conecte-se conosco


Economia

Oposição lamenta aprovação da reforma da Previdência: “Emendas criminosas”

Publicado

A Câmara dos Deputados aprovou na noite desta quarta-feira (10) em primeiro turno, por 379 a 131 votos, o texto-base da reforma da Previdência (PEC 6/19). Resultado foi proclamado pela presidente da Câmara, Rodrigo Maia.

Leia também: Plenário da Câmara começa a discutir reforma da Previdência nesta terça-feira

Guilherme Boulos%2C Marcelo Freixo e Jandira Fehgali arrow-options
Montagem / Reprodução Band e Divulgação

Guilherme Boulos, Marcelo Freixo e Jandira Fehgali

O resultado gerou descontentamento em deputados da oposição que, em suas redes sociais, lamentaram a aprovação da reforma da Previdência . Representantes como Talíria Petrone, Guilherme Boulos, Sâmia Bomfim, Marcelo Freixo e entre outros falaram sobre o assunto.

Leia também: O que propõe a reforma da Previdência aprovada no plenário da Câmara

“Liberando milhões em emendas criminosas, o governo conseguiu aprovar o desmonte da previdência em primeiro turno na Câmara. Mais um capítulo triste desse governo aniquilador de direitos. Enquanto o povo sai perdendo, os bancos ganham… A luta continua”, clamou a deputada Talíria Perone (PSOL-RJ) usando a hashtag “Reforma Injusta”.

Já Guilherme Boulos, candidato do PSOL a presidência em 2018, alertou: “No mesmo dia em que votam uma Reforma que ataca a aposentadoria dos mais pobres usando discurso de ‘combate a privilégios’, o Gen. Heleno diz que é uma vergonha que um general como ele receba só R$19 mil por mês. Não há lugar para tanto cinismo”.

Sâmia Bomfim arrow-options
Divulgação

Sâmia Bomfim

Veja Também:  Governo anuncia corte de R$ 1,4 bilhão no Orçamento após revisão do PIB

O deputado Marcelo Freixo (PSOL-RJ) também se posicionou sobre o assunto: “A reforma da prejudica os pobres e a classe média. De cada R$ 100 economizados, R$ 80 sairão do bolso de quem ganha até R$ 2 mil. Isso é combater privilégios? O que Bolsonaro está fazendo com professores e policiais é uma covardia”. 

A deputada Sâmia Bomfim (PSOL-SP) também lamentou o resultado da votação em suas redes sociais: “Bancada do PSOL unida em defesa dos trabalhadores. Não há o que se comemorar na noite de hoje. O sacrifício da classe trabalhadora trará consequências aos canalhas que hoje riem, mas amanhã chorarão. O Brasil é maior do que esses vendidos. Nosso voto é ‘não’”.

“Mais de 1 bilhão em emendas foram liberadas para a compra de voto pró-reforma. Boa parte desses valores não foram aprovados pelo orçamento votado pelo Legislativo. Isso é crime! Tudo para que bancos tenham lucros às custas da aposentadoria do povo pobre”, analisou o deputado Valmir Assunção (PT-SP) em sua conta do Twitter.

Veja Também:  Concursos públicos oferecem vagas com salários de até 31,9 mil

O senador Humberto Costa também deu sua opinião sobre o assunto: “O rolo compressor do governo funcionou. A compra de votos para trucidar os direitos dos trabalhadores operou na Câmara para aprovar a nefasta reforma. Procure saber quem votou ‘sim’ contra o Brasil”.

A líder da Minoria, a deputada Jandira Fehgali (PCdoB-RJ) também deu seu parecer sobre a votação: “Você vai morrer de trabalhar ou trabalhar até morrer”.

Rodrigo Maia (DEM) arrow-options
Luis Macedo/Câmara dos Deputados – 10.7.19

Rodrigo Maia (DEM)

Leia também: Presidente do Senado e ministros celebram votação da reforma da Previdência

Após a aprovação do texto-base da reforma da Previdência , o presidente da Câmara, Rodrigo Maia , começou a analisar os destaques que podem alterar o texto já aprovado. O primeiro foi a exclusão de professores da reforma. Tópico este que, por 265 votos a 184, foi negado. Em seguida, Maia encerrou a sessão e convocou outra para às 09h00 desta quinta (11).

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
publicidade

Economia

Setor produtivo defende tabela do frete como início de negociação

Publicado

Tarcísio de Freitas arrow-options
MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL

Ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas recebe representantes do setor produtivo para discutir um consenso sobre a tabela de frete para o país

Representantes do setor produtivo se reuniram nesta terça-feira com o ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas , para negociar um consenso a respeito da tabela do frete. Embora sejam contra o tabelamento de preços, entidades defendem que o modelo de preços mínimos suspenso pelo governo após pressão dos caminhoneiros é um bom ponto de partida.

A nova tabela de frete havia entrado em vigor na última quinta-feira. O modelo, desenvolvido pela Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz ( Esalq ), da Universidade de São Paulo (Esalq-USP), no entanto, desagradou caminhoneiros , que afirmaram que os valores estipulados não eram suficientes para remunerar a atividade. Diante da pressão, o governo resolveu ceder e suspendeu o valor.

Agora, organizações ligadas a setores como indústria e agropecuária querem que a medida volte à mesa de negociação. Uma reunião com representantes dos caminhoneiros está marcada para as 11h desta quarta-feira.

Veja Também:  Concursos públicos oferecem vagas com salários de até 31,9 mil

Saiba mais: Líder de caminhoneiros cobra reajuste de 30% a 35% na tabela de frete

“Fomos assegurados pelo ministro que amanhã terá uma reunião com os caminhoneiros, numa tentativa de se verificar como se pode confluir para uma solução satisfatória para ambos os lados. E certamente no curto prazo a gente vai tentar resolver isso e retornar à tabela da Esalq, que é reconhecida como a mais adequada e que reflete os custos mínimos necessários para o setor”, disse Mônica Messenberg, diretora de relações institucionais da Confederação Nacional da Indústria ( CNI ), que falou em nome do grupo de mais de dez entidades.

A representante destacou, no entanto, que não é a favor de qualquer tipo de tabelamento . A CNI foi uma das entidades que ingressou com uma ação no Supremo Tribunal Federal ( STF ) contra o tabelamento de frete, medida adotada pelo governo Michel Temer para encerrar a greve de caminhoneiros. A ação será julgada pela Corte no dia 4 de setembro.

Veja também: Governo lança programa para reduzir preço do gás natural

Veja Também:  Economia já propôs fim da multa de 40% do FGTS a Bolsonaro

“Nós questionamos sempre a tabela. Somos contra o tabelamento. Mas conseguimos conversar em cima de uma tabela de referência, para estabelecer quais são os custos mínimos para se começar a trabalhar sobre preços justos, como seria adequada essa remuneração. Tabelamento, não. Não estamos em nenhum momento abrindo mão desse ponto”, afirmou .

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Governo lança programa para reduzir preço do gás natural

Publicado

Paulo Guedes arrow-options
Fábio Rodrigues Pozzebom/ABr

Paulo Guedes chamou programa de “choque de energia barata”

O governo federal lançou oficialmente, nesta terça-feira (23), o Programa do Novo Mercado de Gás . O projeto prevê dar mais eficiência e quebrar o monopólio da Petrobras no setor e fazer o que o ministro da Economia, Paulo Guedes, tem chamado de “choque de energia barata”.

“Isso vai derrubar o preço do gás. Tem gente muito boa que estima em até 40% em dois anos a queda do gás natural. Nós temos certeza que o gás vai cair”, disse Guedes.

Leia: Liberação do FGTS chegará a R$12,5 bilhões no ano que vem

A expectativa do governo é que as medidas impactem no preço do gás de cozinha , para a indústria e também na produção de energia elétrica — já que há usinas térmicas que usam gás natural como combustível.

São ações que envolvem a venda de distribuidoras estaduais de gás, o fim do monopólio da Petrobras no setor e nova regras regulatórias por meio da Agência Nacional de Petróleo (ANP).

Veja Também:  Concursos públicos oferecem vagas com salários de até 31,9 mil

Veja também: Governo pode autorizar saques de até R$ 500 do FGTS em 2019

A avaliação é que a quebra do monopólio deve atrair  novos players  para o mercado, o que trará mais investimentos para o Brasil. Também deve facilitar a ampliação da rede de gasodutos, considerada pequena para o tamanho do país. Com mais concorrentes e dutos, o preço do gás tende a cair.

Em cerimônia no Palácio do Planalto, o presidente Jair Bolsonaro assinou decreto que institui o Comitê de Monitoramento da Abertura do Mercado de Gás Natural, com o objetivo de monitorar as ações necessárias à abertura do mercado de gás .

“A entrada de outros agentes vão se refletir na oferta de gás de cozinha e derivados de petróleo. Os preços serão estabelecidos pelo mercado, e não por um agente dominante “, disse o diretor-geral da ANP, Décio Oddone.

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Saques no FGTS serão anuais e vão liberar R$ 42 bilhões até 2020, afirma Guedes

Publicado

Paulo Guedes arrow-options
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Paulo Guedes confirma a liberação de saques do FGTS e declara que recursos poderão ser acessados anualmente

O ministro da Economia, Paulo Guedes , confirmou nesta terça-feira (23) que a liberação de recursos do FGTS será de em torno de R$ 42 bilhões até o ano que vem, como esperado, e acrescentou que haverá novidades e “coisas interessantes” no anúncio oficial da medida, nesta quarta. Ele disse que serão liberadas contas ativas e inativas “para sempre”, anualmente. 

“Eu tinha falado um mês ou dois atrás que ia ser em torno de R$ 42 bilhões. Vai ser isso mesmo. Deve ser uns R$ 30 bilhões esse ano, uns R$ 12 bilhões no ano que vem. São os R$ 42 bi que eu tinha falado, só que vocês vão ver que há novidades , há coisas interessantes”, disse.

“O governo passado soltou só inativas. Nós vamos soltar ativas e inativas. Eles soltaram uma vez só. Nós vamos soltar para sempre. Todo ano vai ter “,  acrescentou o ministro, em breve conversa com jornalistas após participar de evento no Palácio do Planalto, para o lançamento do Novo Mercado de Gás.

Veja Também:  Bolsonaro avalia reduzir multa de 40% do FGTS em demissões sem justa causa

Perguntado sobre o limite de liberação de R$ 500 reais por pessoa , Guedes não respondeu.

A liberação dos recursos do FGTS e do PIS é uma das formas encontradas pelo governo para estimular a atividade econômica num momento em que o PIB está praticamente estagnado.

A previsão oficial do governo é de um crescimento de apenas 0,8% em 2019. O saque, no entanto, é limitado para evitar uma descapitalização do Fundo, que financia habitação e obras de infraestrutura.

A medida é vista com preocupação por membros do Conselho Curador do FGTS, já que as retiradas poderiam comprometer o Orçamento do Fundo.

Leia mais: Governo lança programa para reduzir preço do gás natural

A injeção de R$ 30 bilhões neste ano seria resultado de duas medidas. A principal, com impacto de R$ 28 bilhões, seria a liberação de saques de até R$ 500 por conta . Assim, se um trabalhador tiver três contas de FGTS , poderá sacar até R$ 1.500. Os R$ 2 bilhões restantes seriam da liberação de saques do PIS/Pasep .  

Os R$ 12,5 bilhões no ano que vem serão resultado do novo modelo de saques anuais. A partir de 2020, o saque deve variar de acordo com o valor do saldo da conta de cada trabalhador. O percentual pode variar de 10% a 35% , sendo que, quem tem mais dinheiro terá um percentual menor a sacar. As retiradas seriam autorizadas sempre no mês de aniversário do trabalhador, que terá dois meses de tolerância para sacar – quem faz aniversário em abril, teria até junho para sacar, por exemplo.

Veja Também:  Saques no FGTS serão anuais e vão liberar R$ 42 bilhões até 2020, afirma Guedes

Quem optar pelo modelo de saques anuais abre mão das outras possibilidades de saques do FGTS. Assim, se for demitido, não poderá movimentar o fundo. O trabalhador que optar por esse modelo terá que ficar nele por 25 meses (pouco mais de dois anos). Assim, se escolher o saque anual em 2020, só poderá voltar para a modalidade antiga em 2022.

Extrato:  Governo deve liberar recursos do FGTS; saiba como consultar o saldo de sua conta

A medida provisória que o governo prepara para liberar o saque do FGTS deve ampliar para 100% o percentual do rendimento do fundo destinado ao trabalhador. Atualmente, a parcela de distribuição de resultados do FGTS é de 50% do lucro líquido do exercício anterior.

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
Continue lendo

Nova Xavantina

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana