conecte-se conosco


Esportes

Preferência pelo Barcelona faz Real Madrid desistir da contratação de Neymar

Publicado

Lance

Neymar no PSG arrow-options
Divulgação

Neymar quer deixar o PSG para voltar ao Barcelona

Concorrendo com o Barcelona pela contratação de Neymar, o Real Madrid desistiu do negócio pelo brasileiro nesta quinta-feira (11). De acordo com o jornal ‘AS’, o time madrilenho sabe do desejo do jogador de retornar ao time catalão e optou por não avançar num possível acordo com o atacante de 27 anos.

Leia também: Neymar vai perder R$ 1,5 milhão por faltar em reapresentação no PSG, diz jornal

Ainda conforme informado pelo portal, o desejo do Paris Saint-Germain era vender  Neymar para o Real Madrid , mas não houve qualquer tipo de contato entre as duas diretorias. Apesar do desejo de Zidane, o francês também já está ciente que não terá o atleta para a próxima temporada.

Com Neymar rumo ao Barcelona , o clube se volta para a contratação de Mbappé, que segundo as informações da imprensa europeia, também deseja deixar o clube. No entanto, o Real aguarda a rejeição do atacante de 20 anos em uma oferta de renovação dos franceses para, assim, poder dar início as negociações.

Fonte: IG Esportes
Comentários Facebook
Veja Também:  Após escapar do rebaixamento, Marcão vive clima de indefinição no Flu
publicidade

Esportes

Coluna – A poderosa Ting Zhu

Publicado

source

Quem é apaixonado pela seleção brasileira ainda deve ter pesadelos com o nome de Ting Zhu. Afinal, ela foi a principal responsável pela virada chinesa que eliminou o Brasil nas quartas de final dos Jogos Olímpicos do Rio, em 2016 diante de um Maracanãzinho lotado. Aquela vitória épica abriu caminho para a conquista da medalha de ouro pela China. Zhu seria escolhida, com méritos, a melhor jogadora da Olimpíada.

O desempenho da ponteira da seleção chinesa na Rio 2016 era só um cartão de visitas. De lá pra cá a China cresceu, contando não apenas com Zhu, é claro, mas com um time jovem e competente e com Lang Ping, uma técnica estrategista e vitoriosa. Mas Ting Zhu é o ponto de desequilíbrio a favor das chinesas. Elas chegarão a Tóquio dividindo com a Sérvia e com a Itália o posto de seleções a serem batidas nos Jogos Olímpicos.

A atleta é a jogadora de vôlei mais bem paga do mundo. Em 2017, quando renovou o contrato com o Vakfibank, passou a receber cerca de R$ 5 milhões por temporada. Mas neste ano, de olho na preparação para a Olimpíada, a atleta atendeu ao pedido de Lang Ping para que atuasse em seu país. Por isso, depois de três anos de sucesso, deixou a liga mais importante do mundo, a turca, e se transferiu para o Tianji, a principal equipe da China.

Veja Também:  Mundial de Clubes de vôlei: Cruzeiro é superado pelo Civitanova

No Mundial de Clubes de Shaoxing, que termina amanhã em Shaoxing (China), o Tianjin não avançou às semifinais. O resultado se deve muito à ausência de Ting Zhu, lesionada, na partida contra o Vakfibank, que valia a classificação. Se avançasse à fase final, a jogadora era aposta certeira para o prêmio MVP (jogadora mais valiosa) da competição, o que já aconteceu em outras duas oportunidades.

No voleibol moderno a estatura é essencial, vide as excelentes Tijana Boskovic, da Sérvia e com 1,93m, e Paola Egonu, da Itália e com os mesmos 1,93m. Ting Zhu tem 1,98m. As três são jovens, se destacam por onde passam e são derrubadoras de bolas natas. Então o que faz a chinesa estar um passo à frente das colegas? Justamente a posição em que atua. Enquanto Egonu e Boskovic são opostas e jogam livres para atacar, Zhu é ponteira passadora. Ou seja, além do ataque ela tem a responsabilidade de recepcionar os saques e se sai bem na função. A altura facilita o bloqueio eficiente. Na rede, a chinesa tem um arsenal de golpes, alternando potência com técnica apurada. É a jogadora mais completa em atividade no vôlei feminino atual.

Veja Também:  Vasco vence Cruzeiro no encerramento da 36ª rodada

O mais impressionante é que a ponteira tem apenas 25 anos e um longo caminho pela frente. Se as lesões não atrapalharem, ela poderá servir à China em, pelo menos, outras duas Olimpíadas e dois Mundiais, além de diversas edições da Liga das Nações, Copa dos Campeões e Copa do Mundo. Serão diversas oportunidades para engrossar ainda mais um currículo invejável que já conta com prêmios de melhor atleta, melhor ponteira e maior pontuadora nas principais competições de clubes e de seleções. Para usar uma expressão da moda no futebol, Ting Zhu está em outro patamar.

Edição: Fábio Lisboa

Fonte: IG Esportes
Comentários Facebook
Continue lendo

Esportes

Braziliam Storm surfa pelo quarto título mundial

Publicado

source

A partir do próximo domingo (8) os olhos dos amantes do surfe estarão voltados para a ilha de Oahu, no Havaí, onde acontece o Billabong Pipe Masters, última etapa do Circuito Mundial masculino da modalidade e o palco no qual será coroado o próximo campeão mundial.

Após a disputa de 10 etapas nos últimos sete meses, três brasileiros, um norte-americano e um sul-africano estão vivos na disputa promovida pela Liga Mundial de Surfe (WSL, na sigla em inglês).

Favoritismo brasileiro

O grande favorito a ficar com o título é o potiguar Ítalo Ferreira. Após a conquista das etapas de Gold Coast (Austrália) e de Peniche (Portugal), o brasileiro lidera o ranking do campeonato mundial com 51.070 pontos.

 Título conquistado pelo brasileiro Ítalo Ferreira, nos Jogos Mundiais de Surfe, no Japão.

Ítalo Ferreira celebra conquista do Mundial da Associação Internacional de Surfe, no Japão – Twitter/Olympic Channel

“Ítalo tem a vantagem dos pontos. Assim, caso todos os candidatos caiam na mesma etapa da competição, o título é do Ítalo. Entendo que chegar como líder na última etapa pode ser uma vantagem, mas pode se tornar uma desvantagem caso se torne uma fonte de pressão”, afirma Marcelo Boscoli, ex-surfista profissional, e que já atuou como comentarista da WSL no Circuito Mundial.

Outro brasileiro que chega com moral lá no alto é Gabriel Medina. O atual campeão mundial ocupa a segunda posição da corrida pelo título com 50.005 pontos e duas etapas conquistadas: Jeffreys Bay (África do Sul) e Lemoore (EUA). E o atleta, natural de São Sebastião (SP), torce por um tropeço de Ítalo para garantir o terceiro Mundial de sua carreira.

Veja Também:  Coluna – Fãs de e-sports influenciam hábitos de consumo no Brasil
LEMOORE, CA, UNITED STATES - SEPTEMBER 21: Two-time WSL Champion Gabriel Medina of Brazil surfing in the final of the 2019 Freshwater Pro on September 21, 2019 in Lemoore, CA, United States. (Photo by Jackson Van Kirk/WSL via Getty Images)

Gabriel Medina dá aéreo na etapa de Lemoore (EUA), disputada no surf ranch de Kelly Slater – Jackson Van Kirk

Na opinião de Marcelo Boscoli, Medina tem a vantagem de ter o melhor retrospecto em Pipeline: “Medina deve ser considerado favorito em qualquer situação. Ele é o postulante ao título atual que mais vezes viveu esta situação, chegar ao Havaí vivo na disputa. Além disso, tem o melhor retrospecto entre os que ainda lutam pelo Mundial. É frio e alcançou os melhores resultados em etapas decisivas”.

Um intruso na disputa brasileira é o sul-africano Jordy Smith. O surfista, que busca um inédito título mundial, ocupa a terceira posição do ranking com 49.985 pontos. Mesmo não tendo conquistado nenhuma etapa, ele foi muito constante durante toda a temporada, com a presença em três semifinais e duas finais.

HOSSEGOR, FRANCE - OCTOBER 7: Jordy Smith of South Africa advances to Round 4 of the 2019 Quiksilver Pro France after winning Heat 1 of Round 3 at Le Graviere on October 7, 2019 in Hossegor, France. (Photo by Damien Poullenot/WSL via Getty Images)

Sul-africano Jordy Smith pega tubo na etapa da França – WSL / Damien Poullenot

Mas a presença do sul-africano em Pipeline ainda é incerta, pois ele sofreu uma lesão, no final de novembro, durante uma etapa do WQS (divisão de acesso) disputada no Havaí.

Em busca do título inédito

O terceiro representante do Brasil que busca a coroa de rei do surfe em 2019 é Filipe Toledo. Com a vitória na etapa do Rio de Janeiro (Brasil), o surfista natural de Ubatuba (SP) tem a quarta posição do ranking com 49.145 pontos. Ele também é um dos candidatos ao título que nunca garantiu um Mundial.

Veja Também:  Mundial de Clubes de vôlei: Cruzeiro é superado pelo Civitanova
O brasileiro Filipe Toledo, conquista bicampeonato da etapa de Saquarema no circuito mundial de surfe

Filipe Toledo celebra conquista da etapa de Saquarema – Fernando Frazão/Agência Brasil

Fechando a lista de concorrentes aparece o norte-americano Kolohe Andino. Com 44.665 pontos tem pouquíssimas chances na disputa. Ele só leva o troféu Mundial para casa caso tenha uma performance fenomenal em Pipeline e conte com atuações desastrosas de seus quatro adversários.

HOSSEGOR, FRANCE - OCTOBER 3: Kolohe Andino of the United States will surf in Round 2 of the 2019 Quiksilver Pro France after placing third in Heat 3 of Round 1 at Le Culs Nus on October 3, 2019 in Hossegor, France. (Photo by Damien Poullenot/WSL via Get

Norte-americano Kolohe Andino em ação em Hossegor (França) – Damien Poullenot/WSL

Tóquio 2020

Além de ser o palco no qual será coroado o próximo campeão do Circuito Mundial, Pipeline também servirá para definir os atletas que representarão o Brasil no surfe na próxima edição dos Jogos Olímpicos, que acontecem em Tóquio em 2020.

RIO DE JANEIRO, BRAZIL - JUNE 23: Filipe Toledo of Brazil wins the 2019 Oi Rio Pro for the third time in his career and the second year in a row after winning the final at Barrinha, Saquarema on June 23, 2019 in Rio de Janeiro, Brazil. (Photo by

Torcida vai ao delírio com a conquista da etapa do Brasil por Filipe Toledo – Damien Poullenot

Uma das possibilidades de classificação é através do ranking da WSL. Os 10 melhores colocados no final da temporada garantem uma vaga (com um limite de dois atletas por país).

Desta forma, os dois primeiros brasileiros no raking da WSL carimbam o passaporte para os Jogos de 2020.

Edição: Verônica Dalcanal

Fonte: IG Esportes
Comentários Facebook
Continue lendo

Esportes

Coluna – Sobre a ingrata missão de tentar parar o rei do NBB

Publicado

source

Um dos patrocinadores do NBB distribui o prêmio “King of the Month” (em português, “Rei do Mês”) para o atleta que mais se destacou naquele período. Na atual temporada, até o momento, foram só dois prêmios. Ambos foram parar nas mãos do mesmo jogador: Georginho, armador do São Paulo. É difícil afirmar que o jogador de 23 anos seja uma unanimidade como o principal nome do momento, mas o que ele vem produzindo em quadra torna a tarefa de escolher um destaque para esse começo de campeonato bem menos complicada. Georginho traz consigo argumentos que vão além das ideias. Os números são os grandes aliados dele. 

Não são quaisquer números. O que Georginho vem fazendo não tem precedentes. O basquete é um esporte em que fica muito mais fácil quantificar grandeza, justamente pelo leque de estatísticas à disposição. O triplo-duplo (dois dígitos em três fundamentos diferentes) é talvez a representação do que há de mais difícil de fazer: empilhar números em categorias que exigem virtudes variadas, que muitas vezes estão relacionadas a tipos físicos muito distintos. Quem pensa e enxerga bem o jogo nem sempre tem a altura necessária para pegar muitos rebotes e vice-versa. Georginho vem tornando isso comum. Em apenas dez partidas, já registrou quatro triplos-duplos (todos com pontos, rebotes e assistências). Mesmo sendo armador, é o líder em rebotes do NBB, com média de 9,6 por partida. E poderíamos estar falando de uma sequência ainda mais impressionante. Nas últimas duas vezes que entrou em quadra, o jogador do São Paulo ficou a apenas uma assistência de registrar mais triplos-duplos.

Quando se conversa com quem tem a tarefa de frear o impacto de Georginho, fica evidente que esses números exorbitantes são explicados por outros números. Ele tem altura e envergadura incomuns para a posição de armador (1,97m de altura, 2,13m de envergadura). Também é forte (96 kg). O armador Ricardo Fischer, do Corinthians, apresenta o perfil físico de Georginho como um grande trunfo.

“Ele tem altura até de pivô. Isso facilita na hora de achar os passes mais facilmente. Quando ele encontra armadores com 20, 25 centímetros a menos que ele, é naturalmente mais fácil jogar a bola para o pivô. Hoje, o mais difícil para o armador é conseguir rebotes. Ele, com quase 2 metros de altura, não tem essa dificuldade”, opina Fischer.

Veja Também:  Martine Grael e Kahena Kunze avançam no Mundial de Vela

Outros dados completam a figura. Quem está acostumado a acompanhar a NBA pode achar que um triplo-duplo não é um feito tão considerável, mas existem diferenças marcadas entre o jogo nos Estados Unidos e o que é praticado aqui. A principal é o ritmo que as equipes imprimem na partida, que produz mais posses de bola e, logicamente, mais oportunidades para registrar pontos, rebotes, assistências, roubos, tocos etc. Nas últimas cinco temporadas da liga norte-americana, esse aumento no ritmo fez o número de triplos-duplos saltar de 46 em 2014-15 para 127 na temporada passada. Na atual temporada, que não chegou ainda nem a um terço do caminho, já são 27. Por outro lado, nas doze edições da liga nacional disputadas até hoje, foram apenas oito – sem contar os de Georginho. 

“Se você olhar, na Europa também não é muito fácil conseguir esses números. Isso é mais comum nos Estados Unidos porque eles jogam muito em transição, com grande volume de jogo. Até os critérios para computar assistências também são diferentes. Aqui, o que ajuda o Georginho é que ele é muito versátil, justamente pela altura e envergadura. Mérito total dele”, afirma o ala Cauê Borges, do Botafogo.

Existe uma outra diferença bem simples de lá para cá. São oito minutos a menos (48 lá, 40 aqui). A duração menor do jogo no NBB é compensada pela presença constante do armador do São Paulo em quadra. Georginho é o jogador com maior média de minutos por partida em toda a liga, com 37:30. Ou seja, geralmente ele permanece no jogo 93% do tempo, um índice elevadíssimo. Para manter o nível alto mesmo com tanto desgaste, é preciso muito vigor. Georginho tem a favor dele a juventude, que inclusive pode permitir voos mais altos. É o que pensa o técnico Helinho Garcia, do Franca, ele próprio um ex-armador. Para Helinho, a razão para a dominância que tem sido vista é o período que o atleta passou fora do Brasil. Georginho começou a se destacar muito cedo e chamou a atenção de olheiros nos Estados Unidos quando tinha apenas 19 anos e jogava pelo Pinheiros. Inscreveu-se no draft de 2017, mas não foi escolhido. Porém, pouco depois o Houston Rockets deu uma oportunidade para o armador no time B da franquia, que disputa a G-League (Liga de Desenvolvimento). Georginho passou uma temporada jogando pelo Rio Grande Valley Vipers, sem muito destaque, e acabou retornando ao Brasil em 2018 para jogar no Paulistano.

Veja Também:  Minas está fora das semifinais do Mundial de Clubes de Vôlei, na China

“Ele vem amadurecendo. Muita gente falou que esse período na G-League não foi bom para ele, mas ele voltou melhor. Domina os fundamentos do jogo, bate para dentro, cai no pivô, tem um leque de opções muito grande, além, é claro, da parte atlética. O lado mental dele também evoluiu muito. Eu particularmente acredito que em breve ele pode encontrar uma oportunidade na NBA”, destaca Helinho.

Quem também já começa a apostar fichas no jogador é o técnico da seleção brasileira, Aleksandar Petrovic. Recentemente, em um podcast da Confederação Brasileira de Basquete, o croata não só adiantou que Georginho estará nas próximas convocações como disse também que a presença dele não é surpresa, porque percebeu uma mudança de cabeça do jogador. Só o próprio Georginho pode dizer o que vem mais acima na hierarquia de metas dele, uma vaga na NBA ou o espaço na seleção. Para atingir esses objetivos, um bom caminho é manter o que vem fazendo. Pleitear a vaga de rei da principal competição do país fazendo o que ninguém achava que era possível.

Edição: Verônica Dalcanal

Fonte: IG Esportes
Comentários Facebook
Continue lendo

Nova Xavantina

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana