimiza possibilidade de afastar Flávio e Eduardo do comando do PSL

“O cotejo das provas permite concluir com segurança” que os irmãos Vieira Lima tiveram a intenção de ocultar no apartamento “a incrível soma de 51 milhões de reais, a fim de posteriormente reintroduzir essa soma, esse valor, na economia formal”, configurando assim a lavagem de dinheiro, diz Celso de Melo.

O julgamento foi suspenso e deve ser retomado na semana que vem com o restante do voto do revisor, no qual ele deve se manifestar também a respeito dos outros réus no caso: o assessor parlamentar Job Vieira Brandão e o empresário Luiz Fernando Machado.

Leia também: Perfil fake no Tinder usa foto de ex-ministro que derrubou Geddel Vieira Lima

Além de Celso de Mello e Edson Fachin, faltam votar os demais ministros da Segunda Turma do STF: Cármen Lúcia, Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski.

Denúncia

A denúncia foi apresentada ao STF pela então procuradora-geral da República Raquel Dodge. Na acusação, ela sustentou que o dinheiro apreendido seria proveniente de esquemas de corrupção na Caixa Econômica Federal investigados em outras ações penais. Geddel foi vice-presidente do banco.

Outra parte do dinheiro teria sido acumulada por Lúcio Vieira Lima por meio do crime de peculato, em que o parlamentar se apropriou de parte do salário do ex-assessor parlamentar Job Brandão.

Veja Também:  “Traição é o ‘modus operandi’ do governo Bolsonaro”, dispara Joice Hasselmann

Leia também: Dono da Gol assina delação premiada que implica Temer, Cunha, Geddel e Maia

Além do dinheiro encontrado, outros R$ 12 milhões teriam sido lavados por Geddel e Lúcio por meio de investimentos em imóveis de alto padrão em Salvador, em empreendimentos da empresa Cosbat, administrada por Luiz Fernando Machado.

Defesas

Na semana passada, durante a primeira parte do julgamento, o advogado Gamil Föppel, representante da família Vieira Lima, questionou uma perícia feita pela Polícia Federal (PF) que encontrou digitais de Geddel em um dos sacos com dinheiro. Segundo o advogado, ao identificar os vestígios, os peritos não seguiram os trâmites legais adequados.

“Tenho absoluta certeza que, se respeitadas as regras processuais, não há outra alternativa senão absolver todos os réus de todas as imputações que foram são feitas”, afirmou.

Leia também: Paulo Preto mantinha R$ 100 milhões em bunker, o dobro de Geddel, diz Lava Jato

A defesa de Job Brandão disse que ele não tinha consciência da ilicitude do dinheiro movimentado pela família de Geddel. Segundo o advogado, Brandão era somente um cumpridor de ordens ao receber recursos em dinheiro ou guardá-los.

A defesa do empresário Luiz Fernando Machado da Costa Filho afirmou que ele não sabia da procedência ilícita dos recursos que foram aplicados pela família na empresa. Segundo o advogado César Faria, o empresário, quando recebeu dinheiro em espécie, registrou os valores na contabilidade da empresa e depositou no banco, não tendo intenção de ocultá-los.

Fonte: IG Política
Comentários Facebook
publicidade

Política Nacional

Bivar minimiza possibilidade de afastar Flávio e Eduardo do comando do PSL

Publicado

source
Bivar arrow-options
REPRODUÇÃO/AGÊNCIA BRASIL

Presidente do PSL, Luciano Bivar

O presidente do PSL, deputado Luciano Bivar (PE), minimizou nesta terça-feira a possibilidade de o partido o intervir nos diretórios de Rio, São Paulo e Minas Gerais para alterar os comandos estaduais. A troca foi sugerida pelo deputado Delegado Waldir (GO), ex-líder da sigla na Câmara, com o objetivo de atingir o senador Flávio Bolsonaro (RJ), o deputado Eduardo Bolsonaro (SP) e o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, que já está licenciado da presidência da legenda em Minas.

Leia também: Major Olímpio diz que Eduardo Bolsonaro deveria ‘calçar a sandália da humildade’

Em uma rápida entrevista na Câmara – Bivar foi ao plenário registrar presença e, em seguida, voltou ao carro que o levaria para a reunião do PSL –, o presidente do partido primeiro questionou quem havia levantado a hipótese de intervenção. Ao ser informado sobre o posicionamento do ex-líder, na manhã desta quinta, Bivar foi comedido: “Pode estar nos seus sentimentos pessoais (do Delegado Waldir). Mas não no sentimento do partido.”

Veja Também:  Decisão sobre prisão em segunda instância tem novamente Rosa Weber como dúvida

Bivar também tentou diminuir a crise do PSL, que já entrou na terceira semana. Ao ser perguntado sobre os conflitos, que opõem o grupo ligado a Bivar aos parlamentares mais próximos do presidente Jair Bolsonaro, o presidente do PSL procurou passar a imagem de que não há problemas.

“Está tudo em paz, entendeu? Acho que a gente tem de pensar no Brasil. Todos nós temos de ser patriotas. Todos temos de ser patriotas. Temos que ser patriotas e pensar no país em primeiro lugar. Somos uns liberais de direita. E a gente quer o melhor do país.”

Leia também: Eduardo indica 13 bolsonaristas acusados de indisciplina para vice-liderança

A disputa no PSL , no entanto, já provocou a troca de líder na Câmara – Eduardo Bolsonaro substituiu Delegado Waldir após uma “guerra de listas” –, além de xingamentos direcionados a Bolsonaro, que foi chamado de “vagabundo” pelo ex-líder em uma reunião e acusações de entrega de cargos em troca de apoios.

Fonte: IG Política
Comentários Facebook
Continue lendo

Política Nacional

Pedido de investigação de Deltan feito pelo PT é negado no STF

Publicado

source
Procurador Deltan Dallagnol falando ao microfone arrow-options
Marcelo Camargo/ABr

Pedido contra Deltan foi negado pelo ministro Celso de Mello

Um pedido de investigação do procurador Deltan Dallagnol , chefe da Operação Lava Jato no Paraná, feito pelo PT foi negado pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Celso de Mello . Assinado pelo deputado Paulo Pimenta , o documento pedia que Dallagnol fosse investigado por abuso de poder, fraude processual, prevaricação, organização criminosa e atos de improbidade administrativa.

A decisão ainda não foi divulgada na íntegra, mas a justificativa para o arquivamento da ação, de acordo com o jornal O Estado de São Paulo , é que “que o autor do pedido não usou a via cabível”.

Leia também: Dallagnol recusa hipótese de promoção para continuar na Lava-Jato

As suspeitas contra Dallagnol começaram a surgir após o início das publicações das reportagens da Vaza Jato pelo site The Intercept Brasil . De acordo com as mensagens privadas que o site teve acesso, ele e outros procuradores tiveram condutas ilegais ao se comunicarem por outro meio que não os autos oficiais e ainda contaram com a ajuda do então juiz Sergio Moro, hoje ministro da Justiça e Segurança Pública, para a obtenção de provas e organização do calendário de forças-tarefas.

Veja Também:  Deputado do PSL cria projeto que criminaliza estilos musicais como o funk

Fonte: IG Política
Comentários Facebook
Continue lendo

Política Nacional

Caso Flordelis: debilitada desde o crime, irmã do pastor Anderson do Carmo morre

Publicado

source
Irmã morta do pastor morto arrow-options
Luciano Belford / Arquivo / Agência O DIA

Debilitada desde a morte do irmão, Michele morreu na noite desta segunda-feira

Morreu, na noite desta segunda-feira (21), Michele do Carmo de Souza, irmã do pastor Anderson do Carmo, casado com a deputada federal Flordelis (PSC) e assassinado a tiros dentro de casa em Niterói, em junho deste ano. A informação foi divulgada pelo vereador Misael, filho da parlamentar, que disse que ela foi vitimada por uma anemia, aos 39 anos.

Leia também: Ameaçado de cassação, deputado do PSL dispara: “Tenho coisa para f* todo mundo”

“Após o falecimento de seu irmão, Michele ficou muito debilitada, e estava internada no Hospital Municipal Carlos Tordelly, para controle da anemia”, disse Misael. O enterro será às 17h no Cemitério Parque de Nycteroy, no bairro Laranjal, em São Gonçalo.

Michele chegou a prestar depoimento à polícia no caso que investiga o assassinato de seu irmão, o pastor Anderson do Carmo e apontava a cunhada Flordelis como mandante. Em setembro, ela e sua mãe, Maria Edna, foram autorizadas pela Justiça e pelo Ministério Público do Rio (MPRJ) para serem assistentes de acusação no processo que investiga o crime .

Veja Também:  Decisão sobre prisão em segunda instância tem novamente Rosa Weber como dúvida

De acordo com o inquérito conclusivo da DHNSG (Delegacia de Homicídios de Niterói e São Gonçalo), o filho biológico da deputada, Flavio , confessou ter atirado seis vezes no padrasto. O laudo da necrópsia contraria a versão contada por ele e aponta que o corpo da vítima apresentava trinta perfurações provocadas por arma de fogo.

Leia também: Bolsonaro ‘é uma marionete’ dos filhos, diz Delegado Waldir

Lucas , filho adotivo do casal, é apontado como responsável pela negociação da arma usada por Flávio no dia do crime. A pistola Bersa, calibre 9 milímetros, foi encontrada dias depois do crime no quarto usado por Flávio.

Fonte: IG Política
Comentários Facebook
Continue lendo

Nova Xavantina

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana