conecte-se conosco


Saúde

Covid-19: médica da USP desenvolve máscara caseira de R$ 1

Publicado


source

A médica Lilian Arai, diretora do HackMed, mostrou hoje em postagem no Instagram o passo a passo de uma máscara caseira, para proteger contra a o Covid-19, ao custo de R$ 1. O projeto é do Departamento de Gastroenterologia da Faculdade de Medicina da USP.

Brasil tem 299 mortes e 7.910 casos confirmados de Covid-19

O acessório é feito a partir com uma tiara de plástico e uma folha A4 de acetato. O equipamento pode ser utilizado por “profissionais de saúde e pessoas que precisam de mais proteção, como caixas de mercado ou quem ainda tem que trabalhar na rua durante a pandemia de covid-19”.

Na quarta (1º), o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, disse que se as medidas de isolamento social forem relaxadas neste momento há o risco de desabastecimento de equipamentos de proteção individual utilizados pelos profissionais de saúde, como máscaras e aventais.

“Se nós não fizermos retenção de dinâmica social, se nós nos aglomerarmos, se nós fizermos movimentos bruscos e relaxarmos nesse grau de contágio, sim, você pode ficar com uma série de problemas de equipamentos de proteção individual, porque nós não estamos conseguindo adquirir de forma regular o nosso estoque”, disse Mandetta.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
publicidade

Saúde

Compra errada de respiradores gerou rompimento de contrato com Iabas, diz Witzel

Publicado


source

Agência Brasil

Witzl
Antonio Cruz/Agência Brasil

“Não podemos continuar com erros, eles precisam ser corrigidos”, diz Witzel

O governador do Rio, Wilson Witzel, alegou a compra errada de respiradores para pacientes de Covid-19 para romper o contrato com organização social Iabas – Instituto de Atenção Básica e Avançada à Saúde, responsável pela construção de sete hospitais de campanha.

Em vídeo publicado na internet nesta quarta-feira (3), Witzel sustentou que sua decisão de romper o contrato e intervir nos hospitais foi tomada após a informação de que os 500 aparelhos que a organização está comprando não são respiradores, mas carrinhos de anestesia, que não podem ser utilizados nas unidades de saúde.

Derrota: Assembleia do Rio derruba 17 dos 18 vetos de Witzel

“Não podemos continuar com erros, eles precisam ser corrigidos. A Fundação Estadual de Saúde assume [os hospitais] para concluir as obras, operar o sistema e deixar um legado. Esses hospitais de campanha serão muito importantes para a reabertura da economia, para gerar empregos e, principalmente, para ajudar no futuro com cirurgias eletivas”, disse o governador.

O Iabas se manifestou, em nota, dizendo que a Secretaria de Estado de Saúde (SES) tinha conhecimento das aquisições contratadas, inclusive dos respiradores acoplados a carrinhos de anestesia. Segundo a entidade, o equipamento é recomendado pela Associação Médica Brasileira como alternativa para tratar pacientes de covid-19, diante da escassez de respiradores no mercado mundial.

Rio de Janeiro tem 5.686 óbitos e 56.732 casos de Covid-19

“O Iabas informa que, desde o início das negociações para compra dos carrinhos de anestesia em substituição aos respiradores, a Secretaria de Saúde do Rio de Janeiro sempre esteve informada. É consenso internacional a utilização de carrinhos de anestesia como ventiladores, principalmente no momento atual, em que sistemas de saúde do mundo inteiro estão em busca desses equipamentos, o que leva à escassez do produto”, afirmou a empresa.

Medidas judiciais

Diante do rompimento de contrato e a retomada pelo governo estadual de sete hospitais, o Iabas disse que tomará medidas judiciais para assegurar os seus direitos: “Diante do decreto de intervenção, cabe ao Iabas, em primeiro lugar, colaborar na transferência dos hospitais para o novo gestor, para, na sequência, tomar as medidas judiciais necessárias para assegurar os direitos de nossa instituição.”

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Continue lendo

Saúde

Após grande testagem, Wuhan registra apenas casos assintomáticos de Covid-19

Publicado


source
Covid-19
undefined

Cidade iniciou, em maio, o plano de testar 100% dos habitantes

Considerada o “marco zero” da pandemia de Covid-19 , a cidade de Wuhan realizou mais uma teste em massa que observou a maioria dos seus 11 milhões de habitantes. O resultado não apontou novos casos da doença, mas chamou atenção para 300 casos assintomáticos .

Leia mais: Após ser considerado vilão, ibuprofeno é testado para tratar Covid-19

Apesar do risco de transmissao ainda existir, o resultado é considerado otimista e os pacientes assintomáticos foram considerados “não-infecciosos”por não haver registro do vírus em seus objetos pessoais utilizados recentemente, como telefones celulares e acessórios.

De acordo com as autoridades do município, 9,9 milhões de habitantes foram testados em Wuhan após o registro de novos casos sugerir o nascimento de uma segunda onda da epidemia. A capanha foi iniciada no dia 14 de maio e o último cidadão testado em 1º de junho.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Continue lendo

Saúde

Após ser considerado vilão, ibuprofeno é testado para tratar Covid-19

Publicado


source
ibuprofeno
Pixabay/Creative Commons

Cientistas consideram o uso do ibuprofeno para tratar Covid-19

Em Londres, um grupo de cientistas iniciou uma série de testes para descobrir se o ibuprofeno – antiinflamatório inicialmente desaconselhado pela Organização Mundial de Saúde em casos de Covid-19 – surte efeitos positivos em casos graves da doença causada pelo novo coronavírus (Sars-CoV-2). A expectativa é que o medicamento possa ser usado contra problemas respiratórios.

Caso os resultados sejam positivos, a notícia representa um avanço no tratamento da doença considerando, principalmente, o fato de o ibuprofeno ser comercializado em todo o mundo a um preço mais baixo do que muitas outras opções de tratamento. Até agora, estudos em animais mostraram resultados otimistas.

Leia mais: Após pesquisa bem-sucedida, Coreia do Sul usará Remdesivir contra Covid-19

A pesquisa estuda a relação entre o medicamento a síndrome inflamatória que pode acompanhar a infecção por Covid-19 e contribuir para a rápida piora dos pacientes. Os testes, porém, ainda não foram feitos em seres humanos. 

O grupo que coordena os estudos é liderado pela NHS Fundation e Kings College of London, mesmos profissionais que provaram, há alguns meses, que o antiinflamatório não causa efeitos adversos em pacientes com a nova doença.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Continue lendo

Nova Xavantina

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana