conecte-se conosco


Esportes

Brasileiro jogará ao lado de CR7 na Juventus, na próxima temporada

Publicado


.

A partir de agosto, quando encerrar a temporada europeia, o volante Arthur vai jogar ao lado de Cristiano Ronaldo na Juventus. O jogador da seleção brasileira, de 23 anos, que pertencia ao Barcelona, foi oficialmente confirmado hoje (29) pelo time italiano. A clube da cidade de Turim (Itália) desembolsou  € 72 milhões de euros – o equivalente a R$ 440,6 milhões na cotação atual – pelo passe do atleta.

“Agora focados no presente, temos objetivos importantes no  Barcelona e continuarei até o final dando tudo: para meus companheiros de equipe e todos os fãs”, publicou o jogador em sua conta no Twiiter, em tom de despedida.

 

As negociações entre espanhóis e italianos envolveram ainda um outro jogador: o bósnio Pjanic que vai deixar a Juve para defender o time catalão. A transação também vai beneficiar o Grêmio, que receberá € 2,45 milhões (R$ 14,97 milhões), por ter sido um dos clubes de formação do volante brasileiro. O direito a 3,5% do valor da transferência está previsto no Mecanismo de Solidariedade da Fifa, que favorece os clubes que investem em divisões de base. 

 Arthur chegou ao Barcelona em 2018, onde já atuou em 72 partidas e marcou quatro gols.

Edição: Cláudia Soaes Rodrigues

Comentários Facebook
publicidade

Esportes

Dois jogos marcam a volta do Campeonato Catarinense em meio à pandemia

Publicado


.

O Campeonato Catarinense está de volta. Depois de o Rio de Janeiro autorizar a realização de partidas de futebol, nesta quarta-feira (8) será a vez de Santa Catarina ver a bola rolar. Às 19h (de Brasília), o duelo entre Criciúma e Marcílio Dias, no estádio Heriberto Hülse, em Criciúma (SC), marca a volta do campeonato após 115 dias de paralisação, devido à pandemia do novo coronavírus (covid-19). Mais tarde, às 20h30 (de Brasília), tem Chapecoense x Avaí na Arena Condá, em Chapecó (SC). São os jogos de ida dos confrontos válidos pelas quartas de final.

Apesar de anunciada há cerca de um mês, a retomada só teve a liberação oficial na segunda-feira (6), com a publicação da portaria 466 no Diário Oficial do Estado. O decreto, assinado pelo secretário de Estado da Saúde, André Motta Ribeiro, autoriza a volta das competições profissionais de futebol, com restrições. Uma delas, que consta no artigo 8º, inciso 29, prevê o afastamento de “todos os atletas e trabalhadores confirmados covid-19, bem como as pessoas que tiveram contato com estes”.

O técnico do Marcílio Dias, Moisés Egert, foi diagnosticado, na segunda-feira, com o novo coronavírus. Em nota, o time de Itajaí (SC) afirmou que Egert estava afastado desde o último dia 28 de junho, quando apresentou “sintomas leves”, mesmo após o primeiro teste ter dado negativo. O clube informou que a equipe será comandada pelo auxiliar Carlos Alberto Teco e que, antes do embarque, o médico Felipe Zamboni “mediu a temperatura corporal e examinou os atletas e comissão técnica, seguindo os protocolos de saúde para o combate à covid-19. Todos os jogadores do elenco estão bem e aptos à prática do futebol”, completou o informe.

Em entrevista coletiva, o técnico do Criciúma, Roberto Cavalo, confirmou o time que irá à campo nesta quarta-feira. “Estamos preparados e treinamos para jogar. Até porque serão feitos exames nos atletas e na comissão técnica, tanto do Criciúma quanto do Marcílio Dias. Então, dá uma certa tranquilidade”, disse, embora demonstre preocupação com a volta da competição propriamente dita. “Hoje, a covid-19 está muito forte no estado, principalmente em Itajaí, Camboriú e Florianópolis. Sabemos do tamanho do vírus e vamos fazer um jogo que a federação definiu”, declarou.

Por um lado, Santa Catarina tem a segunda menor taxa de mortalidade pelo novo coronavírus do país (5,8/100 mil habitantes) e é um dos cinco estados com menor taxa de incidência (casos por 100 mil pessoas). É uma situação mais controlada que no Rio de Janeiro, onde a bola voltou a rolar há quase três semanas, apesar de a taxa de mortalidade (63/100 mil) ser o dobro da média nacional (31,8/100 mil), conforme dados do Ministério da Saúde desta quarta.

Não significa, de fato, que a pandemia esteja totalmente administrada. A semana entre 28 de junho e 4 de julho foi a que registrou mais mortes pela covid-19 em Santa Catarina, com 71 óbitos. A capital Florianópolis, que nem é a cidade com mais casos no estado, está com mais de 94% dos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) ocupados segundo o Covidômetro, plataforma da prefeitura com dados sobre o novo coronavírus na cidade. Ele indica que o município está na fase de “alto risco”, que permite o funcionamento limitado de algumas atividades.

Pela tabela do Covidômetro, a “prática esportiva ao ar livre” está proibida nesta etapa. A prefeitura, porém, emitiu um decreto, também na segunda-feira, autorizando “jogos de futebol profissional, sem a presença física de torcida, mediante testagem PCR negativa para SARS-CoV-2 de todos os profissionais antes das partidas”. A medida permite que os representantes da capital, Figueirense e Avaí, possam mandar seus duelos nos estádios Orlando Scarpelli e Ressacada, respectivamente.

A realização de jogos com portões fechados também é exigência da portaria estadual 466. O Criciúma, em nota, disse ter tentado viabilizar a presença de torcedores contra o Marcílio Dias, alegando ter feito “inúmeros procedimentos de segurança sanitária” e elaborado “um protocolo muito rígido de distanciamento nas arquibancadas”, mas, que o pedido foi indeferido. “Continuaremos buscando alternativas para que, nos próximos jogos, possamos receber nossa torcida no estádio Heriberto Hülse de forma segura e de acordo com as deliberações das autoridades”, completa o Tigre.

Para compensar as arquibancadas vazias, colecionadores ofereceram ao Criciúma camisas para ocuparem as cadeiras do estádio. Já a Chapecoense fechou parceria com uma empresa que instalará um telão de 60 metros quadrados na ala leste da Arena Condá, contra o Avaí. O telão projetará imagens, em tempo real, de torcedores acompanhando a partida de casa. O público terá acesso à tecnologia por meio de um link, que “será disponibilizado de forma gratuita para os sócios e para os torcedores em geral”, por ser a primeira experiência.

Reta final

A bola parou de rolar pelo Catarinense em 15 de março, quando foi disputada a última rodada da primeira fase. Pela ordem de classificação, Avaí, Brusque, Figueirense, Marcílio Dias, Criciúma, Juventus, Joinville e Chapecoense se classificaram para o mata-mata. Além das partidas desta quarta, teremos jogos na quinta-feira (9): às 15h (de Brasília), Juventus e Figueirense se enfrentam no estádio João Marcatto, em Jaraguá do Sul (SC); às 19h (de Brasília), o Joinville recebe o Brusque, em sua arena. Os jogos de volta estão marcados para domingo (12). Em caso de igualdade nos duelos, a decisão da vaga sairá nos pênaltis.

Já Concórdia e Tubarão se enfrentam em dois jogos, marcados para os próximos dias 14 e 19 de julho, no playoff do rebaixamento. A equipe que obtiver melhor resultado nas partidas segue na elite estadual. Em caso de empate no saldo de gols, o Concórdia permanece na primeira divisão, já que fez campanha melhor que o rival na primeira fase.

Edição: Sergio du Bocage

Comentários Facebook
Continue lendo

Esportes

Coluna – Ironia: Um Fla-Flu, o Clássico das Multidões, sem torcida

Publicado


.

“O Fla-Flu começou quarenta minutos antes do nada”. A famosa frase de Nélson Rodrigues dá bem a ideia de como esse clássico, reconhecido mundialmente como um dos maiores do futebol, mexe com os torcedores. Não é à toa, também, que ele tem a alcunha de “Clássico das Multidões”. Não só pelas dezenas de jogos em que levou mais de cem mil torcedores ao estádio, mas principalmente porque, em 1963, colocou no Maracanã 194.603 torcedores, sendo 177.656 pagantes, maior público da história do futebol mundial registrado numa partida entre clubes. Mas nesta quarta-feira (8), este mesmo Fla-Flu será com portões fechados.

A culpa é da pandemia da covid-19 ou do futebol carioca, que voltou a campo antes do tempo? É uma discussão que será levada ao longo da história, como tantas outras, essas melhores porque dizem respeito ao esporte e ao clássico. É sobre elas que prefiro falar.

O Fla-Flu de hoje, às 21h30 no Maracanã, decide a Taça Rio e nenhum clube tem vantagem no confronto. Se der Fluminense, ele vai para a final do Estadual, contra o mesmo Flamengo. Se o Rubro-Negro levar a melhor, será campeão não só da Taça Rio, como também do Campeonato Carioca, porque já ganhou o primeiro turno, a Taça Guanabara. Empate nos 90 minutos leva a decisão para os pênaltis.

O primeiro Fla-Flu da história foi num 7 de julho, em 1912. Ou seja, há 108 anos e um dia. Ao longo desse tempo, o que não faltaram foram polêmicas, rivalidade, discussões, mas também momentos de união. Por exemplo: enquanto a gente não sabe se o jogo desta noite será transmitido pelo canal de YouTube de só um clube ou nos dos dois, em 2017, juntos, Fluminense e Flamengo desafiaram a determinação de que a partida deveria ser com torcida única, no caso a do Tricolor, que era o mandante. Os clubes preferiram fechar o Nílton Santos. É claro que a pressão valeu, as duas torcidas compareceram e viram o Fluminense ser campeão.

Esse é apenas mais um capítulo dessa história, que conta com 425 jogos, sendo 155 vitórias do Flamengo, 132 do Fluminense e 138 empates. A decisão desta noite será apenas a segunda valendo uma Taça Rio. Na outra, em 2005, o Fluminense venceu por 4 a 1. Mas o Tricolor, dos quatro grandes do Rio, é o que tem menos títulos. São apenas três – o Vasco tem 10, o Flamengo, nove, e o Botafogo, sete.

Polêmica maior é ” quem nasceu de quem?” Dizem os tricolores que os rubro-negros nasceram deles. Vale esclarecer que o Flamengo foi fundado em 1895; o Fluminense, em 1902. Então, na verdade, a discussão trata da prática do futebol, já que Alberto Borgeth, remador do Flamengo e jogador de futebol do Fluminense, foi quem levou o novo esporte das Laranjeiras para a Gávea.

Mas pouco se fala de outro episódio: da própria fundação do Fluminense. Quando os 20 sócios fundadores se reuniram, a presidência da sessão foi de Manoel Rios, sócio e futuro presidente do Flamengo; na ata, constam, ainda, os nomes de Arthur Gibbons, outro sócio do Rubro-Negro, e de Virgílio Leite, então presidente do Flamengo. Afinal, quem nasceu de quem? Mas para vocês verem como os clubes eram unidos, em 1906 Francis Walter presidiu Flamengo e Fluminense ao mesmo tempo.

Dentro de campo, se por um lado o Flamengo tem mais vitórias no confronto direto, por outro o Fluminense tem mais títulos conquistados sobre o rival. Não há discussão quanto a essas afirmações, mas o problema está nos números finais. Do confronto direto, variam pouco, e o que escrevi acima é o que prevalece na grande maioria dos levantamentos. Mas na hora de falar dos títulos…

A polêmica tem início no que se pode considerar uma final. O jogo desta noite, por exemplo: entre os dois e quem sair vencedor será campeão. Mas em competições de pontos corridos, ou em turnos finais, como num triangular? Nem sempre os dois times chegam na última rodada em condições de brigarem pela taça. Pois é aí que se dá o problema.

Em 1919, por exemplo. Numa disputa por pontos corridos, o Fluminense festejou o título ao vencer o Flamengo duas rodadas antes do fim, e o Rubro-Negro não tinha como sair campeão daquele Fla-Flu. Vale? Já em 1936, os times chegaram empatados no fim e houve uma melhor de três, que deu o título ao Fluminense.

Em 1941, ano do famoso “Fla-Flu da Lagoa”, o título tricolor saiu em cima do rival. O mesmo aconteceu no sentido inverso em 1963, no histórico clássico com recorde de público. Mas em 69, na penúltima rodada, o Fluminense faturou o título sobre o Flamengo que não dependia mais dele para ser campeão. Não foi confronto direto. Ao contrário de 72, quando eles se cruzaram na última rodada do triangular decisivo e o Flamengo venceu por 2 a 1 uma decisão em que o Fluminense jogava pelo empate.

A resposta tricolor veio em 73, com um 4 a 2 que valeu o campeonato. Dez anos depois, o gol de Assis não deu o título ao Fluminense sobre o Flamengo. A taça veio apenas três dias depois, quando o mesmo Flamengo venceu o Bangu, que poderia ser o campeão se ganhasse aquela partida. Em 84, de novo gol de Assis,  e aí sim valeu o título. Naquele ano, os times realmente fizeram a final. Em 91, o Fluminense ganhou a Taça Guanabara, o Flamengo, a Taça Rio. Eles foram para a final e deu Flamengo, 4 a 2.

O gol de barriga de Renato, em 95, é incontestável – Fluminense campeão em cima do Flamengo. E por fim, em 2017, o Flamengo venceu por 2 a 1 e faturou o último título estadual disputado entre os dois.

No total, são 12 campeonatos. Em jogos diretos, o Fluminense venceu cinco; o Flamengo, quatro. Fica a discussão para os títulos tricolores de 1919, 1969 e 1983. Vocês decidem.

Por Sergio du Bocage, apresentador do programa No Mundo da Bola, da TV Brasil

Edição: Verônica Dalcanal

Comentários Facebook
Continue lendo

Esportes

Covid 19: CT Paralímpico de São Paulo reabre com atletas da natação

Publicado


.

Depois de 111 dias fechado, o Centro de Treinamento Paralímpico de São Paulo voltou a receber atividades na tarde de hoje (7). Um grupo de quatro atletas da seleção brasileira da natação, composto por Phelipe Rodrigues, Ítalo Pereira, Maria Carolina Santiago e Wendell Belarmino, caiu na piscina para retomar os trabalhos.

Phelipe Rodrigues, dono de sete medalhas em paralimpíadas, destacou o cuidado com os protocolos sanitários. “Na frente da piscina foram demarcadas áreas específicas para cada atleta. A piscina tem 10 raias. E sempre deixamos uma raia vazia entre cada atleta para manter a distância de segurança de dois metros no mínimo. E vários outros cuidados. Foi pensado em tudo, desde a chegada até a saída dos atletas. Está tudo 100% seguro”, disse o nadador à Agência Brasil. 

O médico-chefe do Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB), Hésojy Gley, disse que há muito rigor no centro de treinamento, desde a entrada dos atletas, com a passagem deles por túneis de desinfecção. “Existe uma prévia testagem, anamnese feita em relação aos sintomas. Eles são convidados a assinar um termo antes de adentrar a estrutura do CT”, disse. 

Segundo Gley, o protocolo é muito rígido e baseado em alguns pilares. “O primeiro é higienização e distanciamento social. O segundo é testagem. O terceiro é monitoramento. O quarto é educação. E o quinto é sanitização. Essa é a base do nosso trabalho. O cuidado é ainda mais apurado por estarmos lidando com pessoas com deficiências. Podemos dividir esses atletas em três grupos. O primeiro é aquele de doenças neurológicas, que podem ter dificuldades para recuperação respiratória, um grupo que tem contato maior com pessoas ou objetos, que podem estar contaminados, e o grupo que pode ter problemas por tratamentos ou cirurgias aos quais foram submetidos”.

Segundo o técnico-chefe da natação paralímpica do CPB, Leonardo Tomasello, a prioridade nessa fase será o condicionamento, com muita ênfase na prevenção de lesão. “Vamos respeitar o que foi feito pelo atleta durante a quarentena, saber as condições de retorno e trabalhar individualmente cada um”, disse Tomasello. 

Um outro grupo de quatro atletas ainda depende de outros procedimentos para caírem na água. “Aguardam resultados de exames ou precisam passar pelos treinamentos de protocolo. Terminando isso, estarão aptos.”

Com a entrada da capital de São Paulo na fase amarela do Plano SP de retomada gradual da atividades previsto pelo governo estadual, a prefeitura paulistana autorizou a reabertura do CT Paralímpico no dia 27 de junho. 

Desde a autorização até sexta-feira (3), a equipe médica do CPB submeteu os atletas que estão voltando às atividades e os treinadores a testes de PCR e sorologia. Para acessar o CT, a pessoa deve obrigatoriamente ter testado negativo. Nesse período de restrições, o residencial do centro de treinamento seguirá fechado, assim como o refeitório.

A segunda modalidade com retorno previsto ao CT Paralímpico é o tênis de mesa, que deve voltar na segunda-feira (13).

Edição: Fábio Massalli

Comentários Facebook
Continue lendo

Nova Xavantina

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana