conecte-se conosco


Política MT

Mesa Diretora lamenta falecimento de Benedito Botelho, pai do presidente da AL

Publicado

Foto: ARQUIVO PESSOAL / ALMT

A Assembleia Legislativa vem a público expressar sentimento de pesar e prestar condolências à família do presidente da Casa de Leis, deputado Eduardo Botelho, pelo falecimento do seu  pai, senhor Benedito Caetano Botelho, na manhã desta sexta-feira (17).

Seo Chinhô, como era conhecido, era natural de Livramento, completou 95 anos em setembro, e tratava de câncer há três anos. Ele deixou nove filhos e viúva, senhora Leopoldina Fontes Maia.

O velório está previsto para acontecer nesta sexta-feira (17), a partir das 16 horas, na funerária Capelas Jardins – em Cuiabá.

Comentários Facebook
publicidade

Política MT

Deputado cobra investimentos a 24 escolas estaduais da região oeste

Publicado


Na escola de Cáceres, o deputado Dr. Gimenez verificou que uma das principais demandas é pela climatização

Foto: ROSE DOMINGUES

Reforma de banheiros e cozinha, reparos, pintura, construção de muro, aquisição de equipamentos e mobiliários, computadores, aparelhos de ar-condicionado e mesmo de transformadores para a adequação da rede elétrica. São inúmeras as demandas listadas por 24 escolas estaduais de oito municípios da região oeste de Mato Grosso.

O deputado estadual Dr. Gimenez (PV) explica que foram feitas, só nesta semana, 74 indicações com reivindicações de investimentos à Secretaria de Estado de Educação (Seduc). Na lista de necessidades, são identificados problemas recorrentes que atrapalham o rendimento escolar e geram insegurança a professores e alunos. 

“Temos que trabalhar com a premissa que educação é prioridade, por isso fiz esse trabalho de ir às escolas e com isso vou levar um documento pronto ao governo, mostrando quais são as principais deficiências e o que pode ser feito para melhorar. Buscamos acima de tudo ambientes adequados e atrativos, o que impactará positivamente nos nossos índices de desempenho escolar”.

Em Cáceres (210 km da capital), a diretora Gislaine Fernandes afirma que não tem como a Escola Estadual Senador Mario Motta continuar sem climatização devido às altas temperaturas do município e que geram desconforto e dificultam a concentração dos alunos. “Já tivemos casos de tonturas, diarreias e até mesmo desmaios por causa do calor, no período de seca, a situação fica mais grave”. Como a Escola Estadual Senador Mario Motta é muito quente, a diretora afirma que é desmaios e desmaios são frequentes entre os alunos

Foto: ROSE DOMINGUES

A unidade escolar possui atualmente 800 alunos do ensino fundamental e médio, distribuídos em 16 salas de aula. Com 40 anos de fundação, a escola recebeu poucas ações de investimento. No ano passado, foi feita a conclusão da reforma elétrica, porém a comunidade aguarda a climatização, com instalação de um posto de transformação e a aquisição de 21 aparelhos de ar-condicionado. 

Para Mirassol D’Oeste, as demandas são de melhorias para seis escolas; na Escola Estadual Padre José Anchieta, uma das exigências é a construção do muro e instalação de câmeras de segurança, propiciando mais segurança; também de reformas estruturais e nos banheiros, pintura, aquisição de armários, aparelhos de ar-condicionado, um laboratório de ciências e de uma área de convivência. 

Já na Escola Campos Widal, no mesmo município, foram identificadas as demandas de construção de uma quadra poliesportiva coberta, de mobiliários, principalmente para a cozinha, equipamentos e mobiliários para a sala de informática e recursos multifuncionais. Na Escola Benedito Cesário Cruz, os computadores estão defasados e precisam ser substituídos, também é urgente a reforma na cozinha e na despensa de alimentos, além de aquisição de um fogão industrial. 

“Tivemos um alto desempenho de estudantes das escolas da região oeste no Enem (Exame Nacional de Ensino Médio), porém, ao avaliar a estrutura dessas unidades, observamos que é muito deficitária, isso significa que a equipe de servidores tem feito um bom trabalho mesmo em condições insuficientes e até adversas. Como deputado, quero contribuir com a mudança dessa realidade”, acrescenta o parlamentar. Já na escola de Pontes e Lacerda, além da reforma dos banheiros, os alunos precisam de uma sala para atividades extras que hoje são realizadas em um barracão

Foto: ROSE DOMINGUES

Em Quatro Marcos, são sete escolas estaduais, que de modo geral exigem reparos e melhorias na cozinha, nos banheiros, no caso da Escola Estadual Deputado Bertoldo Freire, onde houve um aluno que passou em 1º lugar em Medicina na UFMT e que atualmente atende o projeto Escola Plena, é preciso construir vestiário masculino e feminino, ampliar a biblioteca, adquirir computadores para o laboratório de informática e ampliar e equipar o espaço do laboratório de ciências. 

Pontes e Lacerda possui cinco unidades escolares com demandas urgentes de reparos, na Escola Estadual Ceja 6 de Agosto, constam telhado, piso, paredes, instalações hidráulicas e rede elétrica que precisam de intervenção. Situação similar já foi denunciada pelo deputado Dr. Gimenez em relação à Escola Vale do Guaporé, onde o parlamentar verificou pessoalmente que um galpão sem estrutura e climatização tem sido utilizado para atendimento dos alunos do ensino fundamental. 

As mesmas situações acontecem nas escolas estaduais dos municípios de Porto Espiridião, Rio Branco, Lambari D’Oeste e Araputanga, onde é necessário, por exemplo, construir banheiros, lavatório, bebedouro, almoxarifado, auditório, sala de jogos e de convivência. Além disso, é fundamental fazer adequações para atender critérios de climatização das salas de aula, que nem todas receberam.  Mesmo sendo referência em aprovações no Enem, entre eles, o estudante Jaime Souza Lima Júnior para Medicina na UFMT, a escola de Quatro Marcos tem estrutura deficitária

Foto: ROSE DOMINGUES

O deputado encaminhará o documento com detalhamento das demandas à Seduc para providências. “Essa lista de prioridades ficou muito grande devido aos muitos anos sem a atenção devida do poder executivo, mas acredito na capacidade de investimento do atual governo, que vem demonstrando estar preocupado com a nossa região. Vou intermediar e acompanhar a resolução dos problemas, buscando uma nova Era para a educação de Mato Grosso”, disse o parlamentar. 

Fonte: ALMT

Comentários Facebook
Continue lendo

Política MT

“Onde foi aplicado o recurso do Fethab em Santo Antônio de Leverger?”, questiona João Batista

Publicado


Foto: FABLICIO RODRIGUES / ALMT

O deputado estadual João Batista (Pros) apresentou nesta semana, o Requerimento nº 40/2020, na Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT), solicitando informações detalhadas do governo do estado sobre os repasses por meio do Fundo Estadual de Transporte e Habitação (Fethab), destinado ao município de Santo Antônio de Leverger, no período de março/2019 a janeiro/2020.

De acordo com o parlamentar, os motivos primordiais que o levaram a cobrar informações sobre o recurso, foram as obras inacabadas no município, em vários setores importantes tais como: saúde, educação e a infraestrutura.

“A população quer saber onde foram aplicados os recursos do Fethab em Leverger? A falta de transparência nas ações da atual administração pública municipal tem causado certa estranheza para população. Alguns munícipes têm procurado o gabinete para pedir que envie ao governo, o pedido dessas informações. Não saber o destino do recurso tem gerado um enorme descontentamento no povo santo-antoniense”, afirmou.

O documento, que já teve aprovação pela Casa de Leis, foi encaminhado ao governador Mauro Mendes e também ao secretário-chefe da Casa Civil e ao secretário de Estado da Fazenda (Sefaz/MT). “Dessa forma, esperamos respostas que possam nos ajudar a tomar decisões junto aos poderes, para minimizar fatos graves que tem sido negligenciados pelo poder público”, conclui trecho da justificativa do requerimento.

Fonte: ALMT

Comentários Facebook
Continue lendo

Política MT

Problemas são maiores do que estão sendo mostrados, diz diretor da Ager sobre a Energisa

Publicado


Foto: ELIEL TENORIO PEREIRA

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Energisa, instaurada no dia 23 de outubro de 2019 na Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso, com prazo para conclusão em 180 dias, reiniciou os trabalhos de investigação ouvindo dois integrantes da diretoria da Agência Estadual de Regulação dos Serviços Públicos Delegados de Mato Grosso – Ager/MT. Na primeira oitiva, realizada na terça-feira (18/2) foram convocados para prestar esclarecimentos o diretor da Ager, José Rodrigues Rocha Junior e o coordenador, Thiago Alves Bernardes.

Durante a oitiva os servidores apresentaram slides com diversas informações que pesam contra a Energisa, entre elas estavam dados sobre os números de reclamações, valores de multas e irregularidades cometidas pela concessionária contra os consumidores e explicaram quais são as funções do órgão que tem como uma das suas atribuições fiscalizar a concessionária de distribuição elétrica no estado de Mato Grosso.

O diretor José Rodrigues informou que a Energisa registrou, no ano de 2019, 677.116 reclamações de consumidores. Dessas, 597.645 são referentes à falta de energia e 79.467 por outras razões. Entre elas estão variação de consumo, tensão de fornecimento, abuso no valor das contas e outras. “O problema é muito maior que os dados mostramos aqui”, disse o diretor, que ainda lamentou não ter pessoal suficiente para realizar os trabalhos de fiscalização. Mato Grosso possui mais de 90 subestações de energia.

Thiago Alves Bernardes informou que Energisa foi obrigada a creditar em 2019 mais de R$ 16 milhões nas  faturas dos consumidores, a título de compensação por suspensão indevida no fornecimento de energia e que a população de Mato Grosso ficou aproximadamente 20 horas sem energia, por unidade consumidora.

Na reunião, conduzida pelo presidente da CPI, deputado Elizeu Nascimento (DC), os servidores da Ager também apresentaram dados sobre as multas aplicadas contra a Energisa desde o ano de 2017, que já soma um valor de R$ 26 milhões, sendo R$ 14 milhões só no ano de 2019.

As principais irregularidades cometidas pela empresa Energisa, que acabaram resultando em multas, são cortes sem justificativa no fornecimento de energia, faturamento por estimativa sem previsão legal, erro em cálculos de cobranças, exigências desnecessárias de documentos para alteração da titularidade de contas e cortes no sábado, domingo ou feriados, proibidos por lei.

“Embasado nas informações que recebemos, algumas coisas já estão bem claras, a população está pagando encargos sociais que não deveriam pagar e a cada reunião que realizamos temos mais convicção que estamos no caminho certo e que a CPI para investigar a Energisa não terminará em pizza”, declarou o deputado Elizeu Nascimento.

A  Ager disponibiliza os números de telefone 0800-647.6464, ou (WhatsApp) 065- 98435-7458, para solicitar informações e registro de reclamações.  

Durante a reunião, que contou com a presença dos deputados Carlos Avalone (PSDB), Dr. Eugênio (PV), Paulo Araújo (PP) e Thiago Silva (MDB), além do presidente da CPI, foi definido que os próximos convocados para a próxima oitiva serão o presidente da Energisa, Riberto José Barbanera e os diretores da empresa, Alessandro Brum e José Souza e Silva.

Fonte: ALMT

Comentários Facebook
Continue lendo

Nova Xavantina

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana