conecte-se conosco


Saúde

Idosa perde 75% do pulmão mas vence o novo coronavírus no litoral de São Paulo

Publicado


source
Mão de idosa sob bengala
Pixabay/Sabine van Erp

Antes de ser contaminada pelo Sars-CoV-2, idosa vivia com apenas 25% do pulmão em funcionamento

Na segunda-feira, 14, Rosa Maria Soares Esteves, de 68 anos, recebeu alta de um hospital em Santos, no litoral paulista, após passar 3 meses internada para tratar a Covid-19. A idosa já enfrentou um câncer de mama, possui uma doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) e agora venceu o  novo coronavírus (Sars-CoV-2).

O diagnóstico positivo para a Covid-19 foi um choque para toda a família. De acordo com Carla Esteves Lourenço, de 38 anos, a mãe já enfrentava uma doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) há 15 anos, fazendo uso de oxigênio diariamente. Por essa razão e pela idade de Rosa, a filha sabia que o grau de dificuldade seria maior para a mãe. 

Segundo ela, os médicos foram sinceros sobre a gravidade do caso desde o início. Rosa Maria foi foi dada como uma paciente com poucas chances , ainda assim os familiares mantiveram as esperanças. “Eu pensei ‘vou continuar acreditando’, e falava para ela acreditar que iria sair dali”, disse a filha.

A alta de Rosa foi comemorada pela equipe médica e a família da paciente. “Ela é nossa guerreira. Antes [de se contaminar], os últimos exames mostravam que ela tinha apenas 25% do pulmão funcionando e já fazia uso de oxigênio”, afirmou Carla.

“Digo que ela é a Mulher-Maravilha por passar por tudo. [Minha mãe] já teve um câncer de mama, venceu, mesmo com a DPOC, conseguiu vencer a Covid , e está aí firme e forte”, comemora.

A idosa precisou sair do hospital de ambulância, ainda na maca, devido ao longo tempo de internação. Ela segue se recuperando em casa com o apoio da família.

Doença pulmonar obstrutiva crônica

Segundo o Ministério da Saúde, a DPOC é uma doença pulmonar que obstrui as vias aéreas, dificultando a respiração. Ela ainda não tem cura , mas os tratamentos disponíveis podem retardar a propagação da doença, controlando sintomas e reduzindo possíveis complicações. 

O principal sintoma é falta de ar em atividades que requerem esforço, até as mais corriqueiras. De acordo com a Organização Mundial de Saúde, há 210 milhões de pessoas em todo o mundo com a doença pulmonar obstrutiva crônica.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
publicidade

Saúde

Covid-19, gripe ou resfriado? Confira os sintomas

Publicado


source

BBC News Brasil

diferença sintomas
BBC

Aprenda a diferenciar os sintomas da gripe, Covid-19 e resfriado

Em meio à pandemia do coronavírus, muitas dúvidas permanecem sobre os sintomas da covid-19, que, na maioria dos casos, são semelhantes aos de uma gripe comum.

A doença que o vírus Sars-Cov-2 provoca, a covid-19, é uma infecção respiratória que começa com sintomas como febre e tosse seca e, ao fim de uma semana, pode provocar falta de ar.

Segundo especialistas, seus sintomas são parecidos aos da gripe, mas caso o paciente tenha dificuldade de respirar, precisa buscar ajuda médica “urgente”.
De acordo com uma análise da OMS baseada no estudo de cerca de 56 mil pacientes na China, 80% dos infectados desenvolvem sintomas leves (febre, tosse e, em alguns casos, pneumonia), 14% têm sintomas graves (dificuldade em respirar e falta de ar) e 6%, quadros críticos (insuficiência pulmonar, choque séptico, falência de órgãos e risco de morte).

Entre os sintomas apresentados pelos pacientes, os mais comuns são a febre (cerca de 88% dos casos), a tosse seca (quase 68%) e a fadiga (38%). A dificuldade de respirar aconteceu em quase 19% dos pacientes, enquanto sintomas como dor de garganta e dor de cabeça atingiram cerca de 13%. Já a diarreia foi um sintoma de apenas 4% das pessoas com o novo coronavírus.

No entanto, um levantamento com mais de 2 mil pacientes chineses publicado nesta semana na revista científica Pediatrics indica que os sintomas digestivos, como diarreia, vômitos e dores abdominais, apareciam com frequência em crianças infectadas pelo coronavírus.

Mas também é comum, sobretudo no inverno, apresentar tosse, febre, dores na garganta e na cabeça e sensação de fadiga por causa dos vírus da influenza, que provocam as gripes comuns.

De acordo com os especialistas, os sintomas devem ser monitorados e, caso permaneçam leves, podem ser tratados em casa.
No entanto, é preciso ter especial atenção a idosos e pessoas com baixa imunidade, mais vulneráveis ao novo coronavírus, e consultar um médico em caso de dúvidas.

“A gripe normalmente é a única que nos faz sentir dores musculares. E costuma durar entre três e cinco dias. Essas podem ser indicações de que se trata de um vírus comum”, disse à BBC News Brasil Heloisa Ravagnani, presidente da Sociedade de Infectologia do Distrito Federal em entrevista recente.

No caso do resfriado, os sintomas costumam ser ainda mais brandos e, em geral, apenas respiratórios — coriza, congestão nasal, tosse e dor de garganta, mas nem todos ocorrem ao mesmo tempo.

“Caso a pessoa esteja tossindo e tenha outros sintomas leves, não deve esquecer de usar máscara ao entrar em contato com outras pessoas e de higienizar bem as superfícies com as quais tiver contato. Ela pode não ter covid-19, mas, em um momento como esse, todo cuidado é bem-vindo”, acrescentou a infectologista.

Há também confusão sobre os sintomas da covid-19 e da rinite alérgica sazonal.
As síndromes respiratórias alérgicas, comuns em períodos como outono e primavera, podem provocar coriza e congestão nasal, comuns a gripes, resfriados e à covid-19. Mas são marcadas normalmente por espirros, e dificilmente provocam tosse ou febre, segundo especialistas.

Termômetro
BBC

Especialistas explicam diferença entre os sintomas

“O importante é que as pessoas, mesmo sofrendo de alergia, resfriado ou gripe comum, mantenham a etiqueta respiratória. Ou seja, mantenham distância de 1 metro de outros espirrando ou tossindo; ao tossir ou espirrar, utilizem o antebraço ou um lenço, que deve ser descartado; e lavem sempre as mãos após tossir ou espirrar, para evitar disseminar outros vírus no ambiente”, disse o infectologista da Fiocruz Recife Paulo Sergio Ramos, também em entrevista recente.

Seguir estas regras também é importante pelo fato de que, de acordo com o mais amplo estudo já feito até agora sobre o novo coronavírus, realizado pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças da China, 80% dos pacientes terão apenas sintomas leves. No entanto, há evidências científicas de que até mesmo uma pessoa sem sintomas pode transmitir o vírus.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Continue lendo

Saúde

Brasil se aproxima de 5 milhões de infectados após registar 33 mil casos em 24h

Publicado


source
Desde o início da pandemia, mais de 31 milhões pessoas foram infectadas em todo o mundo
Foto:jarun011/iStock

Desde o início da pandemia, mais de 31 milhões pessoas foram infectadas em todo o mundo

Nas últimas 24 horas, o Brasil registrou mais 836 mortes causadas pelo novo coronavírus (Sars-CoV-2), fazendo o total subir para 138.168 óbitos. Já o número de casos confirmados de contaminações chegou próximo de 5 milhões, com 4.591.604. Desse total, 33.536 casos só de ontem para hoje.

A contagem de casos realizada pelas Secretarias Estaduais de Saúde inclui pessoas sintomáticas ou assintomáticas; ou seja, neste último caso são pessoas que foram ou estão infectadas, mas não apresentaram sintomas da doença.

O ranking de número de mortes segue liderado pelo estado de São Paulo, que tem 34.266 óbitos causados pela Covid-19. O Rio de Janeiro continua em segundo lugar, com 17.798 mortes, seguido por Ceará (8.850), Pernambuco (8.055) e Minas Gerais (6.764).

Os estados que registram maior número de casos são: São Paulo (945.422), Bahia (297.805), Minas Gerais (273.233), Rio de Janeiro (253.756) e o Ceará (235.222).

Desde o início de junho, o Conass divulga os números da pandemia da Covid-19 por conta de uma confusão com os dados do Ministério da Saúde. As informações dos secretários de saúde servem como base para a tabela oficial do governo, mas são publicadas cerca de uma hora antes.

Desde o início da pandemia, mais de 31 milhões pessoas foram infectadas em todo o mundo. Do total de doentes, mais de 970 mil morreram, segundo a Universidade Johns Hopkins. O Brasil segue como o terceiro país do mundo em número de casos de Covid-19 e o segundo em mortes, atrás apenas dos Estados Unidos.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Continue lendo

Saúde

Falta de transparência dificulta monitoramento da pandemia em povos indígenas

Publicado


source
O cacique Raoni Metuktire em frente ao Congresso Nacional%2C em Brasília%2C
Foto: Laycer Tomaz / Câmara dos Deputados

O cacique Raoni Metuktire em frente ao Congresso Nacional, em Brasília,

Um estudo conduzido pela ONG Open Knowledge Brasil (OKBR) e divulgado pela Agência Bori nesta terça-feira alerta para um apagão nas estatísticas da Covid-19 entre povos indígenas no Brasil. Apenas 15% das capitais e 57% dos estados brasileiros divulgam dados da doença estratificados por etnias indígenas, prejudicando o monitoramento do novo coronavírus nestas populações.

O levantamento indicou, ainda, que um a cada quatro casos de Covid-19 e de Sindrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) não são identificados por raça ou cor, um requisito obrigatório desde 2017.

Para a diretora-executiva da OKBR, Fernanda Campagnucci, houve demora na melhora dos recortes qualitativos passados quase sete meses desde a chegada da Covid-19 ao país.

— Esse relatório mostra que o governo demorou mutio a agir quanto a qualidade dos dados. No caso dos povos indígenas e, mais amplamente a questão da raça/cor, esses dados ajudariam o governo a entender a extensão do impacto nessas populações mais vulneráveis — afirma Campagnucci. — Essa é uma política pública que já tínhamos avançados no Brasil por meio de uma portaria de 2017 definindo campos de preenchimento obrigatórios. O sistema do coronavírus não trazia esse item obrigatório.

Além de acompanhar a transparência dos sistemas estaduais, o estudo olhou para as bases e-SUS Notifica (casos leves de Covid-19) e o Sivep-Gripe (casos graves e SRAG). O último sequer disponibiliza a especificação de raça/cor e etnia, dificultando o cruzamento de dados entre as duas plataformas. Mesmo a notificação de SRAG encontra problemas, uma vez que 25% delas não indica as mesmas informações obrigatórias.

— Acreditamos que depois de seis meses ainda é inadmissível ter um quarto sem preenchimento. É o tipo de dado que você não vai recuperar depois, não será possível preencher um dado perdido — lamenta a diretora-executiva da OKBR. — É um caso muito emblemático de como os dados podem salvar vidas. Por que povos indígenas estão organizando o próprio monitoramento? Eles estão querendo entender exatamente como suas populações estão sendo afetadas. O dado é imprescindível. Da mesma forma que a sociedade precisa dessas informações, o governo precisa dekas para fazer gestão. Questionamos se o governo está cumprindo seu papel de protegê-los.

A Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib), por exemplo, calcula que 158 povos já foram atingidos pelo novo coronavírus. A entidade contabiliza 32.818 contágios e 821 mortes pela Covid-19.

Para Tiago Moreira, pesquisador do Programa de Monitoramento de Áreas Protegidas do Instituto Socioambiental, que não participou do estudo da OKBR, o problema na falta de transparência nos dados da saúde indígena são crônicos, mas se agravaram na pandemia.

— Os dados da Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai) não são inseridos dentro de uma plataforma comum como o Datasus. Dados sobre comorbidades, por exemplo, são muito difíceis de serem conseguidos. Muitas vezes são obtidos por lei de acesso à informação, mas mesmo quando são divulgados revelam certa precariedade — explica Moreira. — Com a Covid-19, vimos uma falta de transparência ainda maior. A transparência pública é fundamental, fortalece a democracia, a capacidade da sociedade civil de agir, e indica se o governo tem informações para responder com a velocidade necessária que a pandemia demanda.

Inconsistência

Ainda de acordo com o levantamento da OKBR, os índices de transparência quanto ao item raça/cor é ligeiramente melhor do que o detalhamento por etnia indígena, mas ainda deixa a desejar: 82% dos estados informam estes dados, mas apenas 44% das capitas o fazem. Os números são piores na Amazônia Legal, onde estão concentrados 62% das vítimas fatais identificadas como indígenas — 78% nos estados e 44% nas capitais da região.

Outro dado que chamou atenção da ONG é a disparidade entre números da Sesai, atrelada ao Ministério da Saúde, e a própria base do Sivep-Gripe. A secretaria contabiliza 426 mortes por Covid-19, enquanto a base de SRAG indica 529 mortes em todo o país, espalhadas por 183 municípios. A diferença se justifica pelos ccriterios do órgão da Saúde, que leva em conta apenas notificações de indígenas que vivem em terras homologadas, pontua Campagnucci:

— Outro problema identificado no levantamento é o desenho de política de atendimento às terras indígenas só se voltar para terras homologadas. Muitos deles estão em contexto urbano. Nesse caso, o atendimento da Sesai já não olha para essa população, e até mesmo terras que não são homologadas ficam de fora. Existe uma falta de diálogo de órgãos dentro do próprio governo.

Para Moreira, a diferenciação não faz sentido.

— Muitos indígenas vivem na cidade e também na terra indígena, e circulam em uma rede multilocal. São redes de solidariedade, onde as pessoas acionam a saúde para ter um serviço médico na cidade, estudar em uma escola, universidade, ter um amparo para receber os benefícios sociais para comprar itens necessários. (A dissociação dos dados) É uma oposição entre aldeia e cidade que não faz o menor sentido prático. E, em uma pandemia, você perde o controle da doença por achar que o vírus não chegou na aldeia, enquanto as pessoas estão circulando nessa rede — afirma o pesquisador do ISA. — Além disso, as populações que estão em terras não homologadas são as que estão em situação de maior vulnerabilidade. São território em conflito com invasores, e a questão de violência também é um problema de saúde pública.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Continue lendo

Nova Xavantina

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana