conecte-se conosco


Economia

Prejuízo da Embraer sobe 23% no primeiro trimestre e registra R$ 160 milhões

Publicado


Avião da Embraer
Divulgação/Embraer

Apesar do prejuízo, Embraer manteve carteira de pedidos em dia


A Embraer registrou prejuízo líquido atribuído aos acionistas de R$ 160,8 milhões no primeiro trimestre deste ano. De acordo com informações divulgadas pela empresa nesta quarta-feira (15), o número revela alta de 23% em comparação com o prejuízo registrado no mesmo período do ano passado.

Leia também: Eletrobras tem lucro de R$ 1,3 bilhão no primeiro trimestre

Já o prejuízo líquido ajustado, ou seja, o prejuízo sem impostos, foi de R$ 229,9 milhões nesses primeiros três meses. Segundo a Embraer , em 2018, a perda líquida ajustada havia sido de R$ 208,9 milhões.

Além do recuo nas contas, a fabricante brasileira  também informou que as entregas de aeronaves foram menores neste primeiro trimestre, o que negativou o resultado operacional em R$ 53,7 milhões. Em 2018, quando o resultado operacional registrou prejuízo de R$ 27,7 milhões, 25 aeronaves foram entregues, três a mais do que neste ano, quando a empresa entregou 22.

Leia também: BNDES registra lucro de R$ 11,1 bilhões no primeiro trimestre

Veja Também:  Nunca é tarde demais para construir a sua própria aposentadoria

Apesar da diminuição, a Embraer manteve a previsão de entregar de 85 a 95 jatos comerciais e 90 a 110 jatos executivos, com US$ 16 bilhões na carteira de pedidos. Um ano antes, a carteira era de US$ 19,5 bilhões.

Boeing-Embraer

Na última semana, a Embraer informou que não iria apresentar as informações financeiras trimestrais (ITR) dentro do prazo da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) já que a parceria com a companhia americana Boeing vai separar os ativos e passivos da área comercial da empresa.

Os números do balanço divulgado nesta quarta-feira (15), portanto, não consideram os efeitos da do acordo entre Embraer e Boeing .

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
publicidade

Economia

Saque automático do FGTS, em demissão sem justa causa, pode acabar

Publicado

carteira de trabalho arrow-options
MARCELLO CASAL JR./AGÊNCIA BRASIL

Proposta do governo envolve aumentar a rentabilidade do FGTS

O governo avalia acabar com saque automático do FGTS nas demissões sem justa causa, segundo fontes a par das discussões. A ideia é permitir o saque controlado, uma vez por ano, na data de aniversário dos cotistas. Em contrapartida, o governo estuda melhorar a rentabilidade do Fundo , que hoje é de 3% ao ano, mais a Taxa Referencial (TR) que está zerada.

Outra ideia é dar uma nova destinação à multa de 40% paga pelos empregadores nas demissões sem justa causa. Os recursos, que hoje vão para o FGTS ,  poderiam ser transferidos para um fundo público com objetivo de ajudar a formar uma poupança, que poderia ser utilizada na aposentadoria.

Leia mais: Bolsonaro confirma liberação de recursos para contas ativas do FGTS

As duas medidas, ao lado da liberação dos recursos das contas ativas do FGTS, fazem parte de um pacote de ações que o governo classifica como estruturantes. Para implementá-las será preciso alterar a Lei 8.036/1990 que trata do FGTS. 

Veja Também:  FGTS e PIS-Pasep podem levar R$ 63 bilhões para a economia, diz Paulo Guedes

A ideia era anunciá-las nesta quinta-feira (18), mas há dúvidas se o pacote estará pronto para ser divulgado. “Será um pacote mais estruturante e não a simples liberação do dinheiro”, disse uma fonte a par do assunto.

Veja também: FGTS e PIS-Pasep podem levar R$ 63 bilhões para a economia, diz Paulo Guedes

Chamado Plano Estratégico do FGTS, as medidas começaram a ser discutidas pela equipe econômica no fim do ano. A autorização do saque das contas ativas e inativas virou uma medida emergencial para estimular a economia neste ano, uma ofensiva pós-aprovação da reforma da Previdência, que tem efeitos positivos no longo prazo.

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Embratur altera marca do País no exterior e adota Brazil com Z

Publicado

Nova marca da Embratur usa Brazil com Z arrow-options
Pablo Peixoto/Embratur

Embratur alterou marca brasileira no exterior, adotando Brazil com Z

O Instituto Brasileiro de Turismo (Embratur) desenvolveu uma nova marca para promover o setor no exterior. Acompanhada do slogan Visit and love us (visite e apaixone-se), a campanha, divulgada nesta terça-feira (16), adota ainda o Brazil com Z.

Leia também: Governo pode liberar saque do FGTS de até 35% a trabalhadores com contas ativas

De acordo com a Embratur , a nova marca é inspirada na Bandeira Nacional, símbolo do país reconhecido em todo o mundo. “É o maior símbolo nacional. Nossa natureza, nossos esportistas, a música, a comida, todos estes pontos da cultura nacional levaram nossa bandeira lá fora, com muita maestria, e nós, como governo, devemos fazer jus a esse país tão rico”, disse o presidente da Embratur, Gilson Machado Neto.

O instituto defende que a marca seja um convite aos visitantes se encantarem com o Brasil, conhecendo e apreciando tudo de melhor que o país pode oferecer. O uso da letra “z”, na grafia do nome do país em inglês, no lugar do “s” na grafia em português, segundo a Embratur, busca fortalecer o marketing digital da marca “ Brazil ”, facilitando as buscas na internet realizadas pelos estrangeiros.

Veja Também:  FGTS e PIS-Pasep podem levar R$ 63 bilhões para a economia, diz Paulo Guedes

“Nos inspiramos também na rosa dos ventos, em um Brasil que em todas suas direções é lindo e cheio de vida, natureza, cultura e encantamento”, acrescentou. “Esta nova marca chancela isto e a importância do governo federal dá ao setor do turismo, fortalecendo a imagem do Brasil e sua bandeira em todo o mundo”, frisa o presidente da Embratur.

Leia também: Novo presidente do BNDES promete explicar “caixa-preta” em dois meses

A nova marca foi desenvolvida pelos próprios servidores da Embratur, trazendo economia e agilidade no desenvolvimento do projeto. O Instituto pretende ainda fazer um lançamento oficial, com a participação do Presidente da República, Jair Bolsonaro .

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Claro é a empresa que mais incomoda com ligações de telemarketing, diz Anatel

Publicado

De tanto receber ligações da Claro, a bancária Clarice Barros, de 27 anos, resolveu salvar os números da empresa de telefonia como um contato em seu celular para não continuar “perdendo tempo” atendendo as ligações de telemarketing da operadora.

Mulher atendente de telemarketing arrow-options
shutterstock

De janeiro de 2016 até junho de 2019 a Anatel registrou mais de 86 mil reclamações de ligações de telemarketing de empresas de telecomunicações

“Me ligavam de manhã, de noite, de fim de semana, feriado… Eu não tinha paz!”, conta ela, que disse já ter interrompido várias reuniões no trabalho para atender as chamadas que pensava serem importantes e, no fim, não passavam de ofertas de produtos que ela não tinha interesse.

“Eu acho um desrespeito com o consumidor. Esse aborrecimento é desnecessário. Não sei de onde eles conseguem nossos dados, mas acho que as empresas deveriam pedir autorização para incluir o número da gente na lista de ligações de telemarketing ”, reclama.

O problema da Clarice não é exceção. Aliás, é tão comum que a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) montou uma lista das operadoras que mais incomodam o consumidor. A campeã foi a Claro , com 28,5 mil reclamações registradas de janeiro de 2016 até junho deste ano.

A operadora foi responsável por 33% do total de 86,4 mil queixas contabilizadas pela agência. Em segundo lugar está a Vivo, com 22,3 mil reclamações, pouco mais de 25% do total.

Veja Também:  Medida Provisória pode deixar aposentadoria de servidores públicos mais difícil

Para completar o “pódio” das empresas de telefonia mais inconvenientes vem a Oi, que recebeu 18 mil reclamações, o equivalente a 20%. Confira o ranking completo divulgado pela Anatel:

Além do incômodo com chamadas para venda de serviços, a fama das companhias de telecomunicações entre o consumidor continua não sendo das melhores no geral. Para se ter ideia, entre as empresas mais reclamadas nos últimos 12 meses até a data de publicação desta matéria, as operadoras aparecem em segundo (Claro), terceiro (Vivo) e quinto (Tim) lugar no ranking do Reclameaqui, com a Americanas em primeiro e Mercado Livre em quarto.

Bloqueio de ligações de telemarketing

mulher mexendo no celular arrow-options
shutterstock

Para bloquear as ligações de telemarketing, o consumidor precisa se cadastrar no site e esperar até 30 dias

O problema de ligações indesejadas é global e órgãos reguladores de outros países, como Estados Unidos e Índia, também lidam com a dificuldade de diminuir os impactos negativos para o consumidor.

Segundo a Anatel , no Brasil, estudos de mercado preveem que cerca de dois terços dessas ligações são provenientes de outros setores econômicos que não os de telecomunicações – que respondem por cerca de 32% das chamadas indesejadas.

Pensando nisso, o órgão regulador brasileiro decidiu  criar uma plataforma que permite que os consumidores se cadastrem e bloqueiem as chamadas feitas por essas empresas em até 30 dias. O Não Me Perturbe foi lançado na terça-feira (16) e até às 12h desta quarta-feira (17) já tinha mais de 960 mil linhas cadastradas para não receber as ligações.

Veja Também:  Após quatro meses seguidos de retração, prévia do PIB volta a ficar positiva

“Ainda que o problema seja bastante complexo e estejamos em busca de solução definitiva, o cadastro é um primeiro passo para resguardar os direitos dos consumidores de não receber chamadas indesejadas para ofertas de serviços de telecomunicações. É uma ferramenta necessária, já que estávamos observando um crescimento acentuado desse tipo de prática”, afirma o presidente da Anatel, Leonardo de Morais.

“A Anatel, que iniciou as discussões sobre o tema ainda em 2018, agora irá monitorar de perto como a lista está sendo implementada e a efetividade da medida. Queremos garantir aos consumidores de telecomunicações o direito de não serem incomodados pelos seus fornecedores”, completa Morais.

Leia também: Como se cadastrar no ‘Não me Perturbe’ para bloquear ligações de telemarketing

Como funciona o Não Me Perturbe

Assim que soube da plataforma, Clarice se apressou para se cadastrar. “Tive um pouco de dificuldade, porque acho que o site estava sendo muito acessado. Mas o importante é que terei paz novamente e não mais medo de atender chamadas quando um número desconhecido ligar”, brinca.

A medida serve para barrar todas as chamadas relacionadas a ofertas de serviços e produtos de telecomunicações, o que inclui telefonia, TV por assinatura e banda larga.

O consumidor que não quiser mais receber as  ligações de telemarketing deverá acessar o site  e preencher o formulário de inscrição. É possível escolher entre as prestadoras Algar, Claro/Net, Nextel, Oi, Sercomtel, Sky, Telefônica/Vivo e TIM quais as que gostaria de bloquear, ou se gostaria de bloquear todas.

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
Continue lendo

Nova Xavantina

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana