conecte-se conosco


Política Nacional

Bolsonaro “não tem o menor conhecimento” sobre o coronavírus, diz Caiado

Publicado


source
Governador de Goiás, Ronaldo Caiado arrow-options
DIVULGAÇÃO/GOVERNO DE GOIÁS

Governador de Goiás, Ronaldo Caiado

O governardor de Goiás , Ronaldo Caiado , disse que ficou “indignado” com o discurso do presidente Jair Bolsonaro em rede nacional de televisão e rádio nesta terça-feira (24) e que o presidente “não tem o menor conhecimento” sobre o novo coronavírus . A declaração foi dada ao jornal Folha de S. Paulo , ao qual ele também disse que achou que o vídeo exibido fosse “uma montagem”.

Em sua mensagem, Bolsonaro voltou a minimizar o risco do vírus, o chamando de “gripezinha” e “resfriadinho”, e atacou medidas adotadas pelos estados de restrição ao funcionamento de atividades econômicas, dizendo que era preciso abandonar a ideia de “terra arrasada”.

Leia também: “Frases de efeito não vão resolver o nosso problema”, diz Maia

“Minha indignação é ele tratar de um assunto do qual ele não tem o menor conhecimento. Não se assessorou de ninguém para produzir um texto tão irresponsável”, afirmou Caiado.

O governador, que é médico, também impôs limitações ao comércio em Goiás para amenizar os efeitos do vírus e criticou o risco econômico como argumento para flexibilizar essas medidas.

“Ele [Bolsonaro] deve ter sido contaminado por algum empresário que só enxerga cifrão”, disse. “Está mais preocupado com CNPJ do que com CPF.”

Comentários Facebook
publicidade

Política Nacional

Câmara aprova liberação de medicamentos sem registro em pandemia

Publicado


source

Agência Brasil

A Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (1º) projeto de lei que estabelece o prazo de 72 horas para a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizar a distribuição e importação de materiais, medicamentos, equipamentos e insumos da área de saúde registrados por autoridade sanitária estrangeira e autorizados à distribuição comercial em seus respectivos países. 

Câmara dos Deputados arrow-options
Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

A matéria segue para o Senado e terá validade enquanto durar a emergência em saúde provocada pela pandemia da Covid-19

Os produtos devem estar relacionados ao combate ao novo coronavírus e devem ser validados por autoridades estrangeiras. A matéria segue para o Senado e terá validade enquanto durar a emergência em saúde provocada pela pandemia da Covid-19.

O relator da proposta, deputado Hiran Gonçalves (PP-RR), incluiu a obrigação do médico instruir o paciente sobre o uso do medicamento. Pelo texto, o profissional deve informar que o produto ainda não tem aprovação da Anvisa e foi liberado por ter sido registrado por autoridade sanitária estrangeira.

“Neste momento em que inúmeras instituições de todo o mundo trabalham no desenvolvimento de novos medicamentos, testes, exames, aparelhos respiradouros e outros produtos e equipamentos para o combate efetivo da pandemia de covid-19, precisamos que a liberação desses produtos tenha a velocidade que a gravidade da situação requer”, argumentou o relator.

A regra não inclui as autorizações voltadas meramente à exportação. Segundo o texto, os produtos sem registro na agência brasileira poderão ser usados por brasileiros desde que validados por uma das seguintes agências: Food and Droug Administration, dos Estados Unidos; European Medicine Agency, da Europa; Pharmaceuticals and Medical Devices Agency, do Japão; National Medical Products Administration, da China.

Novas Medidas

O presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) voltou a pedir medidas para setores impactados pelas restrições em virtude do coronavírus e que ainda não foram contempladas em ações do governo federal. 

“Como não há um pacote completo, os setores se sentem não atendidos e procuram pelos seus representantes para apresentar soluções específicas. Isso fazia sentido lá atrás, quando se começou a fechar o shopping, bares, companhias aéreas. É óbvio que o melhor caminho é que nós tivéssemos recebido um pacote único onde todas as frentes fossem representadas. Não foi assim”, afirmou.

Maia apontou o setor aéreo, shopping centers e bares e restaurantes como áreas que, até o momento, não foram beneficiadas por nenhum tipo de política pública e têm sido prejudicados com as medidas de isolamento social que restringem a circulação de pessoas em todo país. Para o deputado, há um atraso por parte do governo na edição de medidas provisórias que assegurem o socorro econômico a esses setores e à parte da população que também não foi incluída em outras ações.

Comentários Facebook
Continue lendo

Política Nacional

Supremo dá 48 horas para Bolsonaro informar medidas contra a Covid-19

Publicado


source
Ministro do STF Alexandre de Moraes arrow-options
Rosinei Coutinho/STF

Ministro do STF Alexandre de Moraes

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou nesta quarta-feira (1º) que o presidente Jair Bolsonaro que preste em até 48 horas informações sobre as medidas adotadas para combater o avanço do n ovo coronavírus (Sars-CoV-2).

Moraes determinou o envio das informações com base em uma ação da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) para que Bolsonaro siga o protocolo da Organização Mundial de Saúde (OMS), respeite as determinações dos governadores e não interferira na atuação do Ministério da Saúde.

Leia também: Brasil tem 240 mortes e 6.836 casos confirmados de Covid-19

“Diante da relevância da matéria suscitada, determino sejam solicitadas, com urgência, informações sobre o objeto da presente arguição, a serem prestadas pelo presidente da República no prazo de 48 (quarenta e oito) horas”, escreveu o ministro Alexandre de Moraes na decisão.

Em discurso em rede nacional nesta terça-feira (31), Bolsonaro diminuiu o tom em relação à Covid-19 , mas voltou a defender que a economia também precisa estar na prioridade do governo federal.

“Por um lado, temos que ter cautela e precaução com todos, principalmente junto aos mais idosos e portadores de doenças pré-existentes. Por outro, temos que combater o desemprego que cresce rapidamente, em especial entre os mais pobres”, afirmou.

Comentários Facebook
Continue lendo

Política Nacional

Ministério de Damares recomenda “trabalho virtual a profissionais do sexo”

Publicado


source
Ministra Damares Alves arrow-options
Foto: Agência Brasil

Ministra Damares Alves

Uma cartilha do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, de Damares Alves, recomenda o trabalho virtual a “profissionais do sexo” durante a pandemia do Covid-19. O material foi divulgado nesta quarta-feira e  pode ser conferido no site da pasta. 

A cartilha ainda se opõe à retomada das atividades defendida por Jair Bolsonaro e diz que é “importante manter o isolamento social”.

Brasil tem 240 mortes e 6.836 casos confirmados de Covid-19

O texto diz que “trabalhadores autônomos, profissionais do sexo e pessoas sem renda fixa infelizmente são mais prejudicados durante as recomendações de quarentena” e sugere: “Mas não é na crise que nascem as boas ideias? Se tiver que trabalhar, converse com seus clientes, tente a opção do serviço virtual”.

De acordo com o ministério, a cartilha é uma iniciativa da Secretaria Nacional de Proteção Global (SNPG) e apresenta informações gerais sobre a prevenção ao Covid-19 e sobre os sintomas da doença.

Diretor da OMS projeta 1 milhão de casos e 50 mil mortes nos próximos dias

O material traz informações voltadas a trabalhadores autônomos, profissionais do sexo, pessoas que trabalham em bares e boates e para aqueles que possuem HIV ou outras infecções sexualmente transmissíveis (ISTs).

“Esse material é uma produção da SNPG no sentido de orientar e auxiliar a população para a prevenção e as atitudes em relação a essa pandemia. A importância da prevenção, diante de todas as problemáticas que a população LGBT vive, na questão da vulnerabilidade, da dificuldade em relação a outras situações sociais e da própria saúde da população LGBT”, explicou a diretora do Departamento de Promoção de Direitos LGBT, Marina Reidel.

Comentários Facebook
Continue lendo

Nova Xavantina

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana