conecte-se conosco


Mato Grosso

Cultivo de banana da terra em sistema adensado pode obter aumento de até 75% na produtividade

Publicado


.

No município de Acorizal (62 km ao Norte de Cuiabá), foi implantada uma Unidade de Referência Tecnológica (URT) para avaliar o desenvolvimento da cultura da banana da terra. A cultivar analisada foi a Farta Velhaco, no sistema irrigado e plantio adensado. O experimento foi montado na Comunidade Guanandi, no Sítio Cantinho do Céu, do produtor rural Ernesto Teobaldo de Assis Filho (56), em uma área de meio hectare (cinco mil metros quadrados). A previsão é colher 7 mil quilos de banana da terra, que serão comercializados na região, podendo gerar uma renda de até R$ 22.750.

A Unidade é mantida pelo agricultor Pedro Paulo Teobaldo Ribeiro, de 17 anos, que trabalha com seu pai, Ernesto. Pedro explica que em uma área de 14 hectares eles possuem plantio de limão, quiabo, melancia, milho e criação de gado de corte. Em abril de 2019 implantaram a URT com o auxílio técnico da Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer) e apoio financeiro da Cooperativa de Crédito Sicredi.

Conforme Pedro, o custo de implantação da Unidade foi de R$ 2.500, com aquisição de mudas, adubo e calcário. A mão-de-obra é realizada pelos agricultores, que esperam ter um lucro líquido de R$ 17.500 com a venda da banana da terra. A colheita já começou, e foram comercializadas 50 caixas de 20 quilos por R$ 65,00 a caixa, dando um retorno de R$ 3.250. A previsão é comercializar 350 caixas até o mês de julho.

A previsão é comercializar 350 caixas de banana da terra até o mês de julho.

O técnico agropecuário da Empaer, Carlos Reis, explica que o agricultor Pedro buscou informações sobre o plantio adensado no site da Empaer e consultou os técnicos da empresa sobre a viabilidade da implantação do sistema em sua propriedade. A diferença do sistema convencional é o espaçamento entre as plantas. Enquanto o convencional utiliza o cultivo com três metros de espaçamento e 1.111 plantas por hectare, o adensado usa o espaçamento de dois metros e 2.400 plantas por hectare. “O cultivo possibilita a mesma quantidade de planta na metade de uma área. Em um hectare seria usado 1.100 mudas”, explica.

Carlos comenta que se fosse optado pelo sistema convencional, o plantio seria de até 550 mudas de banana numa área de meio hectare, alcançando uma produção de no máximo quatro mil quilos. Na mesma área foi plantado o dobro de mudas e a previsão é colher sete mil quilos. Os dados são parciais, a colheita está sendo realizada e a expectativa de ganho com esse sistema de plantio adensado prevê um aumento de R$ 9.750, ou seja, de 75% em comparação com o convencional.

No sistema de plantio adensado são retirados os perfilhos (filha e neta) da bananeira, ou seja, após o fim do ciclo produtivo se faz o corte das plantas e um replantio. Todo o plantio é irrigado por gravidade e gotejamento, sendo utilizados cerca de 10 mil litros de água por dia. “Uma das nossas missões também é auxiliar os agricultores no uso de defensivos agrícolas. Nesse plantio de banana não foi utilizado nenhum tipo de defensivo químico, só usaremos em último caso”, destaca.

O sistema de plantio adensado usa o espaçamento de dois metros e 2.400 plantas por hectare.

O pesquisador da Empaer, Humberto Marcílio, fala que a recomendação do plantio adensado para a agricultura familiar é uma estratégia para aumentar a produtividade, além de melhorar o aproveitamento da mão-de-obra e de insumos, e reduzir custos com controle de plantas invasoras.

Segundo Marcílio, para a utilização do plantio adensado é necessário que as condições do solo sejam favoráveis (textura mista, profundo, bom teor de matéria orgânica e bem drenado) e que sejam aplicadas práticas culturais de correção do solo e adubação. Ele destaca que é importante seguir as recomendações para a cultura e viabilizar a instalação de sistema de irrigação. “O adensamento promove maior competição entre as plantas por fatores de crescimento, como água, luz e nutrientes”, adverte.

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook
publicidade

Mato Grosso

Sábado (04): Mato Grosso registra 20.333 casos e 786 óbitos por Covid-19

Publicado


.

A Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT) notificou, até a tarde deste sábado (04.07), 20.333 casos confirmados da Covid-19 em Mato Grosso, sendo registrados 786 óbitos em decorrência do coronavírus no Estado.

As 45 mortes mais recentes envolveram residentes de Cuiabá, Barão de Melgaço, Várzea Grande, Rondonópolis, Nova Olímpia, Sorriso, Cáceres, Belém (PA), Parauapebas (MA), Novo Progresso (PA), Sinop, Itaúba, Dom Aquino, Campo Verde, Querência, Pontes e Lacerda, Barra do Garças, Sapezal, Pedra Preta e Lucas do Rio Verde.

Dentre os 20 municípios com maior número de casos de Covid-19, estão Cuiabá (4.755), Várzea Grande (1.533), Rondonópolis (1.413), Sorriso (905), Lucas do Rio Verde (861),  Primavera do Leste (773), Tangará da Serra (722), Sinop (547), Nova Mutum (502), Pontes e Lacerda (474), Campo Verde (400), Cáceres (362), Confresa (331), Barra do Garças (268), Colíder (252), Sapezal (250), Campo Novo do Parecis (248), Querência (239), Matupá (223) e Peixoto de Azevedo (208).

A lista detalhada com todas as cidades que já registraram casos da Covid-19 em Mato Grosso pode ser acessada no Boletim anexado ao final desta matéria.

Nas últimas 24 horas, surgiram 797 novas confirmações no Estado. A área técnica  esclareceu ainda que foram corrigidas quatro ocorrências de duplicidade no sistema. Além disso, um caso anteriormente notificado em Sinop foi reposicionado para Cuiabá; e outro de Rondonópolis foi corrigido para Sapezal. As mudanças consideraram o município de residência dos pacientes.

Dos 20.333 casos confirmados da Covid-19 em Mato Grosso, 10.661 estão em isolamento domiciliar e 8.133 estão recuperados. Entre casos confirmados, suspeitos e descartados para a Covid-19, há 226 internações em UTI e 327 em enfermaria. Isto é, a taxa de ocupação está em 94,2% para UTIs e em 48% para enfermarias.

Considerando o número total de casos em Mato Grosso, 51,1% dos diagnosticados são do sexo feminino e 48,9% masculino; além disso, 5.462 pacientes têm faixa-etária entre 31 a 40 anos. O documento ainda aponta que um total de 22.727 amostras já foram avaliadas pelo Laboratório Central do Estado (Lacen-MT) e que, atualmente, restam 1.486 amostras em análise laboratorial.

Os pacientes são devidamente acompanhados pelas equipes de Vigilância Epidemiológica do Estado e dos municípios. Mais informações estão detalhadas na Nota Informativa divulgada diariamente pela SES disponível neste link, a partir das 17h.

Cenário nacional

Neste sábado (04), o Governo Federal confirmou 1.577.004 casos da Covid-19 no Brasil e 64.265 óbitos oriundos da doença. No levantamento do dia anterior, o país contabilizava 63.174 óbitos e 1.539.081 casos confirmados de pessoas infectadas pelo coronavírus.

Recomendações

Atualmente, não existe vacina para prevenir a infecção pelo novo coronavírus. A melhor maneira de prevenir a infecção é evitar ser exposto ao vírus. Os sites da SES e do Ministério da Saúde dispõem de informações oficiais acerca do novo coronavírus. A orientação é de que não sejam divulgadas informações inverídicas, pois as notícias falsas causam pânico e atrapalham a condução dos trabalhos pelos serviços de saúde.

O Ministério da Saúde orienta os cuidados básicos para reduzir o risco geral de contrair ou transmitir infecções respiratórias agudas, incluindo o novo coronavírus. Entre as medidas estão:

– Lavar as mãos frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos. Se não houver água e sabão, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool;

– Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas;

– Evitar contato próximo com pessoas doentes. Ficar em casa quando estiver doente;

– Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo;

– Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com frequência.

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook
Continue lendo

Mato Grosso

Sete municípios de MT movimentam R$ 9,7 bilhões no agronegócio; Estado investe em obras

Publicado


.

Sete municípios mato-grossenses (Campo Verde, Campo Novo do Parecis, Juruena, Matupá, Nova Mutum, São José do Povo e Tapurah), cuja população total soma 174.978 habitantes, comemoram aniversário neste sábado, 04 de julho. O governo investe somente nesses municípios R$ 65 milhões em obras de infraestrutura e já repassou pelo menos R$ 110 milhões para saúde, assistência social, transporte escolar, e recursos provenientes de ICMS, Fethab e IPVA desde 2019.

Localizados em diferentes regiões do Estado, quase todos se destacam pela produção agropecuária e pelo peso do setor de serviço na composição do PIB (Produto Interno Bruto), num total de R$ 9,756 bilhões em 2017, segundo o IBGE. Com exceção de São José do Povo, fundado em 1989, os demais completam 32 anos.

Campo Verde, Campo Novo do Parecis, Nova Mutum e Tapurah, com uma produção total de 849,27 mil toneladas de algodão em 2017, avaliadas em R$ 2,214 bilhões, estão entre os maiores produtores do Estado e do país. Campo Verde e Campo Novo ocupam, respectivamente, a segunda e terceira posições no Estado e terceiro e quarto lugar no ranking nacional.

Fardos de algodão em Campo Verde 

Com o milho, a situação se repete. São 3,87 milhões de toneladas, avaliadas em R$ 1,4 bilhão, colhidas em cinco dos sete municípios aniversariantes. Nova Mutum, com 1,39 milhão de toneladas, ocupa as segundas posições mato-grossense e brasileira, enquanto Campo Novo do Parecis, com 1,34 milhão de toneladas fica uma posição abaixo.

O quadro é o mesmo, quando se trata de soja. Foram 5,86 milhões de toneladas, em 2017, avaliadas em R$ 4,013 bilhões. Novamente, Nova Mutum e Campo Novo do Parecis se destacam. Ocupam, respectivamente, a segunda e terceira posição no ranking dos maiores produtores estaduais e quarto e quinto no ranking nacional.

Campo Verde, Nova Mutum e Tapurah estão entre os primeiros do Estado na criação de galináceos, com um rebanho total de 21,27 milhões de cabeças e produção de 44,49 milhões de dúzias de ovos, por um plantel de 2,45 milhões de galinhas.

Vista aérea de Nova Mutum 

Com relação ao rebanho suíno, Tapurah, primeiro no ranking estadual e quinto no nacional, e Nova Mutum (quarto no ranking estadual) respondem pela criação de 715,29 mil cabeças, das quais 84,23 mil matrizes.

Campo Novo do Parecis ainda se destaca por ocupar o primeiro lugar do ranking nacional da produção de girassol, com 45,36 mil toneladas, avaliadas em 52,9 milhões, e pela quarta posição estadual na produção de cana-de-açúcar, com 2,88 milhões de toneladas, avaliadas em R$ 195,39 milhões.

  Girassol em Campo Novo do Parecis 

Presença do Governo do Estado

Por meio de obras, de infraestrutura especialmente, e repasses de recursos financeiros, o Governo de Estado cumpre seu papel de parceiro dos municípios.

Neste ano de 2020 (até maio) repassou, aos sete municípios aniversariantes deste dia 04 de julho, R$ 92,526 milhões em ICMS, IPVA e Fethab. Além de R$ 17,341 milhões sem Assistência Social, Transporte Escolar e Saúde entre 2019 e 2020.

Executadas diretamente pela Sinfra (Secretaria de Estado de Infraestrutura e Logística) ou em parceria com as prefeituras, o Governo Estado está investindo mais de R$ 65 milhões em pavimentação, manutenção de rodovias e pontes. São mais de 330 km de rodovias e 30 pontes em obras.

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook
Continue lendo

Mato Grosso

Diretora de escola em Cuiabá morre vítima da Covid -19

Publicado


.

É com pesar que a Secretaria de Estado de Educação (Seduc) comunica o falecimento de Adalgiza Pereira Pedroso, diretora da Escola Estadual Rodolfo Augusto Trechaud e Curvo, localizada no Residencial Paiaguás, em Cuiabá. Adalgiza faleceu na manhã deste sábado (04.07) vítima da Covid-19. Ela estava internada há 15 dias em um hospital particular de Cuiabá.

Adalgiza Pereira também atuou como coordenadora, bibliotecária e suporte na Escola Rodolfo Augusto. Foi também coordenadora na Escola André Avelino Ribeiro e atuou na escola Ulisses Cuiabano, em Cuiabá.

“Estamos desolados com essa notícia, mais uma profissional da educação que perdemos para a Covid-19. Adalgiza era uma grande profissional, sempre empenhada e dedica a fazer o melhor pela educação do nosso Estado”, lamentou a Secretária de Estado de Educação, Marioneide Kliemaschewsk.  

Adalgiza Pereira perdeu a mãe, Belarmina Pereira Pedroso, na semana passada, também vítima do coronavírus.

A Seduc se solidariza com a família, amigos e toda a comunidade escolar neste momento de dor e tristeza. Que Deus alivie o sofrimento e leve conforto e paz ao coração de todos.

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook
Continue lendo

Nova Xavantina

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana