conecte-se conosco


Economia

Feirão para limpar o nome do Serasa oferece descontos de até 98%

Publicado

dinheiro arrow-options
Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Segundo estudo desenvolvido pela Serasa Experian, em setembro de 2019, o número de consumidores inadimplentes no país chegou a 63.2 milhões

O Feirão Limpa Nome do Serasa Consumidor foi prorrogado na internet até o dia 15 de dezembro. Os interessados em pagar dívidas em atraso — aproveitando recursos do 13º salário ou do saque imediato de R$ 500 por conta de FGTS — podem acessar o site  do Serasa ou baixar o aplicativo. Os descontos podem chegar a 98%.

Desde que o feirão começou, no início de novembro, mais de um milhão de consumidores já negociaram seus débitos. Segundo a entidade, mais de 1,6 milhão de acordos fechados — crescimento de 200% em relação ao último evento —, permitindo aos consumidores economizar R$ 4,5 bilhões.

Ainda de acordo com a instituição, metade de todos os acordos feitos tiveram de 81% a 98% de abatimento no valor da dívida.

Segundo Lucas Lopes, gerente do Serasa Limpa Nome , 70% das dívidas foram pagas à vista durante o mês de novembro, o que revela a preferência do consumidor pelo desconto, em vez do prazo maior de pagamento.

As empresas participantes do feirão são: Santander, Itaú, Recovery, Ativos, NET, Claro, Embratel, Anhaguera, Credsystem, Ipanema, Unopar, Sky, Nextel, Banco BMG, Digio, Hoepers, Porto Seguro, Tricard, Oi, Zema, Unic, Fama, Pitágoras, Uniderp e Unime.

Para quem não pode acessar a internet, a Serasa ainda tem lojas para atender os consumidores em Porto Alegre, Curitiba, Rio de Janeiro, Brasília, Belo Horizonte, Campo Grande, Salvador, Fortaleza, São Luís, Goiânia, Manaus, Bauru, João Pessoa, Porto Velho, Natal, Cuiabá, Recife, Londrina, São José do Rio Preto, Belém, Florianópolis e Vitória.

Perfil dos inadimplentes

O total de inadimplentes no país chegou a 63,9 milhões de pessoas, em outubro deste ano, de acordo com um estudo feito pela Serasa Experian . Isso equivale a um crescimento de 4% em relação ao mesmo mês do ano passado, quando havia 61,7 milhões de pessoas com dívidas no Brasil.

O montante devido até outubro de 2019 foi de R$ 254 bilhões. A dívida média ficou em R$ 3.993, segundo a entidade.

No caso de quem está com o nome sujo , a maior concentração está na faixa etária de 26 e 40 anos (37,1% do total). Em segundo lugar, aparecem pessoas de 41 e 60 anos (34,1%).

A maior parte dos débitos diz respeito a cartão de crédito (28,4% do total). Em seguida, aparecem contas de consumo (energia elétrica, água e gás), com 20,2%; dívidas no varejo (12,7%) e serviços de telefonia (11%).

Comentários Facebook
publicidade

Economia

PIB deve cair 6,54% este ano, prevê mercado financeiro

Publicado


source
PIB
iStock

PIB deve ter queda de 6,54% em 2020


A previsão do mercado financeiro para a queda da economia brasileira este ano foi ajustada de 6,50% para 6,54%. A estimativa de recuo do Produto Interno Bruto ( PIB ) – a soma de todos os bens e serviços produzidos no país – está no boletim Focus, publicação divulgada todas as semanas pelo Banco Central (BC), com a projeção para os principais indicadores econômicos.

Leia também:

Economia brasileira vai despencar 9,1% em 2020 por conta da pandemia, estima FMI

PIB recuou 9,3% em abril, diz pesquisa da FGV

Para o próximo ano, a expectativa é de crescimento de 3,50%, a mesma previsão há cinco semanas. Em 2022 e 2023, o mercado financeiro continua a projetar expansão de 2,50% do PIB.

Inflação

As instituições financeiras consultadas pelo BC ajustaram a projeção para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo ( IPCA ) de 1,61% para 1,63%.

Para 2021, a estimativa de inflação permanece em 3%. A previsão para os anos seguintes – 2022 e 2023 – também não teve alterações: 3,50%.

A projeção para 2020 está abaixo da meta de inflação que deve ser perseguida pelo BC. A meta, definida pelo Conselho Monetário Nacional , é de 4% em 2020, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo. Ou seja, o limite inferior é 2,5% e o superior, 5,5%.

Para 2021, a meta é 3,75% e para 2022, 3,50%, também com intervalo de 1,5 ponto percentual em cada ano.

Selic

Para alcançar a meta de inflação, o Banco Central usa como principal instrumento a taxa básica de juros, a Selic , estabelecida atualmente em 2,25% ao ano pelo Comitê de Política Monetária ( Copom ).

Para o mercado financeiro, a expectativa é que a Selic encerre 2020 em 2% ao ano. Na semana passada, a previsão era 2,25% ao ano .

Para o fim de 2021, a expectativa é que a taxa básica chegue a 3% ao ano. Para o fim de 2022, a previsão é 5% ao ano e para o final de 2023, 6% ao ano.

Quando o Copom reduz a Selic , a tendência é que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, reduzindo o controle da inflação e estimulando a atividade econômica. Entretanto, os bancos consideram outros fatores na hora de definir os juros cobrados dos consumidores, como risco de inadimplência, lucro e despesas administrativas.

Quando o Copom aumenta a taxa básica de juros , o objetivo é conter a demanda aquecida, e isso causa reflexos nos preços porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança.

Dólar

A previsão para a cotação do dólar permanece em R$ 5,20, ao final deste ano. Para o fim de 2021, a expectativa é que a moeda americana fique em R$ 5.

Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Caixa paga 3ª parcela do auxílio nesta segunda; veja quem recebe

Publicado


source

Agência Brasil

auxílio
Divulgação

Terceira parcela do auxílio é paga nesta segunda-feira


Mais 1,9 milhão de beneficiários do Bolsa Família com Número de Identificação Social (NIS), final 9, recebem nesta segunda-feira (29) a terceira parcela do auxílio emergencial .

Leia também:

620 mil receberam auxílio emergencial sem ter direito, aponta TCU

Falha em cruzamento de dados libera auxílio emergencial a políticos milionários

Os integrantes do programa  começaram a receber a terceira parcela  no último dia 17. Os primeiros a receber foram os beneficiários com NIS final 1. E os últimos serão os beneficiários com NIS final 0, amanhã (30).

Os repasses de R$ 600 a R$ 1.200 obedecem ao calendário habitual do programa até 30 de junho.

O auxílio emergencial é parte das ações do governo federal para reduzir os impactos socioeconômicos causados pela pandemia de Covid-19.

Calendário de pagamento

Confira calendário de pagamento para beneficiários do Bolsa Família  de acordo com o último dígito do NIS:

  • 18 de junho – dígito 2
  • 19 de junho – dígito 3
  • 22 de junho – dígito 4
  • 23 de junho – dígito 5
  • 24 de junho – dígito 6
  • 25 de junho – dígito 7
  • 26 de junho – dígito 8
  • 29 de junho – dígito 9
  • 30 de junho – dígito 0

Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

620 mil receberam auxílio emergencial sem ter direito, aponta TCU

Publicado


source

Cerca de 620 mil pessoas, inclusive mortos, receberam auxílio emergencial de R$ 600 do governo federal sem ter direito. A informação é de um levantamento obtido com exclusividade pelo “Fantástico”, da Globo

auxílio emergencial Caixa
Divulgação

auxílio emergencial Caixa

De acordo com os dados, relacionados às ações de combate à  Covid-19 , feito pelo Tribunal de Contas da União, caso esses pagamentos indevidos não sejam interrompidos, podem gerar um prejuízo de mais R$ 1 bilhão aos cofres públicos.

O auxílio é destinado apenas para quem está enfrentando dificuldades financeiras durante a pandemia do novo coronavírus (Sars-coV-2), mas o relatório mostra que até milionários conseguiram receber o benefício.

Ao que parece, foram pagos R$ 35,8 bilhões para 50.228.253 milhões de beneficiários. “Nessas irregularidades, tem pessoas que receberam sem ter solicitado, então a irregularidade certamente será resolvida com o chamamento para devolução, e tem aquelas irregularidades que constituem fraudes”, explicou a procuradora da República, Zélia Luiza Pierdona, à Globo .

De acordo com o relatório, 235.572 empresários, que não são microempreendedores individuais, receberam o benefício irregularmente. Também foram pagos 15.850 auxílios para pessoas com renda acima do limite estabelecido pelo programa.

Por fim, segundo o TCU, 17.084 mortos sacaram o dinheiro. É o caso do José Carlos Líbano, morto por engano numa chacina há 4 anos, em Gravataí, na Região Metropolitana de Porto Alegre. A viúva allega que não sabe como a fraude no auxílio emergencial foi cometida.

Comentários Facebook
Continue lendo

Nova Xavantina

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana