conecte-se conosco


Política Nacional

PF suspeita de vazamento em operação que mirou Zé Trovão e Sérgio Reis

Publicado

Sérgio Reis e Zé Trovão
Reprodução – 04.08.2022

Sérgio Reis e Zé Trovão

A Polícia Federal colheu indícios de que bolsonaristas acusados de ter organizado atos antidemocráticos durante as comemorações do 7 de setembro do ano passado souberam com antecedência que seriam alvos de uma operação. Um dos suspeitos, o ex-deputado Sérgio Reis apagou o aplicativo de troca de mensagens Whatsapp antes da ação. Outro, o ativista Juliano Martins previu o número de alvos que receberiam a visita da PF dias depois, além da identidade de alguns deles.

As suspeitas surgiram após a análise dos celulares apreendidos no dia 20 de agosto do ano passado, dia da operação com suspeita de vazamento. As informações constam em relatórios elaborados no inquérito sobre os atos antidemocráticos do 7 de setembro do ano passado, obtidos com exclusividade pelo GLOBO, e vêm a público no momento em que o presidente Jair Bolsonaro convoca apoiadores para novos atos previstos para o Dia da Independência deste ano.

Naquele dia 20 de agosto, a PF cumpriu mandados de busca e apreensão contra dez alvos, dentre eles Sérgio Reis e o líder caminhoneiro Marcos Antônio Pereira Gomes, o Zé Trovão. Cinco dias antes da ação, em 15 de agosto, o militante bolsonarista Juliano Martins, organizador dos atos do Dia da Independência, trocou mensagens com um interlocutor e escreveu que já tinha conhecimento de que dez integrantes do grupo, entre eles Sérgio Reis e Zé Trovão, seriam alvo de uma operação policial.

O diálogo foi extraído pela PF do celular de Martins. Na conversa, o interlocutor lhe pergunta a respeito de uma notícia sobre a convocação feita pelo cantor Sérgio Reis aos atos do 7 de setembro. “O que vc tem dito sobre isso?”, pergunta. Martins responde: “Q saiu o mandato dele. E do Zé Trovão”.

O interlocutor lhe corrige e pergunta se ele não estava se referindo a um “mandado”, em vez de “mandato”. Martins arremata e diz que se tratava de uma ordem para “prisão”. “Pra ele, Zé Trovão e mais 8”, escreveu o ativista.

A conversa continua, e Martins afirma que estavam tentando descobrir quais seriam os outros alvos e diz que não teve acesso a qualquer documento relacionado à operação. “Não mandaram pra nós, só informaram. (…) O pessoal tá vendo isso em Brasília”.

A informação repassada pelo bolsonarista era parcialmente verdadeira: de fato, a PF cumpriu mandados contra dez investigados, entre eles Zé Trovão e Sergio Reis, como previu Martins. Diferentemente do que ele afirmou, porém, não ocorreram prisões, mas, sim, buscas e apreensões em endereços ligados aos suspeitos.

No dia seguinte àquele diálogo, a subprocuradora-geral da República Lindôra Araújo requisitou ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes a expedição dos mandados. A ação foi autorizada por Moraes, em decisão proferida no dia 18 de agosto, e cumprida pela PF dois dias depois.

No relatório, a PF afirma: “Estranha-se o conteúdo dessa conversa. As mensagens são do dia 15/8/2021. Os mandados expedidos pelo Supremo Tribunal Federal foram cumpridos apenas no dia 20/8/2021”.

Mais adiante, o inquérito sobre os atos antidemocráticos deu origem a prisões, como a do líder caminhoneiro bolsonarista Zé Trovão, que acabou sendo liberado para o regime domiciliar no final do ano passado. A PF produziu relatórios sobre o material apreendido e ainda tenta rastrear as movimentações financeiras dos investigados. O material produzido até agora foi enviado à PGR, responsável por definir os rumos da investigação. Até o momento, não houve oferecimento de denúncia contra nenhum dos alvos.

Procurado, Martins nega que tenha recebido informações vazadas. Ele alega que, no diálogo que chamou a atenção da PF, compartilhou com seu interlocutor apenas uma “suspeita”, já que os personagens a que se referiu estavam organizando um movimento com críticas ao STF.

“A gente suspeitava que pudesse acontecer uma retaliação desse tipo, mas não que nós tivéssemos informação ou alguma coisa assim. Isso não existe. (…) A gente estava vendo tudo o que estava acontecendo, o pessoal sendo preso por ir contra o STF, então, numa conversa, a gente comentou que acreditava que podia acontecer com a gente também”, afirmou.

Aplicativo apagado

Além disso, na apreensão do telefone celular do cantor Sérgio Reis, a PF constatou que o aplicativo WhatsApp havia sido apagado pouco antes da operação. Os peritos extraíram arquivos de áudio transmitidos pelo aplicativo e uma imagem da tela do próprio WhatsApp, mas não encontraram o aplicativo no aparelho do cantor.

“Vale observar que o presente aparelho celular, a despeito de possuir registros de que em algum momento possuiu o aplicativo de mensagens WhatsApp instalado, não foi obtido acesso às mensagens na extração”, diz relatório da PF. Procurada, a defesa de Sérgio Reis disse que não iria se manifestar porque o caso tramita sob sigilo.

O GLOBO não identificou nenhum procedimento aberto para investigar as suspeitas de vazamento da operação, tanto por parte da PF quanto da PGR.

Novas convocações

O presidente Jair Bolsonaro voltou a pedir para seus apoiadores irem às ruas no 7 de setembro deste ano. Durante a convenção do PL que formalizou sua candidatura à reeleição, no final do mês passado, o chefe do Executivo atacou o Judiciário ao convocar os aliados.

“Vamos às ruas no dia 7 de setembro pela última vez. Esses pouco surdos de capa preta têm que entender o que é a voz do povo. Tem que entender que quem faz as leis é o Poder Legislativo e o Executivo. Todos têm que jogar dentro das quatro linhas da Constituição”, disse Bolsonaro.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Política

Comentários Facebook
publicidade

Política Nacional

Flow: Bolsonaro volta a defender remédios ineficazes contra a Covid-19

Publicado

Jair Bolsonaro sendo entrevistado no Flow Podcast
Reprodução

Jair Bolsonaro sendo entrevistado no Flow Podcast

Em entrevista ao podcast “Flow”, o  presidente Jair Bolsonaro (PL) disse que “o Brasil é o país com menos sofreu com a Covid-19” logo no início da conversa. Hoje, o país ultrapassa o número de 680 mil mortes por conta do coronavírus. O candidato à Presidência também questionou a imunização contra a doença e voltou a defender os medicamentos ineficazes.

O mandatário ainda admitiu ter recebido orientações para evitar o assunto para perder eleitores, mas disse não se importar e que prefere dizer “a verdade”, segundo ele.

Apesar da fala de Bolsonaro, pesquisas mostram a queda no número de mortes acompanham o avanço da vacinação. Ele ainda disse que preferiu não se vacinar contra a Covid-19, embora tenha imposto sigilo de cem anos em sua carteira de vacinação.

“O pessoal me recomenda: ‘não toque nesse assunto’. Poxa, eu tenho que valar a verdade para o pessoal. Não quer votar mais em mim, lamento, né, posso fazer o quê? Eu tenho que falar a verdade”, disse o presidente.

Enquanto Bolsonaro falava sobre a questão da pandemia durante a entrevista, o programa exibido pela plataforma Youtube, destacava na legenda: “Lembre-se de pesquisar tudo o que foi dito neste programa”.

“Eu não tomei vacina. Me recomendaram até a tomar uma água destilada. Eu não vou. Posso enganar a você, mas não vou enganar a mim. Influencia alguns (a não tomar a vacina). Não é que a minha palavra tá valendo, eles foram ler a bula”, disse.

Bolsonaro citou estudos de Israel que apontam a perda de eficácia da vacina da Pfizer. Entretanto, a aplicação da quarta dose para adultos acima de 40 anos, imunossuprimidos e profissionais de saúde quatro meses após a terceira dose, é recomendada pelo Ministério da Saúde.

Apesar das críticas, Bolsonaro disse que as doses de vacina contra o coronavírus seguirão sendo disponibilizadas:

“Tem gente que quer tomar a terceira, quarta dose. Sem problema nenhum, enquanto quiser tomar, vamos dar a vacina. Agora, respeite quem não quer tomar a vacina”, disse.

Ademais, o presidente  voltou a defender medicamentos comprovadamente ineficazes contra a Covid-19, como a hidroxicloroquina.

“Eu acho que deviam tomar. Eu tomei e fiquei bem, 90% tomaram e tão bem”.

Bolsonaro ainda diz que a “liberdade médica” foi cassada durante a pandemia.

“O meu ministro da saúde, o tal do Mandetta, ele fez um protocolo e quem tava com Covid ia pra casa e quando sentia falta de ar, ia para o hospital. Aí eu falei ‘ vai pro hospital fazer o que? Ser intubado?’. Por que você não garante a liberdade do médico de clinicar seu paciente? Porque o médico sabe disso. Se chega alguém que tá passando mal que pode morrer, ele pode receitar alguma coisa em comum acordo com o paciente ou com a família”.

O Chefe do Estado também comentou sobre a questão do contrato da Pfizer ter chegado no Brasil e ele não ter aceitado prontamente, questão tratada durante a CPI da Covid, onde foi divulgado que 101 e-mails com ofertas de venda e reforço da disponibilidade das doses foram ignorados pelo governo brasileiro, o que poderia ter adiantado o  início da vacinação no Brasil.

Bolsonaro justificou que a oferta chegou em maio de 2020 e não aceitou, pois, segundo ele, a farmacêutica não se responsabilizava pelos efeitos colaterais.

“Me acusam de não ter comprado vacina. Li o contrato da Pfizer e tava escrito: “Não nos responsabilizamos pelos efeitos colaterais”. Falei não, pô”.

Antes de estar disponível para o cidadão, qualquer vacina ou medicamento passa primeiramente pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). A agência avalia os estudos de eficácia da vacina, ou seja, quanto que ela funciona, e os estudos de segurança, isto é, as reações adversas, efeitos colaterais e problemas observados nas pessoas que se vacinaram. Ou seja, é verdade que as empresas não se responsabilizam pelos possíveis efeitos colaterais, mas ela dispõe de dados, resultados e acompanhamentos para que uma agência de saúde possa aprovar ou não um imunizante com segurança. Se aprovado, é porque a vacina tem sua segurança cientificamente comprovada.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Política

Comentários Facebook
Continue lendo

Política Nacional

‘Não estou interessado’, diz Bolsonaro sobre anistia após mandato

Publicado

Jair Bolsonaro sendo entrevistado no Flow Podcast
Reprodução

Jair Bolsonaro sendo entrevistado no Flow Podcast

O presidente  Jair Bolsonaro afirmou, em entrevista ao Flow Podcast, que não está interessado em qualquer tipo de imunidade caso não seja reeleito em 2022.

Integrantes do Centrão iniciaram uma ofensiva para emplacar uma Proposta de Emenda Constitucional visando criar o cargo de senador vitalício para Bolsonaro e outros ex-presidentes. A intenção seria que o atual titular do Palácio do Planalto tenha foro privilegiado, mesmo sem mandato.

“Vão falar que eu estou pedindo arrego. ‘Peidou na farofa’, no linguajar popular. Não estou interessado nisso. Não quero imunidade. Quero meu país democrático”, declarou o presidente da República.

Golpe civil e militar de 1964

Na entrevista, o chefe executivo voltou a minimizar a o golpe civil e militar que ocasionou a Ditatura que durou 20 anos no Brasil. Bolsonaro afirmou que O golpe foi dado pelo Congresso, e não pelos militares. 

“Quem cassou o João Goulart não foram os militares, foi o Congresso Nacional. O Congresso, em uma sessão de 2 de abril de 1964, cassou [o mandato de Goulart]. No dia 11, o Congresso votou no Marechal Castello Branco e no dia 15 ele assumiu”, enfatizou.

“Não houve um pé na porta, porque os golpes se dão com pé na porta, com fuzilamento, com paredão. Foi tudo de acordo com a Constituição de 1946, nada fora dessa área”, completou.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Política

Comentários Facebook
Continue lendo

Política Nacional

TSE responde aos questionamentos técnicos das Forças Armadas    

Publicado

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Edson Fachin, enviou hoje (8) ao ministro da Defesa, Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira, um ofício com as respostas técnicas sobre os questionamentos feitos pela equipe das Forças Armadas que foi designada para acompanhar a fiscalização do processo eleitoral. 

No documento, Fachin afirmou que não há previsão normativa para registro escrito de algumas informações solicitadas pela equipe, como a lista de serviços utilizados no recebimento do boletim de urna, de bibliotecas instaladas no servidor e resumos criptográficos e de interpretadores (Java, PPytohon, PHP). 

“Nessa ordem de ideias, para garantir o fiel cumprimento da norma, o TSE franqueou o acesso  às  suas  dependências  para  inspeção  do  código-fonte  dos programas a serem utilizados nas eleições 2022, desde o mês de outubro do ano de 2021, fazendo ampla divulgação das suas reiteradas iniciativas de transparência”, diz o ofício. 

Sobre o acesso à informações das eleições anteriores, o presidente disse que o prazo para solicitação dos dados já terminou, conforme as regras válidas a partir do ano passado. 

“As  entidades  fiscalizadoras  do  processo  eleitoral,  nos  termos  da  Resolução nº. 23.673, de 2021, não possuem poderes de  análise e fiscalização de eleições passadas, não lhes cumprindo papel de controle externo do TSE”, afirmou o tribunal. 

Edição: Fábio Massalli

Fonte: EBC Política Nacional

Comentários Facebook
Continue lendo

Nova Xavantina

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana