conecte-se conosco


Nova Xavantina

MISSÃO CUMPRIDA: Professora da UNEMAT de Nova Xavantina se aposenta depois de 32 anos de trabalho

Publicado

A professora Beatriz Schwantes Marimon, da Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT) em Nova Xavantina, teve sua aposentadoria publicada no último dia 05/06 no Diário Oficial do Estado de Mato Grosso, depois de quase 33 anos dedicados ao ensino e à pesquisa, contribuindo com a ciência e com a formação de muitos outros pesquisadores e professores.

A professora tornou-se referência para toda a comunidade acadêmica devido a sua ampla atuação em atividades de ensino, ministrando disciplinas e orientando trabalhos de conclusão de cursos (monografias), bem como por sua imensa colaboração para a ciência com vários trabalhos de pesquisa e coordenação de projetos nacionais e internacionais. Tudo isso faz com que ela seja lembrada como parte do Câmpus de Nova Xavantina e de toda a UNEMAT.

Beatriz trabalhou no Curso de Ciências Biológicas do Câmpus da UNEMAT de Nova Xavantina desde o ingresso da primeira turma no ano de 1993. Ela graduou-se em Engenharia Florestal pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) em 1987. fez mestrado em Botânica pela Universidade de Brasília (UnB) em 1997, onde doutorou-se em Ecologia no ano de 2005. Possui pós-doutorado pela Universidade de Leeds, na Inglaterra, realizado entre 2012 e 2013.

A Doutora Beatriz Schwantes, “Bia” como sempre foi chamada pelos colegas e amigos, tem vasta experiência nas áreas de botânica e ecologia da vegetação e atuou durante sua produtiva carreira em florística, estrutura e dinâmica de cerrado, cerradão e florestas, ecologia de campos de murundus e pantanal. Muito atuante, ela participa ainda, como pesquisadora das redes RAINFOR e Global Ecosystems Monitoring, da Universidade de Oxford. além disso coordena, desde 2010, o projeto Transição Cerrado-Floresta Amazônica: bases ecológicas e socioambientais para a conservação (PELD-CNPq).

Reconhecimento

O biólogo David Munaro, graduado na primeira turma do curso de Ciências Biológicas do Câmpus de Nova Xavantina em 1996 e hoje diretor da Escola Estadual 20 de Março no município de Querência, destaca: “fui aluno da professora na graduação e na especialização. Me lembro perfeitamente das aulas da professora, uma profissional altamente comprometida, dedicada e sempre atenciosa com todos”. David é um dos tantos que tiveram suas vidas impactadas pela UNEMAT e que tiveram a oportunidade de aprender e conviver com a professora Beatriz durante a formação acadêmica.

Outra bióloga, a escritora Raquel Cantarelli, também se graduou na primeira turma e, assim como David Munaro têm boas lembranças da professora Beatriz. “A professora Beatriz é uma das pessoas mais fortes e determinadas que tive o prazer de conviver. Conheci sua dedicação à ciência e a implantação da UNEMAT em NX. Aposentada? Isso nunca! Corre sangue verde nas suas veias. Beatriz está só começando”. Diz, Raquel.

De certo modo ela está certa, pois a própria professora Beatriz escreveu em um grupo nas redes sociais após inúmeras parabenizações, “já entrei com o pedido para atuar como ‘Professora Sênior’…Vou continuar contribuindo. Podem contar comigo sempre”. E, com humor, exclama: “Se parar eu morro”.

Se os acadêmicos da primeira turma de Ciências Biológicas lembram-se com carinho e respeito da professora Beatriz mesmo depois de 30 anos, os acadêmicos de hoje, na graduação e na pós-graduação, ampliam esses sentimentos e enaltecem orgulhosamente as qualidades profissionais e humanas dessa incansável pesquisadora.

O biólogo Fernando Elias, que foi aluno da professora Beatriz na graduação e no mestrado e que há quase 11 anos trabalha com ela no laboratório de Ecologia Vegetal (LABEV), destaca seu papel de mentora e orientadora, dele e de tantos outros profissionais que tiveram essa oportunidade no interior do Estado de Mato Grosso. O doutor Fernando não esconde o entusiasmo ao falar da professora e relata: “me lembro do meu primeiro campo no Parque Estadual do Araguaia. Tudo era novo para mim e a professora Beatriz às vezes parava o trabalho para explicar coisas básicas…sempre com atenção e carinho…sempre disposta a ajudar”. Essa disposição em ajudar talvez seja a sua característica mais evidente entre a comunidade acadêmica, contracenando com sua brilhante atuação na pesquisa e na extensão universitária.

Halina Soares Jancoski, bióloga e doutora em Ecologia e Conservação pelo Programa de Pós-Graduação de Nova Xavantina, também reconhece o trabalho da professora Beatriz. Segundo Halina, a professora “veio ao mundo para ensinar e também está apta para aprender. É o tipo de professor que está aberto às inovações, as mudanças e ao futuro”. Emocionada, ela destaca a sensibilidade e a firmeza com que a professora desempenha o seu trabalho. “A professora Beatriz consegue enxergar as diferenças entre os acadêmicos, incentivando e motivando a criatividade de todos. Ela semeou boas sementes em cada um de nós e nos fez acreditar que o nosso trabalho é importante e que a nossa universidade do interior tem tudo para se tornar uma grande universidade”.

A doutora Simone Mathias Reis, colaborou com essa matéria fazendo um agradecimento emocionado em vídeo. Outros também enviaram vídeos. Que tiveram algumas partes transcritas. Mas é uma tarefa difícil transferir os sentimentos para as linhas de um texto, mesmo que este venha carregado de emoção. Já que esta matéria tem a intenção de homenagear alguém que admiramos.  Por isso, mesmo merecendo ser transcrito na totalidade, foram selecionados alguns trechos do depoimento de Simone, que durante toda a sua fala expressa profunda gratidão à professora Beatriz, com palavras ela nos conta como foi e é conviver com ela, aprender com ela e, sobretudo, o quanto ela transformou sua vida e de tantos outros estudantes de escolas públicas que, como Simone, puderam fazer doutorado no exterior, o que antes era apenas um sonho. Com os olhos, a doutora Simone diz muito mais. É um misto de reverência e admiração que deixam claro o quanto a “Bia” foi capaz de fazer a diferença. “Ela é um exemplo. Nunca parou, sempre buscando mais. E mesmo nessa correria toda que ela vive ela sempre encontra tempo para falar sobre ecologia. Basta alguém perguntar alguma coisa sobre ecologia que ela pára tudo e dá uma aula sobre o assunto, sempre com carinho e preocupação com todos…ela torce e vibra por cada conquista de seus alunos…ela incentiva todos a continuarem em frente…poderia ficar horas falando das qualidades da professora Beatriz….ela é uma mulher fascinante…nas Ciências ela é muito rígida e rigorosa…”. Diz Simone Reis no seu depoimento.

Para o professor Cesar Crispim Vilar, Diretor Político, Pedagógico e Financeiro do Câmpus (DPPF), “a liderança e a dedicação com que a professora Beatriz conduz o seu trabalho resultou em um legado muito importante para a UNEMAT, transformando a instituição, o Câmpus e o Município de Nova Xavantina.

Sem dúvida, a professora Beatriz gravou na seu nome na ciência e no Câmpus e ajudou a escrever a história da Universidade do Estado de Mato Grosso. Beatriz é casada com o também professor e pesquisador Ben Hur Marimom Júnior. Eles estão juntos há 32 anos e têm dois filhos e um neto, Rodrigo, Alessandra e o pequeno Rafael.

Por Rubens José Bedin

Comentários Facebook
publicidade

Nova Xavantina

Família busca por idoso desaparecido em Nova Xavantina

Publicado

A família do senhor Saturnino Mendes, conhecido como Paraguaio, o procura a mais de 30 anos.

Saturnino Mendes teria hoje aproximadamente 67 anos,  filho de Fernanda Martinez e Florentin Mendes. Em 1980 o então conhecido Paraguaio saiu da cidade de Santa Cruz do Xingu no Mato Grosso do Sul, deixando três filhos e esposa, para vir a trabalho no município de Nova Xavantina, desde então a família não obteve mais notícias.

Segundo informações Saturnino teria trabalhado no garimpo.

A família ainda mora em Mato Grosso do Sul e procura ansiosamente por informações do familiar .

Quem tiver informações sobre o senhor Saturnino Mendes deve entrar em contato através do telefone:

(66) 984523407 Valterí Araújo

(66) 999238005 Scarlat

Comentários Facebook
Continue lendo

Nova Xavantina

Polícia Civil de Nova Xavantina prende suspeito que usava cartão roubado para fazer compras

Publicado

A Polícia Judiciária Civil de Nova Xavantina prendeu um indivíduo responsável pelo arrombamento de uma chácara localizada no PA Santa Maria, na última quarta feira (01.07), o qual após o arrombamento da chácara e subtração do cartão de banco da vítima, efetuou algumas compras e saques em Agua Boa e Nova Xavantina, dando um prejuízo aproximado de R$ 1.000,00 para a vítima.

A vítima procurou a Delegacia de Água Boa noticiando um arrombamento de uma chácara no PA Santa Maria, onde o suspeito teria subtraído um cartão e estaria efetuando alguns saques e compras com o referido cartão, relatando ainda que teria encontrado com o suspeito quando retornava pra casa, pois o suspeito seria o filho de um vizinho.

Diante da informação repassada pelos Policiais de Água Boa, os investigadores saíram em diligencias pela cidade de Nova Xavantina, logrando êxito em localizar o suspeito ainda com o cartão de banco e a carteira da vítima escondidos em sua residência, razão pela qual lhe fora dado voz de prisão em flagrante pelo crime de furto qualificado.

Vale ressaltar que tal indivíduo já estava sendo procurado pelo furto de uma bicicleta ocorrido na frente da Intervia, onde inclusive circulou nas redes sociais a imagem do suspeito cometendo o furto.

Após passar pelos procedimentos de praxe, o suspeito foi encaminhado para o presídio Major Zuzi Alves da Silva na cidade de Água Boa, onde seguirá à disposição da Autoridade Judicial.

 

Polícia Civil de Nova Xavantina

Comentários Facebook
Continue lendo

Nova Xavantina

Polícia Militar de Nova Xavantina prende traficante com vigias e rádio comunicador

Publicado

A Polícia Militar de após diligências logrou êxito em desbaratar uma boca de fumo em Nova Xavantina, com a prisão de um traficante membro de facção.

Na ação, foram apreendidos dois menores que se associaram após serem aliciados pelo traficante para vigiar a boca de fumo, e realizar entrega de entorpecentes aos usuários.

Os “vigias” do tráfico utilizavam rádios comunicadores com o fulcro de controlar a entrada da viatura no bairro, fugindo assim, de uma iminente prisão. No local foram encontrados entorpecentes, eletrônicos, dinheiro trocado, rádios comunicadores e outros. Suspeito e menores apreendidos entregues à disposição da autoridade policial.

Material apreendido:

* 09 invólucros de substância análoga a maconha tipo Skank;
* 01 porção média de substância análoga a maconha tipo Skank;
* 02 rádios comunicadores;
* R$ 350,00;
* 01 relógio;
* 02 celulares;

Polícia Militar de Nova Xavantina

Comentários Facebook
Continue lendo

Nova Xavantina

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana