conecte-se conosco


Nacional

Vaticano reabre túmulos para resolver mistério de garota desaparecida há 36 anos

Publicado

tumulo arrow-options
Reprodução/Vatican News

Apesar de expectativa, nada foi encontrado nos túmulos

Os túmulos de duas princesas foram reabertos pelo Vaticano, na manhã desta quinta-feira (11), na tentativa de encontrar os ossos de Emanuela Orlandi, jovem desaparecida em 1983, aos 15 anos de idade. O local é normalmente usado para enterrar integrantes de instituições católicas de língua alemã e não pode receber a visita de turistas.

Leia também: Esquema de ‘lavagem cerebral’ induzia crianças a denunciarem pais por abuso

O caso aconteceu no dia 22 de junho de 1983, quando Emanuela voltava para casa, localizada dentro do Vaticano , depois de uma aula de flauta e desapareceu após ter sido vista, pela última vez, em um ponto de ônibus no centro de Roma, na Itália.

Durante anos, a família ficou intrigada com o sumiço da menina e chegou a pensar que o acontecido poderia estar ligado com o fato de o pai de Emanuela ser um funcionário do Estado da Cidade do Vaticano, na época.

Veja Também:  Acidente envolvendo três ônibus na Avenida Brasil deixa 26 feridos; assista

Foi então que, em março deste ano, a família da adolescente recebeu uma carta anônima que era acompanhada pela foto de um anjo que ficava no túmulo do cemitério Teutônico do Vaticano.

Após uma petição geral para que o túmulo fosse aberto, um tribunal estatal da Cidade do Vaticano aceitou o pedido e o túmulo foi aberto. Porém, a grande surpresa: estava completamente vazio.

Leia também: Operação da PF prende dois suspeitos de ligação com a máfia italiana

De acordo com comunicado da Santa Sé, a operação não encontrou nenhum resto mortal da menina nos sepulcros. Além disso, nem os ossos das duas princesas – Sophie von Hohenlohe, que morreu em 1836, Carlotta Frederica de Mecklenburg, que morreu em 1840 – que deveriam estar enterrados no local não estão lá.

“A pesquisa teve êxito negativo: não houve nenhuma descoberta humana na urna funerária”, informou o diretor da assessoria de imprensa do Vaticano, Alessandro Gisotti.

O irmão da jovem desaparecida confirmou a informação e ressaltou que sua família precisa continuar as buscas. “Acredito que teremos que continuar e esperar por uma colaboração honesta. Enquanto eu não encontrar Emanuela, é meu dever procurar a verdade”, afirmou Pietro Orlandi.

Segundo assessoria de imprensa da Santa Sé, o país não investigará o desaparecimento da menina, já que isso é trabalho das autoridades italianas fora do Vaticano

*Com informações da Ansa.

Comentários Facebook
publicidade

Nacional

Mais de 21 mil venezuelanos são reconhecidos como refugiados no Brasil

Publicado

source

Agência Brasil

Refugiados venezuelanos chegando no Brasil arrow-options
Divulgação/ONUBrasil

Número de venezuelanos que fugiram de crise chega a 4 milhões, diz ONU

O Comitê Nacional para os Refugiados (Conare) concedeu a condição de refugiados a 21.432 venezuelanos que se estabeleceram no Brasil após fugirem da crise econômica e da instabilidade política que afetam seu país.

Leia também: Mais de 500 crianças venezuelanas cruzaram fronteira com o Brasil sozinhas

Segundo dados divulgados nesta quinta-feira (6) no site do Ministério da Justiça e Segurança Pública, pasta à qual o órgão colegiado está vinculado, até o início de outubro deste ano, o Conare estava analisando 120.469 pedidos de reconhecimento de refúgio apresentados por venezuelanos. Os processos são confidenciais e não são divulgadas nem mesmo as identidades dos que têm seus pedidos de refúgio acolhidos.

De acordo com o ministério, o resultado da reunião é “um marco histórico na área de regularização migratória brasileira”, já que as 21.342 solicitações de refúgio foram julgadas em bloco, de uma só vez. A expectativa ministerial é que, em breve, o Conare repita o mesmo procedimento, analisando mais um “número expressivo” de solicitações interpostas por estrangeiros.

O processo de análise dos pedidos de refúgio passa por várias etapas até chegar à decisão do Conare. De acordo com o ministério, não há um prazo específico para a conclusão de cada procedimento, que varia conforme a nacionalidade dos solicitantes, com a consistência dos dados de contato fornecidos ao conselho, com a complexidade de cada caso e com as informações disponíveis do país de origem de quem pleiteia o refúgio. Em seu site , o ministério afirma que, em média, as solicitações são analisadas em 3 anos. Entre os 120.469 pedidos em análise até outubro havia, segundo os dados do próprio Conare, ao menos 47 processos protocolados em 2013.

Veja Também:  Dois adolescentes participaram do esquartejamento do corpo de Matheusa

Para o Ministério da Justiça e Segurança Pública, o julgamento de um grande número de solicitações de uma só vez foi possível graças ao uso de novas tecnologias e, principalmente, devido a recentes resoluções do comitê. O emprego de ferramentas digitais capazes de sistematizar grandes volumes de dados, transformando-os em informações claras, permitiram o cruzamento de mais de 129 mil solicitações de reconhecimento de refúgio apresentadas por venezuelanos, otimizando o trabalho dos membros do Conare.

Leia também: ‘Se nos respeitamos, é mais fácil conviver’, diz Alberto Fernández a Bolsonaro

Direitos Humanos

Além disso, em junho deste ano, o órgão concluiu que os venezuelanos enfrentam um contexto de “grave e generalizada violação de direitos humanos”. A decisão teve efeitos práticos, resultando na publicação, em outubro, de uma resolução normativa que permitiu a adoção de procedimentos diferenciados na instrução e avaliação de solicitações devidamente fundamentadas, eliminando “entraves” e facilitando o processo de determinação da condição de refugiado de venezuelanos.

Em termos gerais, a Lei 9.474, de 1997, estipula que será reconhecido como refugiado todo indivíduo que, devido a “fundados temores de perseguição por motivos de raça, religião, nacionalidade, grupo social ou opiniões políticas”, pedir proteção para deixar seu país de origem ou no qual esteja legalmente vivendo. Também será reconhecido como refugiado todo indivíduo que, não tendo nacionalidade e estando fora do país onde antes teve sua residência habitual, não possa ou não queira regressar em função das circunstâncias já citadas, bem como aquele que, devido a grave e generalizada violação de direitos humanos, é obrigado a deixar seu país de nacionalidade para buscar refúgio em outra Nação.

Veja Também:  Morre mais uma vítima do incêndio do Hospital Badim

No Brasil, desde que solicita o refúgio, tem direito a obter os principais documentos de identificação, tais como Cadastro de Pessoa Física (CPF) e Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS), e a utilizar os serviços públicos universais. O refugiado tem autorização de residência por prazo indeterminado, enquanto o solicitante de refúgio possui apenas autorização provisória de residência até a decisão final quanto ao seu pedido. O reconhecimento de sua condição também faculta ao refugiado a possibilidade de, após quatro anos da formalização do pedido de refúgio, pleitear sua naturalização como brasileiro.

Leia também: Auditoria da OEA vê manipulação dolosa nas eleições da Bolívia

O refugiado também pode solicitar a extensão dos efeitos de sua condição para membros de sua família e solicitar visto de reunião familiar para parentes que estejam fora do Brasil. Em contrapartida, o refugiado assume o dever de respeitar a legislação brasileira; não exercer atividades contrárias à ordem pública ou à segurança nacional; manter sua documentação com data de validade regular e solicitar ao Conare autorização toda vez que quiser viajar para o exterior – a saída do Brasil sem prévia autorização implica a perda da condição de refugiado.

Comentários Facebook
Continue lendo

Nacional

Guia turístico filma tubarão em Fernando de Noronha; assista

Publicado

source
Tubarão arrow-options
Reprodução

Tubarão subiu em pedra para se alimentar de um enorme cardume de sardinhas que estava na Baía dos Porcos.

O guia turístico Carlos Dino filmou o momento em que um tubarão de aproximadamente dois metros de comprimento resolveu sair da água para tentar se alimentar na Baía dos Porcos, em Fernando de Noronha , em Pernambuco. Apesar do registro ter sido feito a uma curta distância, o animal não ameaçou o guia.

Leia também: Homem quase leva “tapa” de tubarão-baleia após socorrer o animal; assista

Pelo vídeo, é possível ver que o tubarão saltou da água e subiu em uma pedra para tentar se alimentar de pequenas sardinhas que nadavam pela região. Simultaneamente, diversos turistas observavam os peixes em uma faixa próxima à areia da praia. Confira: 

Depois de se debater em cima das rochas, o animal foi atingido por uma onda e voltou para dentro do mar. No começo do ano, um surfista foi atacado por um tubarão-branco enquanto surfava na ilha . Apesar do sangramento ter sido intenso, os ferimentos foram superficiais.

Veja Também:  Linha 4-Amarela do Metrô de São Paulo é paralisada nesta terça (3)

Comentários Facebook
Continue lendo

Nacional

PF prende suspeitos de contrabandear ouro extraído de Roraima e Venezuela

Publicado

source
Garimpo ilegal de ouro na reserva dos Yanomami arrow-options
Daniel Marenco / Agência O Globo

Garimpo ilegal de ouro na reserva dos Yanomami, na Amazônia

A Polícia Federal (PF) faz uma operação nesta sexta-feira (6) para prender 22 pessoas suspeitas de integrar uma organização criminosa que movimentou ilegalmente 1,2 tonelada de ouro nos últimos três anos, avaliados em R$ 230 milhões. O metal foi extraído de garimpos clandestinos em Roraima e na Venezuela. O esquema contou com a participação de um analista da Receita Federal e uma auditora fiscal, um procurador e uma servidora comissionada do Estado de Roraima, segundo a PF.

Leia também: O Estado não existe na terra indígena mais letal para os guardiões da floresta

Reportagens publicadas pelo GLOBO em agosto e setembro deste ano revelaram como operam os garimpos ilegais na terra indígena ianomâmi , a maior do Brasil, e no estado de Bolívar, na Venezuela, numa região que está a 250 quilômetros da fronteira com Roraima. Nos ianomâmi, o ouro ilegal mobiliza até 15 mil garimpeiros, que vêm encontrando respaldo no discurso oficial do presidente Jair Bolsonaro . Na Venezuela, a retirada do ouro é capitaneada por grupos armados, entre eles um grupo guerrilheiro colombiano, o Exército de Libertação Nacional (ELN).

As informações divulgadas pela PF até o momento não detalham a origem exata da 1,2 tonelada de ouro movimentada ilegalmente. Segundo a PF, “o grupo criminoso seria composto por venezuelanos e brasileiros que, residindo em Roraima, comprariam ilegalmente ouro extraído de garimpos da Venezuela e de garimpos clandestinos do estado”.

Veja Também:  Incêndio atinge cobertura de prédio no centro do Rio de Janeiro

Ao todo, a PF cumpre 85 mandados expedidos pela 4a Vara Federal de Roraima, expedidos pela Justiça a pedido da PF e do Ministério Público Federal (MPF). A decisão também manda bloquear R$ 102 milhões dos envolvidos. São 17 mandados de prisão preventiva, 5 de prisão temporária, 48 buscas e apreensões e 15 sequestros e bloqueios de bens. Os policiais foram para as ruas em Roraima, Rondônia, Amazonas, Rio Grande do Norte e São Paulo.

Leia também: Homem mata a ex-mulher a facadas e comete suicídio dentro de supermercado no Rio

‘Sucada de ouro’

Apreensão em operação contra o garimpo de ouro arrow-options
Divulgação/PF

Apreensão em operação contra o garimpo de ouro em Roraima

As investigações começaram em setembro de 2017, após a apreensão de 130 gramas de ouro em Boa Vista. O destino era uma empresa em São Paulo. A PF constatou que a nota fiscal usada, para compra de “sucata de ouro”, era falsa.

Servidores públicos recebiam propina para dar um “aspecto legal” ao ouro, por meio da emissão de documentos falsos por empresas de fachada, segundo a PF. O ouro era comercializado por uma empresa especializada na recuperação de minérios, localizada no interior de São Paulo. O ouro acabava mandado para o exterior.

Veja Também:  Linha 4-Amarela do Metrô de São Paulo é paralisada nesta terça (3)

Com a contribuição da Receita Federal, a PF constatou que o grupo movimentou pelo menos 1,2 tonelada de ouro entre 2017 e 2019. A sonegação de tributos alcança R$ 26 milhões, segundo as investigações. Somente em 2018, a empresa sob suspeita exportou mais de R$ 1 bilhão em ouro, conforme a PF. O faturamento triplicou em três anos. A mesma empresa comprava ouro ilegal do Amapá, segundo a PF.

Um dos alvos da operação tem ordem de prisão em aberto expedida pela Justiça da República Dominicana, por tráfico de drogas e lavagem de dinheiro. O nome do acusado está na lista de difusão vermelha da Interpol.

Os servidores públicos envolvidos colaboravam no esquema com “consultorias” para o resgate do ouro e pareceres favoráveis aos interessados no comércio ilegal de ouro. Eles atestavam a remessa do metal a São Paulo. Os crimes investigados são organização criminosa, contrabando, corrupção passiva e ativa, lavagem de dinheiro, receptação e falsidade ideológica e de documentos públicos.

Leia também: Turista iraniano morre atropelado após cair de patinete em Copabacana

A operação recebeu o nome de Hespérides. Segundo a mitologia grega, numa explicação dada pela PF, seriam os responsáveis por cuidar do pomar onde Hera cultivava macieiras que davam frutos de ouro . As hespérides passaram a consumir os frutos que deveriam guardar.

Comentários Facebook
Continue lendo

Nova Xavantina

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana