conecte-se conosco


Economia

Voos domésticos na China voltam ao nível pré-pandemia

Publicado


source

Contato Radar

undefined
Raphael Magalhães

Voos domésticos na China voltam ao nível pré-pandemia

A pandemia corroeu a demanda por viagens aéreas ao longo de 2020. Inúmeras companhias aéreas foram obrigadas a reduzir o número de voos operados diariamente, devido à súbita queda no número de passageiros viajando.

Apesar disso, e com o passar dos meses, a retomada do mercado aéreo vem acontecendo em um bom ritmo em alguns países. O mercado doméstico continua sendo a principal força motriz, uma vez que as restrições de viagens internacionais ainda comprometem o deslocamento de passageiros entre os países.

Nesse sentido, o mercado doméstico chinês atingiu durante o mês de Setembro 100% do tráfego de 2019, antes da pandemia. A comparação levou em conta o mesmo período comparativo entre os dois anos, registrando inclusive crescimento no fluxo.

Os números, apesar de não se referirem ao mercado brasileiro, são um bom indicativo do que esperar para os próximos meses em território nacional. Com esses resultados, a China junta-se à Rússia, que também já recuperou os números de tráfego doméstico.

As três principais companhias aéreas chinesas – Air China, China Eastern e China Southern – transportaram mais passageiros domésticos do que em Setembro de 2019. Nesse mês, a Air China transportou 7,78 milhões de passageiros domésticos, um aumento de 1,3% em comparação a 2019 e 7% quando comparado a Agosto.

Por sua vez, a China Southern transportou 11,1 milhões de passageiros dentro da China, um aumento de 2,5% em relação a 2019 e 8% a mais que em agosto. A China Eastern transportou 8,9 milhões de passageiros em setembro, um acréscimo de 1,2% em 2020 e 5,1% quando comparado ao mês anterior.

O post Voos domésticos na China voltam ao nível pré-pandemia apareceu primeiro em Contato Radar – Notícias de aviação .

Comentários Facebook
publicidade

Economia

Cathay Pacific postergará o recebimento do Boeing 777X

Publicado


source

Contato Radar

undefined
Gabriel Araújo

Cathay Pacific postergará o recebimento do Boeing 777X

A Cathay Pacific é mais uma companhia que optou por postergar o recebimento do novo Boeing 777X. De acordo com a empresa, a entrega aeronave não acontecerá antes de 2025.

A decisão da Cathay leva em consideração todo o cenário de crise instaurado pela pandemia, em que as companhias aéreas foram obrigadas a refazer todos os planejamentos e reduzir consideravelmente seus gastos.

Em julho, a fabricante norte-americana confirmou o adiamento da entrega da primeira unidade , que será recebida pela Lufthansa. A empresa alemã, cliente lançadora do modelo, receberá seu 777X apenas em 2022, um ano após a previsão inicial.

Para mais conteúdo sobre aviação, acesse aqui o site do Contato Radar.

O post Cathay Pacific postergará o recebimento do Boeing 777X apareceu primeiro em Contato Radar – Notícias de aviação .

Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Bitcoin atinge máxima histórica e chega a R$ 71.265

Publicado


source

Brasil Econômico

Bitcoin
Lorena Amaro

Valor de uma Bitcoin no Brasil é influenciado pela depreciação do Real

O Bitcoin  ultrapassou, nesta quarta-feira (21), sua máxima histórica em reais, chegando ao valor de R$ 71.265. O aumento foi decorrente da empresa ter permitido que seus clientes comprem, vendam e guardem bitcoins, entre outras criptomoedas, em suas respectivas carteiras digitais, através de transações pelo PayPal .

Conforme divulgado pela Reuters , a partir de 2021, todos os mais de 26 milhões de comerciantes que utilizam o PayPal terão a possibilidade de serem pagos com a moeda.

De acordo com o diretor da ABCripto , Safiri Félix, essa a medida vai tornar a aquisição das criptomoedas um processo muito mais simples, o que aumentará a quantidade de usuários. “É uma resposta à Square, que anunciou ter parte do seu capital alocado em Bitcoin”, ressalta.

Beibei Liu, CEO da NovaDAX, afirma que o principal fator para a alta valorização do Bitcoin é o aumento do investimento internacional . “Square, MicroStrategy, Grayscale e Bit Digital anunciaram seus investimentos em Bitcoin e afirmaram que tratarão a criptomoeda como parte do seu portfólio de ativos de longo prazo. A Square inclusive permitiu a compra e venda de bitcoins no seu Cash App”, explica.

Já o country manager da Ripio, Ricardo Da Ros, avalia que há dois fatores importantes para a marca histórica alcançada hoje: a depreciação do Real e a própria tendência do Bitcoin de ficar em alta.

O Real é contribuinte pelo fato de que o dólar custava R$ 3,30 da primeira vez em que o Bitcoin chegou a R$ 70 mil. Naquele momento, uma bitcoin valia US$ 20 mil, mas hoje custa US$ 12.700. Ou seja, uma bitcoin, mesmo menos valorizada em dólar, fica mais cara no Brasil por causa do Real mais barato. Mais reais são necessários para comprar cada BTC devido à depreciação da moeda brasileira.

Já quanto à tendência de ficar em alta do Bitcoin, Da Ros explica que “há muitos sinais de que o topo em dólar será alcançado em breve. A assimetria que o Bitcoin oferece é muito interessante”.

Em 2020, apesar da crise e desvalorização enfrentadas devido às baixas na bolsa decorrentes do novo coronavírus , a demanda por bitcoins tem sido três vezes maior. A informação é de Jan Uytenhout, cofundador da Capriole.

“Mesmo com o Bitcoin sendo minerado todos os dias, a oferta está diminuindo rapidamente. No último ano, 670 mil BTC foram minerados. No entanto, no mesmo período, 1,85 milhões de BTC foram comprados”, afirma Uytenhout.

Safiri comenta que as características do BTC são atrativas às empresas, como o fato de ser um ativo inconfiscável e imune a interferências de bancos centrais e governo. “Eu continuo convicto na função do Bitcoin como hedge (proteção) contra à impressão de moeda desenfreada dos BCs.”

Às 16h49 (horário de Brasília), o Bitcoin tinha alta de 7,22%, no valor de R$ 71.265 . No mesmo horário, em dólar, a criptomoeda registrava ganho de 6,07% nas últimas 24 horas, custando US$ 12.685, seu maior valor desde junho de 2019.

Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Auxílio Emergencial, Bolsa Família e Renda Brasil: compare os programas sociais

Publicado


source

Brasil Econômico

bolsonaro guedes
Marcos Corrêa/PR

Ainda sem definição sobre o novo programa social para substituir o Bolsa Família, o governo para de pagar o auxílio em janeiro; veja as diferenças

O governo ainda está sem definição sobre o novo programa social para substituir o Bolsa Família, que deve ser o Renda Brasil, com uma transição pelo Renda Cidadã (entenda as diferenças entre os Rendas aqui ). O prazo para implementar o novo projeto está cada vez mais curto, já que o auxílio emergencial – programa que atende trabalhadores informais e beneficiários do Bolsa Família durante a pandemia – chega ao fim em janeiro de 2021.

Comparando o auxílio emergencial, o Bolsa Família e o novo programa ( Renda Brasil ), é possível perceber que a novidade será um projeto intermediário entre o BF e o auxílio. Ele custará e pagará um valor que fica entre os dois programas já consolidados e atenderá também uma média populacional – não terá tantos beneficiários quanto o auxílio, mas atenderá mais que o BF.

Nesta quarta-feira (20), o blog de Thomas Traumann, da Veja, publicou uma coluna divulgando as diferenças entre os programas sociais.

Veja a comparação entre o Auxílio Emergencial, Bolsa Família e Renda Brasil/Cidadã:

Auxílio Emergencial
– Atendidos: 67,2 milhões de pessoas (dado de até agosto)
– Valor pago: R$ 600 de abril a agosto e R$ 300 de setembro a dezembro
– Orçamento em 2020: R$ 321,8 bilhões

Bolsa Família
– Atendidos: 42 milhões de pessoas
– Valor pago: R$ 190 (em média)
– Orçamento original em 2020: R$ 32 bilhões

Renda Brasil/Cidadã
– Atendidos: 52 milhões de pessoas
– Valor: entre R$ 240 e R$ 270
– Orçamento: entre R$ 50 bilhões a R$ 55 bilhões

Comentários Facebook
Continue lendo

Nova Xavantina

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana