conecte-se conosco


Nacional

Céu rosado em São Paulo se deve a partículas do vulcão de Tonga

Publicado


Nesta última semana, o céu de São Paulo adquiriu um tom mais rosado, principalmente nas primeiras horas do dia. E isso não foi efeito da poluição tão característica da capital paulistana. Segundo Marcia Yamasoe, professora e pesquisadora do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da Universidade de São Paulo (USP), essa coloração no céu de São Paulo e percebida principalmente no amanhecer do dia 26 de janeiro, foi resultado da erupção do vulcão submarino Hunga-Tonga-Hunga-Ha’apai, que devastou o arquipélago de Tonga, no Pacífico Sul, e lançou partículas para a alta atmosfera.

Em entrevista à Agência Brasil, Marcia Yamasoe disse que é possível confirmar que as partículas expelidas pelo vulcão de fato chegaram ao Brasil. “As imagens de satélite mostraram quando a pluma [que consiste em cinza vulcânica] chegou e tem um pesquisador do Ipem [Instituto de Pesos e Medidas] que tem uma instrumentação e identificou claramente a chegada dessa pluma no dia 26 de janeiro, por volta das 4h da manhã”, disse ela.

Isso ocorreu porque a atividade vulcânica em Tonga foi muito intensa, permitindo com que o material fosse lançado para a estratosfera. Estando nessa camada, o material pôde ser transportado mais facilmente e viajar longas distâncias, chegando ao Brasil.

“A primeira coisa é que esse material, os gases dessa erupção vulcânica, conseguiu chegar na estratosfera, que é uma camada que fica acima da troposfera, que é onde a gente fica”, explicou a professora. “Nessa camada da atmosfera, a troca, o processo de deposição, é muito mais lento. Então, se conseguir chegar lá em cima, a probabilidade desse material ficar por mais tempo lá é bem grande. Aqui embaixo [na troposfera], a chuva e as nuvens, conseguem remover muito mais facilmente”, disse.

De acordo com a professora, ainda não é possível afirmar quanto tempo vá durar esse fenômeno. Essa pluma continua circulando e deve dar a volta ao mundo. E, quando ela voltar ao Brasil, possivelmente já estará mais diluída. “Ela vai ficar circulando, até ela se depositar. Mas acredito que quando ela voltar, ela já vai estar bem mais diluída”, disse ela. “Mas se ela voltar, é acordar bem cedinho para tentar detectar e tirar fotos”, falou.

Esses gases, segundo ela, não trazem riscos para a população brasileira. “Como está há 26 km, muito alto, antes de se depositar e chegar aqui embaixo, essa pluma vai se dissolvendo, vai se espalhando cada vez mais. Então, quando começar a depositar, vai ficar em quantidades tão pequena que, realmente, para a população não há risco”.

Tonga está localizada no chamado Anel de Fogo do Pacífico, uma das áreas de maior atividade sísmica do planeta. No dia 15 de janeiro, a erupção do vulcão Hunga-Tonga-Hunga-Ha`apai desencadeou tsunami com ondas até 15 metros, que devastaram a nação.

Edição: Claudia Felczak

Fonte: EBC Geral

Comentários Facebook
publicidade

Nacional

Oportunidade: EBC abre processo seletivo para estágio

Publicado

A Empresa Brasil de Comunicação (EBC) abre na próxima segunda-feira (30) inscrições para o 2° Processo Seletivo de Estágio. As vagas são para Brasília (DF), Rio de Janeiro (RJ), São Paulo (SP) e Tabatinga (AM). Os interessados devem fazer cadastro e realizar prova online na plataforma Super Estágios.

As inscrições são gratuitas e vão até 12 de junho. O início das convocações está previsto para o dia 14 de junho. As bolsas de estágio são de R$ 600 para estudantes de nível superior e de R$500,00 para estudantes de nível técnico. Além da remuneração, os estagiários têm direito a receber auxílio-transporte no valor de R$ 220, proporcionais aos dias estagiados. Confira a listagem de vagas:

Brasília – 18 vagas e cadastro reserva

» Nível superior

Curso Quantidade de vagas Requisito
Administração 4 vagas + cadastro reserva Ter cursado no mínimo 50% das disciplinas do curso e não estar no último semestre
Audiovisual cadastro reserva
Ciência da Computação
Sistemas de Informação
Análise e Desenv. de Sistemas
Engenharia da Computação
Gestão em Tecnologia da Informação
2 + cadastro reserva
Ciências Contábeis 3 + cadastro reserva
Jornalismo 7 + cadastro reserva
Publicidade 1 + cadastro reserva

» Nível técnico

Curso Vagas Requisito
Técnico em eletrônica 1 + cadastro reserva Ter cursado no mínimo 50% das disciplinas do curso e não estar no último semestre

Rio de Janeiro – 4 vagas e cadastro reserva

» Nível superior

Curso Quantidade de vagas Requisito
Jornalismo  3 vagas + cadastro reserva Ter cursado no mínimo 50% das disciplinas do curso e não estar no último semestre
Publicidade 1 vaga + cadastro reserva

São Paulo – 1 vaga e cadastro reserva

» Nível superior

Curso Quantidade de vagas Requisito
Jornalismo cadastro reserva Ter cursado no mínimo 50% das disciplinas do curso e não estar no último semestre

Tabatinga – 2 vagas e cadastro reserva

» Nível técnico

Curso Vagas Requisito
Administração 2 vagas + cadastro reserva Ter cursado no mínimo 50% das disciplinas do curso e não estar no último semestre

Edição: Pedro Ivo de Oliveira

Fonte: EBC Geral

Comentários Facebook
Continue lendo

Nacional

UFRJ: soluções para mudança climática não estão à altura dos problemas

Publicado

 A pesquisa Mudanças Climáticas e Desenvolvimento Econômico: percepções da população da Região Metropolitana do Rio de Janeiro divulgada hoje (24), no campus da Praia Vermelha da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), revela a defasagem entre a gravidade do problema e o tipo de solução que as pessoas conseguem vislumbrar sobre os efeitos do aquecimento global em seu dia a dia.

A sondagem qualitativa foi feita pelo Laboratório Conexões do Clima, do Fórum de Ciência e Cultura da instituição, em março, e fez um diagnóstico sobre como as classes B e C percebem estes efeitos.

“Todo mundo vê que é um problema grave, que é um problema enorme, mas a solução é, ao mesmo tempo, ou abstrata ou individual. Não está à altura nem do tamanho nem da gravidade do problema”, disse à Agência Brasil a coordenadora do Fórum de Ciência e Cultura, Tatiana Roque. “O principal é isso: as pessoas veem o problema, mas não sabem qual é a solução”.

A pesquisa envolveu oito grupos focais, cada um com 8 a 10 pessoas, com idades entre 18 e 50 anos, das classes B e C. A partir daí, foram estabelecidas dinâmicas com debates de até duas horas de duração com cada grupo.

Desastres

Uma segunda conclusão importante é que uma das principais maneiras pelas quais o problema das mudanças climáticas chega às pessoas é por meio dos desastres ambientais, como as enchentes provocadas pelas chuvas em Petrópolis, região serrana do Rio de Janeiro; na Bahia e em Minas Gerais, além das queimadas.

“Isso as pessoas citaram como questão importante e recorrente que, em geral, elas enxergam como associadas às mudanças climáticas, sim. Embora isso seja um problema muito antigo, as pessoas sabem que está ficando mais frequente, mais recorrente e mais intenso com as mudanças climáticas. Só que elas não sabem o que fazer”.

Segundo a coordenadora, há percepção de que algo grave está acontecendo, com mais desastres, chuvas mais fortes e mais frequentes, e estações do ano mais indefinidas. “Apesar de não haver dentro desse grupo pesquisado uma formulação mais precisa sobre o tema, há uma percepção instintiva de que vivemos uma crise ambiental grave e que as consequências podem ser devastadoras”, explicou.

Perfil

A pesquisa reuniu oito grupos focais, cada um formado por oito a dez a pessoas com idades entre 18 e 50 anos, das classes B e C. A partir daí, foram estabelecidas dinâmicas com debates de até duas horas de duração com cada grupo. Tatiana Roque explicou que os grupos têm perfil bem parecido e, portanto, não houve distinções entre eles. “Escolhemos esse perfil porque são pessoas que, em geral, são mais fluidas, mudam de posição política, não têm uma posição política definida. A gente não queria pessoas identificadas com uma preferência política, para poder entender como pensam as pessoas do meio, as nem-nem”.

Na maioria, os entrevistados associam problemas, como as enchentes, ao problema dos resíduos, ou lixo, que a própria população joga nas ruas, rios e mares. “Elas associam as enchentes às mudanças climáticas também, sabem que isso vai ficar mais grave. Elas sabem que uma maneira de, pelo menos, resolver os efeitos disso seria cuidando do lixo, mas elas não veem mais esperança no Poder Público. Elas só veem como solução as ações individuais. Essa foi uma coisa bem surpreendente da pesquisa”.

Tatiana acrescentou que os entrevistados percebem também a desigualdade existente no tratamento ou enfrentamento do problema. Ou seja, se uma pessoa perde tudo, mas tem mais condições, ela vai poder comprar tudo de novo. As pessoas mais pobres, não podem. O problema afeta diferentemente as pessoas mais pobres e aquelas com mais condições financeiras.

A conclusão da pesquisa é que “é preciso territorializar o debate climático e ambiental, aterrissar as questões, torná-las mais palpáveis e relacionadas com os problemas quotidianos e com o modelo econômico, que não é visto como relacionado às questões ambientais e climática. Essas ainda têm algo de etéreo e abstrato diante de urgências cotidianas”, disse Tatiana.

Conscientização

A pesquisa do Laboratório Conexões do Clima vai mostrar como os pesquisadores da UFRJ que trabalham sobre esse tema das mudanças do clima podem ajudar na conscientização da população sobre a necessidade e a urgência de enfrentar esse problema. Tatiana Roque disse que, a partir daí, vão delinear ações que possam ser feitos a partir da universidade, especialmente aquelas relativas à educação ambiental visando aumentar a possibilidade de engajamento das pessoas para enfrentar essa questão.

O Fórum de Ciência já está fazendo um curso para jovens sobre mudanças do clima em vários territórios do estado do Rio de Janeiro e o núcleo da capital pretende realizar no dia 11 de junho uma mobilização sobre a questão da despoluição da Baía de Guanabara, que também foi um tema muito citado na pesquisa. Esse é um caso que evidencia a má educação do povo que joga lixo e polui, por um lado; e a ineficiência das políticas públicas, por outro.

Além disso, o Laboratório de Conexões do Clima vai efetuar ações na Semana do Meio Ambiente, no período e 6 a 14 de junho, em alusão ao Dia Internacional do Meio Ambiente, que se comemora no dia 5 daquele mês. A programação ainda está sendo elaborada, mas já estão previstas iniciativas no Museu Nacional e palestras e debates pina própria UFRJ.

Edição: Maria Claudia

Fonte: EBC Geral

Comentários Facebook
Continue lendo

Nacional

IBGE faz concurso para contratar agentes para censo deste ano

Publicado

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) abriu hoje (24) processo seletivo para contratação temporária de 133 profissionais que trabalharão no Censo 2022. As vagas são para agente censitário de administração e informática, distribuídas em 114 municípios de 14 estados.

Para se inscrever, é preciso ter ensino médio completo. O valor mensal da remuneração é de R$ 1.700, com direito a auxílio-alimentação e auxílio-transporte. A jornada de trabalho é 40 horas semanais, sendo oito horas diárias. A contratação tem duração de até cinco meses, podendo ser prorrogada.

As inscrições podem ser feitas pelo site do IBGE até o dia 31 deste mês. Não será cobrada taxa de inscrição.

O processo seletivo consiste na análise da titulação acadêmica dos candidatos. Das 133 vagas, 14 são reservadas para pessoas pretas ou pardas e três, para pessoas com deficiência.

Mais informações sobre o processo seletivo simplificado podem ser encontradas no portal do IBGE.

*Estagiária sob supervisão de Mario Toledo

Edição: Nádia Franco

Fonte: EBC Geral

Comentários Facebook
Continue lendo

Nova Xavantina

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana